AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Desenvolvimento pragmático - nossa experiência

Um dos primeiro exercícios para ajudar no desenvolvimento pragmático que eu usei com o Luís foi transformar a idéia abstrata de uma conversa em algo visual e concreto. Naquela época o Luís não tinha interesse por desenhar, porém, mesmo assim eu usei o desenho como meio porque não consegui pensar em outra ferramenta.

Todos os dias nós fazíamos um desenho juntos, esse desenho era composto por formas simples e cada um acrescentava uma forma que trocaria o significado do desenho. Por exemplo, o Luís desenhava um círculo (com prompt total porque ele não tinha interesse em desenhar), daí eu exaclamava que era uma bola, então eu desenhava um cone abaixo da bola e dizia que era um sorvete, então, ainda com o uso do promt total ele desenhava dois olhos e um nariz na bola e então eu exclamava que era um palhaço. E assim íamos transformando as formas intercalando as idéias. Não demorou muito o Luís passou a se interessar em desenhar como uma forma de expressar idéias (sem precisar de prompt) e passou a entender não somente que poderíamos construir uma terceira idéia juntos, mas que também poderíamos mudar de idéia.

Paralelamente, na rotina diária eu passei a enfatizar esse tipo de situação, eu comer carne, ele escolhe macarrão, então podemos comer spaghetti à bolonhesa. É quase como negociar tudo, porém o objetivo é claro, construir juntos a idéia.

Outra técnica que eu usei com ele foi pensando na noção de perspectiva do próximo, então treinávamos várias vezes ao dia em mostrar as coisas para quem estivesse em casa, fotos, brinquedos, desenhos, capas de DVDs, como eu tinha um fluxo grande de gente todos os dias em casa consegui bastante repetição diária com a mesma coisa a ser mostrada, cada dia tínhamos algo diferente para mostrar, mas no mesmo dia só mostrávamos o item escolhido para todos os que vinham, e mostrar significava ter certeza que o outro conseguiu ver, virar o desenho ou foto em direção ao outro, segurar o brinquedo de forma que o outro pudesse vê-lo.


Chegou a hora no desenvolvimento dele de contar fatos, nós começamos com fotos e a relembrar os acontecimentos, isso também fazia parte do nosso programa para organizar a memória (pensamentos), então passamos a usar a técnica do lixo representativo. Todos os fins de semana fazíamos um programa "memorável", podia ser tomar um sorvete, pic-nic no parque, ir ao zoológico, museu. Então, na segunda-feira o Luís levava em um saquinho um lixinho que representasse esse programa, esse saquinho era então grampeado numa folha sulfite e a professora pedia que ele falasse sobre o que estava no saquinho, dai ela escrevia o que ele tinha dito e retornava o saquinho de volta para casa com a folha grampeada. No começo o Luís só dizia uma palavra sobre o lixinho, depois ele passou a dizer mais detalhes do que tinha acontecido. Para reforçar essa memória eu sempre enfatizava na hora de coletar o lixinho, "mamãe vai colocar esse pedacinho de papel no saquinho assim você pode contar para a teacher Wendy o que aconteceu.

Uma das vezes eu enviei terra no saquinho porque eu e o Luís tínhamos plantado algumas sementes naquele fim de semana, porem nós fizemos outras atividades também e na volta veio a frase "birds were flying" e eu me lembrei que havíamos ido ao parque e que nos divertimos fazendo os pássaros voarem. Mesmo que não tenha sido relacionado com o lixinho, o comentário havia sido perfeito, ele compartilhou com a professora o que mais havia gostado no fim de semana e não necessariamente o que eu tinha escolhido. Como a professora não tinha dicas do que havia acontecido ela pôde continuar a conversa sem pensar se o comentário era certo ou errado.

Também seguíamos trabalhando o sequenciamento de imagens e eu tirava fotos das sequências das atividades que nós fazíamos, há um exemplo do sequenciamento das fotos no link abaixo:
http://autismoemacao.blogspot.com/2010/12/enfeites-de-natal.html
e uma vez por semana ele contava a fonoterapeuta o projeto que havíamos feito, detalhando os acontecimentos.

Duas amigas telefonavam diariamente e o Luís contava (da maneira dele) alguma coisa do dia,
elas pacientemente ouviam e contavam algo do dia delas. Como não eram pessoas que o Luís via todos os dias ele passou a entender que não sabemos de tudo o que acontece com todos e que cada um tem uma rotina distinta. A partir deste click ele aprendeu a mentir.


A maior dificuldade do Luís ainda era a postura corporal para a entrada em um grupo e sua manutenção como parte do grupo. Como ferramenta me apoiei no vídeo do Zeebu:
http://playtimewithzeebu.com/
e usávamos a linguagem no dia a dia, em casa criávamos cenas como as do video em que eu conversava com alguém mas não usava o poder dos meus olhos para me manter no grupo, ajustávamos nossa postura (ombros e quadris) para estarem voltados ao grupo. Na escola foi adotada a mesma linguagem e assim facilitava o prompt e sempre era ressaltado o significado da postura corporal nas crianças "olha o Luís está interessado no livro que a professora esta lendo porque seus olhos e ombros estão voltados para a professora."; " Acho que o Luís quer brincar sozinho porque esta de costas para s colegas." (e geralemente ele corrigia a postura para estar socialmente receptivo).


Oi e Tchau ainda são desafios ao Luís, ele não vê o ponto das ações, aos poucos, com lembretes constantes após uma espera pela iniciativa a habilidade esta emergindo, o que ajudou foi o cumprimentar com um aperto ou jogo de mãos.



Também trabalhamos bastante o processo de organizar os pensamentos e a memória, conversar sobre o que ele achava das ações das outras pessoas e o que elas achavam das ações dele. Ressalto, até hoje, o que as pessoas sentem com as nossas ações. " Você acha que o papai vai ficar feliz se nós prepararmos um jantar para ele?"; "O que você acha que a outra criança vai sentir se você não deixar ele ver seu carrinho novo?" Conversávamos bastante sobre a repercussão das ações de uma pessoa sobre a outra nos filminhos e desenhos.

Nesta mesma época introduzi o que você acha na vida dele, também dentro do processo de pensamento com um foco social.


Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO