AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

TRANSPLANTE FECAL

POR CLAUDIA MARCELINO

http://www.sciencedaily.com/releases/2012/04/120430152132.htm


Cientistas estão desenvolvendo uma mistura sintética de bactérias intestinais que pode substituir a técnica de transplante fecal, efetiva, mas ainda polêmica.


Este assunto já rolou no autismo esperança na época da vinda da Andrea Lalama no Brasil.
Extremamente polêmico, causou furor na época, está sendo provado ser efetivo na cura de 98% de casos de clostridium e síndrome do cólon irritado onde nada mais era efetivo.
Na época foi comentado como alternativa para crianças autistas com sérios problemas intestinais e de fungos, mts de nossas crianças tem problemas com clostridium, ou um tratamento do tipo "cortar caminho" para crianças bem novinhas com diagnóstico.

Cairia na teoria da Dra. Natasha que a síndrome começa no intestino.
Então... remodelando instantaneamente as bactérias intestinais desenvolvendo um intestino sadio, adeus síndrome!


http://www.sciencedaily.com/releases/2011/10/111031114945.htm


Transplantes Microbiota fecal tratamento eficaz para a C. difficile, Doença Inflamatória Intestinal, Pesquisa Finds
ScienceDaily (31 de outubro de 2011) - As crescentes evidências para a eficácia dos transplantes microbiota fecal como um tratamento para pacientes com episódios recorrentes de Clostridium difficile (C. difficile) associados a diarréia é apresentado em três estudos - incluindo um de longo prazo follow- up de transplante microbiota fecal colonoscopia (FMT) para infecção recorrente C. difficile, que incluiu 77 pacientes de cinco estados diferentes - revelado no American College of (ACG) Gastroenterologia da 76 Reunião Anual Científica em Washington, DC.


-------------------------------------------------- ------------------------------

Veja também:
Saúde e Medicina
• Colite
• Doenças Infecciosas
• Problemas gastrointestinais
Plantas e Animais
• Bactérias
• Pesquisa Bird Flu
• Micróbios e mais
Referência
• rejeição do transplante
• Giardíase
• Transmissão (medicina)
• O transplante de fígado
Em um quarto estudo, os investigadores do Centro de Doenças Digestivas na Austrália explorado transplante bacteriana fecal como um tratamento para Doença Inflamatória Intestinal. Embora esta seja uma nova área de pesquisa, os resultados deste estudo demonstram sucesso no tratamento de IBD, quando o transplante é feito recorrentemente fecal.

O primeiro estudo, "a longo prazo de acompanhamento de Transplante Microbiota Fecal colonoscópicos (FMT) para recorrente C. difficile Infecção (RCDI)," 77 pacientes em cinco estados diferentes (RI, NY, OK, CA, WA), que anteriormente teve um transplante de microbiota fecal colonoscopia, pelo menos, três meses atrás para infecção recorrente C. difficile, e descobriu que FMT foi bem-sucedida em 70 de 77 pacientes (91 por cento) que foram, em média, idosos, debilitados e submetidos a vários tratamentos falhados, incluindo antibióticos e terapias probióticas. Além disso, em seis dos sete pacientes restantes, um curso de duas semanas única de vancomicina ou um curso de duas semanas vancomicina mais um FMT ainda resultou em cura (98 por cento).

"Muitos desses pacientes seguimos com estava doente há muito tempo, mas uma vez que foram submetidos ao transplante de microbiota fecal sua resposta ao tratamento foi rápido e os seus sintomas melhoraram em média, em cerca de seis dias", disse o pesquisador Mark H. Mellow , MD, FACG, de INTERGRIS Baptist Medical Center, em Oklahoma. A duração média da doença para estes pacientes foi de 11 meses, mas após o procedimento os pacientes continuaram a melhorar e - sem tratamento antibiótico subseqüente - não teve uma recorrência de infecção por C. difficile durante o acompanhamento (em média, 17 meses) , de acordo com Dr. Mellow e sua equipe de co-pesquisadores que incluiu um pioneiro líder de transplante microbiota fecal, Lawrence J. Brandt, MD, MACG, do Albert Einstein College of Medicine, em Nova York.

Resultados de uma meta-análise de pesquisadores da Universidade de Toledo Medical Center também foram apresentadas, evidenciando cada vez mais a eficácia do transplante microbiota fecal. "Bacteriotherapy Fecal Obras de Clostridium difficile Infecção-A Meta-Analysis", revisou os casos de 148 pacientes que receberam transplantes fecal de infecção por C. difficile. O seguimento variou de 10 dias a 62 meses após o transplante, com uma média de seguimento de 1 ano. Transplante fecal tiveram uma taxa de sucesso global de 85,4 por cento, de acordo com pesquisadores, que também concluiu que o procedimento foi uma opção de tratamento segura e eficaz para infecção por C. difficile.

Clostridium difficile é uma bactéria que causa a infecção levando à diarréia e é mais freqüentemente relacionadas ao uso de antibióticos durante o tratamento médico. Uma das principais causas de morbidade e aumentando os custos de cuidados de saúde entre pacientes hospitalizados, infecções por C. difficile têm aumentado dramaticamente nos últimos anos, com 500.000 casos nos Estados Unidos anualmente e cerca de 15.000 mortes a cada ano, de acordo com os Centros dos EUA para Controle de Doenças e Prevenção . Até 25 por cento dos pacientes terá uma recorrência da infecção por C. difficile, e uma proporção vai ser refratária aos antibióticos. C. difficile é especialmente perigosa para pacientes com sistema imunológico debilitado, como os idosos e aqueles com Doença Inflamatória Intestinal (DII). Terapias para isso difícil de tratar subpopulação incluem antibióticos, probióticos, a toxina de ligação de medicamentos, a vacinação ativa, immunoglobon intravenosa, e transplante microbiota fecal, para o qual a prova foi montagem como um resgate eficaz para casos recorrentes e refratárias de C. difficile diarréia associada.

"Embora o conceito de transplante fecal pode soar desagradável para alguns, a aceitação do paciente deste tratamento é crescente, especialmente quando eles vêm sofrendo há meses com C. difficile recorrentes", disse Dr. Mellow. "Quando perguntamos aos pacientes em nosso estudo sobre sua escolha de tratamento, se a infecção recidiva, 53 por cento disseram transplante fecal seria sua primeira escolha para o tratamento."

Em um estudo relacionado também revelou na reunião ACG, "Clostridium difficile Infecção em retocolite ulcerativa: Aumento do risco de Colectomia e Complicações Pós-Operatórias Infecciosas", pesquisadores da Universidade de Calgary descobriu que os pacientes com colite ulcerativa que foram diagnosticados com C. difficile foram significativamente menor probabilidade de responder ao tratamento médico e, como resultado exigem uma colectomia quando diagnosticado com C. difficile no hospital ou no prazo de 90 dias de internação. Além disso, pacientes com colite ulcerativa que C. difficile concomitante, no pré-operatório estavam em um risco maior de complicações infecciosas após uma colectomia.

Pesquisadores descobrem Transplante Microbiota Fecal eficaz para o tratamento de doença inflamatória intestinal

Com o crescente sucesso do transplante fecal de C. difficile, pesquisadores começaram a explorar a eficácia desse procedimento para outras doenças graves, como a Doença Inflamatória Intestinal (DII). Um segundo estudo, "O Reverso da Doença Inflamatória Intestinal (DII), com recorrentes Transplantes Microbiota Fecal (FMT)", relata o sucesso do tratamento de graves IBD mistos usando recorrentes transplantes microbiota fecal em três casos de pacientes.

• No caso 1, uma mulher de 19 anos com uma história de 11 anos de IBD grave e que apresentaram piora dos sintomas, incluindo diarreia com sangue e mucosa, inflamação ulceradas, e estava considerando uma colectomia, melhora dos sintomas experimentados dentro de alguns dias após o recebimento FMT . Ela se submeteu FMT inicialmente via colonoscopia em julho de 2009, em seguida, por sete FMT diária rectal e 26 semanais FMT é. Follow-up colonoscopia revelou nenhuma inflamação grave ou edema, com o paciente permanecendo clinicamente bem.
• No caso 2, a 23 - anos de idade do sexo masculino com uma história de cinco anos de esteróides e anti-TNFa colite ulcerativa refratária apresentado com diarréia sanguinolenta mais de 20 vezes por dia, fissuras anais, dor abdominal intensa e dor nas articulações. Pre-FMT colonoscopia - mostrou doença grave do cólon esquerdo com inflamação cecal marcado. Ele foi submetido a FMT diária retal para o primeiro mês, seguido por infusões de diminuir de frequência até que chegou um FMT / 6 semanas. Ele relatou resolução do sangramento 1-2 semanas pós-FMT, e formou fezes em um mês pós-FMT, retomou as atividades de trabalho, estudo e recuperou o peso. Colonoscopia em um ano não mostrou inflamação histológica, mas pseudopólipos ocasionais no ceco e cólon ascendente.
• No caso 3, uma mulher de 57 anos com uma história de nove anos de 5-ASA antibióticos, probióticos e proctite ulcerativa refratária imunossupressoras, apesar do tratamento. Após o treinamento em nossa clínica, ela se apresentou 69, inicialmente diárias, então FMT rectal semanal com resolução praticamente imediatas de sangramento, diarréia e muco. Follow-up colonoscopia não mostraram inflamação visível ou histológicas e ela manteve-se fora de todos os terapia para os últimos quatro anos.
FMT pode atuar como um antagonista do agente infeccioso etiológico (s) e ajuda no restabelecimento da esgotados espécies bacterianas, invertendo assim IBD, de acordo com pesquisadores do Centro de Doenças Digestivas, na Austrália.

Comentando sobre os casos de FMT em IBD, o pesquisador Thomas Borody, MD, PhD, FACG, disse, "a rápida resposta da FMT e ausência de efeitos adversos FMT fazer uma opção viável para o tratamento de doentes refractários e é certamente uma opção adicional para aqueles que enfrentam a colectomia. "


Fecal Microbiota Transplants Effective Treatment for C. Difficile, Inflammatory Bowel Disease, Research Finds
ScienceDaily (Oct. 31, 2011) — Growing evidence for the effectiveness of fecal microbiota transplants as a treatment for patients with recurrent bouts of Clostridium difficile (C.difficile) associated diarrhea is presented in three studies -- including a long-term follow-up of colonoscopic fecal microbiota transplant (FMT) for recurrent C. difficile Infection that included 77 patients from five different states -- unveiled at the American College of Gastroenterology's (ACG) 76th Annual Scientific meeting in Washington, DC.

In a fourth study, investigators from the Centre for Digestive Diseases in Australia explored fecal bacterial transplantation as a treatment for Inflammatory Bowel Disease. While this is a new area of research, results of this study show success in treating IBD when the fecal transplant is done recurrently.

The first study, "Long-term Follow-up of Colonoscopic Fecal Microbiota Transplant (FMT) for Recurrent C. difficile Infection (RCDI)," included 77 patients from five different states (RI, NY, OK, CA,WA) who previously had a colonoscopic fecal microbiota transplant at least three months ago for recurrent C. difficile infection, and found that FMT was successful in 70 out of 77 patients (91 percent) who were on average elderly, debilitated and had undergone multiple failed treatments, including antibiotic and probiotic therapies. Additionally, in six of the remaining seven patients, a single two-week course of vancomycin or a two-week vancomycin course plus one further FMT resulted in cure (98 percent).

"Many of these patients we followed up with had been ill for a long time, but once they underwent the fecal microbiota transplant their response to the treatment was quick and their symptoms improved on average in about six days," said investigator Mark H. Mellow, MD, FACG, of INTERGRIS Baptist Medical Center in Oklahoma. The average duration of illness for these patients was 11 months, but after the procedure patients continued to improve and --without subsequent antibiotic treatment--did not have a recurrence of C. difficile infection during follow-up (on average , 17 months), according to Dr. Mellow and his team of co-investigators which included a leading pioneer of fecal microbiota transplantation, Lawrence J. Brandt, MD, MACG, of the Albert Einstein College of Medicine in New York.

Results from a meta-analysis by researchers at the University of Toledo Medical Center were also unveiled, providing further evidence of the effectiveness of fecal microbiota transplantation. "Fecal Bacteriotherapy Works for Clostridium difficile Infection -A Meta-Analysis," reviewed the cases of 148 patients who had received fecal transplants for C. difficile infection. Follow-up ranged from 10 days to 62 months after the transplant, with an average follow-up of 1 year. Fecal transplant had an overall success rate of 85.4 percent, according to researchers, who also concluded that the procedure was a safe and effective treatment option for C. difficile infection.

Clostridium difficile is a bacterium that causes infection leading to diarrhea and is most often related to antibiotic use during medical treatment. A major cause of morbidity and increasing health care costs among hospitalized patients, C. difficile infections have dramatically increased in recent years, with 500,000 cases in the United States annually and approximately 15,000 deaths each year, according to the U.S. Centers for Disease Control & Prevention. Up to 25 percent of patients will have a recurrence of C. difficile infection, and a proportion will be refractory to antibiotics. C. difficile is especially dangerous for patients with weakened immune systems such as the elderly and those with Inflammatory Bowel Disease (IBD). Therapies for this difficult-to-treat subpopulation include antibiotics, probiotics, toxin-binding medications, active vaccination, intravenous immunoglobon, and fecal microbiota transplant, for which the evidence has been mounting as an effective rescue for recurrent and refractory cases of C. difficile associated diarrhea.

"While the concept of fecal transplantation may sound unpleasant to some, patient acceptance of this treatment is growing, especially when they have been suffering for months with recurrent C. difficile," said Dr. Mellow. "When we asked patients in our study about their choice of treatment if their infection recurred, 53 percent said fecal transplant would be their first choice for treatment."

In a related study also unveiled at the ACG meeting, "Clostridium difficile Infection in Ulcerative Colitis: Increased Risk of Colectomy and Postoperative Infectious Complications," researchers from the University of Calgary found that patients with ulcerative colitis who were diagnosed with C. difficile were significantly less likely to respond to medical treatment and as a result require a colectomy when they diagnosed with C. difficile in the hospital or within 90 days of admission. In addition, patients with ulcerative colitis who had concomitant C. difficile, preoperatively were at a higher risk of infectious complications following a colectomy.

Researchers Find Fecal Microbiota Transplantation Effective For Treatment of IBD

With the growing success of fecal transplantation for C.Difficile, researchers have started to explore the effectiveness of this procedure for other serious conditions, such as Inflammatory Bowel Disease (IBD). A second study, "Reversal of Inflammatory Bowel Disease (IBD) with Recurrent Fecal Microbiota Transplants (FMT)," reports successful treatment of severe mixed IBD using recurrent fecal microbiota transplants in three patient cases.

In Case 1, a 19-year old female with an 11-year history of severe IBD and who presented with worsening symptoms including bloody diarrhea and inflamed, ulcerated mucosa , and was considering a colectomy, experienced symptom improvement within several days after receiving FMT. She underwent FMT initially via colonoscopy in July 2009 then by seven daily rectal FMT and 26 weekly FMT's. Follow-up colonoscopy revealed no gross inflammation or edema, with the patient remaining clinically well.
In Case 2, a 23- year old male with a five-year history of steroid and anti-TNFα refractory ulcerative colitis presented with bloody diarrhea more than 20 times per day, anal fissures, severe abdominal pain and joint pain. Pre-FMT colonoscopy -- showed severe disease of the left colon with marked cecal inflammation. He underwent daily rectal FMT for the first month, followed by infusions of lessening frequency until he reached 1 FMT/6 weeks. He reported resolution of bleeding 1-2 weeks post-FMT, and formed stool at 1 month post-FMT, resumed work, study activities and regained weight. Colonoscopy at one year showed no histological inflammation but occasional pseudopolyps in the cecum and ascending colon.
In Case 3, a 57-year old female with a nine- year history of 5-ASA antibiotics, probiotics and immunosuppressant refractory ulcerative proctitis in spite of treatment. After training in our clinic, she performed 69, initially daily, then weekly rectal FMT with virtually immediate resolution of diarrhea, bleeding and mucus. Follow-up colonoscopy showed no visible or histological inflammation and she has remained off all therapy for the last four years.
FMT may act as an antagonist to etiological infective agent(s) and aid in re-establishing depleted bacterial species, thereby reversing IBD, according to researchers from the Centre for Digestive Diseases in Australia.

Commenting on the cases of FMT in IBD, lead researcher Thomas Borody, MD, PhD, FACG, said, "the rapid response of FMT and lack of adverse effects make FMT a viable option for treatment-refractory patients and is certainly an added option for those facing colectomy."
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO