AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 5 de janeiro de 2013

INTERVENÇÃO TGD


1 - Introdução

Em geral, as crianças com PDD partes muitos dos sintomas de disfunção social e Transtorno Autista comunicativa apresentada. Não existe um tratamento único que funciona para todas as crianças. A maioria dos profissionais e das famílias através de um conjunto de métodos, incluindo a modificação de comportamento, educação estruturada, de algum tipo de medicação, etc ... Juntas, essas técnicas são destinadas a minimizar o impacto de comportamentos negativos que interferem com a aprendizagem da criança, enquanto se esforçando para estimular um comportamento mais normal.

De um modo geral podemos dizer que o tratamento ou a intervenção no TGD deve ser, em termos de sintomas e características de cada pessoa, e não pelo próprio diagnóstico. Nós explicado na avaliação de TGD manifestações diversidade e especificidade de cada caso, o aumento da necessidade de um único caso de aproximação.

Nesses distúrbios devemos envolvimento activo do terapeuta na intervenção processo de avaliação e monitoramento. Para fazer isso, devemos implantar todas as habilidades necessárias para entrar em um mundo que ainda é largamente desconhecida. Se entendermos o funcionamento peculiar da criança alcançar mais sucesso intervir. Muitas dessas crianças, a falta de canal de comunicação eficaz, muitas vezes expressar suas demandas em uma incompatíveis (choro, birras, desobediência, comportamento agressivo, etc ...). Você simplesmente ter aprendido a funcionar como uma falta de outros recursos. Pense no comportamento como uma mensagem que precisa ser decodificado. A frustração de não ser capaz de comunicar as necessidades ou humores (medo, ansiedade, confusão ...) é muito presente em muitas dessas crianças que, de fora, as crianças são tão "rude", "doente" ou " problemático ".
À medida que aprendemos a antecipar certos estados ou situações de melhoria do comportamento da criança. Não vou negar que, muitas vezes, estes comportamentos podem ser o resultado de um cruzamento entre uma demanda a ser interpretado, mas também o resultado de alguns maus hábitos aprendidos. Alguns pais tendem a desenvolver comportamentos demasiado permissivos e tolerantes, assumindo o papel de "criança doente" consintiéndole muito ou não distinguir bem o que é um resultado direto de sua doença ou seu capricho.

Uma vez estabelecidas estas diretrizes comportamentos desajustados (agressividade, desobediência, comportamento imprevisível, etc), será mais difícil de erradicar como a criança fica mais velha.

Muitas vezes, a família também sofre, e como parte dessa situação desagradável irá criar e manter novos sistemas de relacionamento. A família procura o seu próprio equilíbrio e auto-limitações que precisam surgir em suas vidas diárias. Algumas famílias, para comportamentos disruptivos, agressivos ou mal adaptado pode dispensar certas saídas ou lugares que visitam ou conhecidos evitado desde males maiores. Relações com crianças pode levar a uma relação coercitiva em que a criança exercido tirano real contra seus pais se eles têm sido conhecida a colocar limites de tempo. A presença de um diagnóstico clínico de um distúrbio psicológico, porém é grave, os obstáculos não deve se envolver em um nível psicológico, que se minimizar ou normalizar tais comportamentos.

A mensagem positiva é que você jogaria todas as crianças dentro da TGD tem seu potencial de aprendizagem peculiar. É dever dos profissionais de diversas encontrá-lo para levá-lo para o nível máximo de funcionamento em todas as áreas. 

2 - Objectivos da intervenção

Na avaliação do TGD foram identificadas zonas de interesse em que recolhem dados para traçar o plano para psicoeducacional intervenção. Agora temos que definir como vamos intervir:

3 - sistemas de comunicação alternativos

Certamente, a comunicação é uma das metas mais importantes para trabalhar com crianças com PDD eles processar a informação visual melhor, e espaço concreto, tendo mais dificuldades para gerenciar informações não visível, temporal e abstrata, essas três características são linguagem convencional si, uma área em que o principal bloco de tropeço. Com base nessas necessidades criaram o SAC (Sistema de comunicação aumentativa ou alternativa). O SAC pode ser definida como instrumentos ou terapia da fala de educação para pessoas com distúrbios de comunicação diversas e / ou linguagem e projetado para ser o ensino através alternativas procedimentos específicos adaptados às necessidades e capacidades de cada criança.

Insiste que é o sistema a ser adaptado para cada criança e não vice-versa. Você pode ser obrigado a teste ou experimento com métodos diferentes antes de encontrar o que trabalhar com uma criança especial.

Existem dois tipos de SAC:
1 - sinal de sistemas.
2 - sistemas representativos (PECS e SPC)

Registe-sistemas, são geralmente muito facilmente adquirida por muitas crianças. Expressão oral que acompanham a produção de sinais para se comunicar com a criança, pode fornecer informações adicionais, em muitos casos, assimila e lojas, identificação de demandas verbais perfeitamente ainda serem capazes de produzi-los.

Hoje, graças aos avanços tecnológicos, temos muitas ferramentas para usar esses sistemas alternativos.
Para ver em detalhe as diferentes possibilidades oferecidas sistemas alternativos e materiais baixados recomendar ARASAAC Portal (Portal aragonês de Comunicação Suplementar e Alternativa).

"Jogar o console do jogo"

Sistemas de signos são incorporados progressivamente através de técnicas de modelagem e aproximações sucessivas. Cada criança tem seu próprio ritmo de aprendizagem.

Em casos de maior envolvimento é possível que a língua de sinais também terminou o trabalho. É quando os sistemas se tornam elementos puramente visuais de escolha.
• Os símbolos usados ​​são por Sergio Palao para CATEDU (http://catedu.es/arasaac/) que publica sob Creative Commons
Os pictogramas diferentes podem ser agrupadas em conjuntos de elementos da mesma categoria, por exemplo, alimentos, produtos de higiene pessoal, itens de vestuário, etc. Há pictogramas chamado combinado oferecendo ao lado do nome do objeto de desenho ou ação.

Esses pictogramas, com formação adequada, pode ser usado de duas maneiras muito específicas:
1 - A criança pode exigir efectuarnos observando o objeto adequado (por exemplo, o banheiro ou pedir água).
2 - Anticiparle a criança a uma situação específica (por exemplo, é hora de comer, você tem que ir para a escola, etc.)

Muitas crianças têm a capacidade de associar um símbolo com um objecto ou uma acção determinada, no entanto, pode haver uma certa indiferença ao sistema, especialmente nas crianças, que são relativamente autónomo em espaços conhecidos e são capazes de satisfazer as suas necessidades primárias (alimentação, etc) sozinho. Em situações desconhecidas ou novo espaço é o lugar onde você pode realmente testar se a criança internalizou o significado dos símbolos.

Finalmente, note que há casos em que o sistema pictográfica padronizada, quando é muito abstrato, não podem funcionar para algumas crianças. É hora de testar com imagens reais. Pode começar com imagens de objetos conhecidos para a criança (comidas favoritas, objetos da vida cotidiana que se refere o WC, cozinha, sala de aula, em casa, etc) Antes de passar para as imagens de lugares ou situações e rotina.

O objetivo será conseguir que descrevemos com pictogramas, ou seja comunicativa fornecer-lhe um caminho para ele fazer exigências, mas também que podemos antecipar uma situação ou exigir algo.

O Sistema PECS 
Este sistema funciona muito bem e parece que as crianças aprendem muito rapidamente. O sistema consiste em consolidar uma troca. Funciona de uma garra de comando (real objeto, foto, etc) de um painel e dar a sinal de demanda de adulto. Então, se uma criança aprende que a submissão depois do objeto é derivada uma conseqüência. Estes objectos são ligados ao painel de velcro para facilitar o manuseamento. Fazem parte do processo para descobrir o nível de discriminação da criança. Isto é, descobrir se compreender os símbolos ou imagens ou trabalhar com objetos reais. Aproveitando este tipo de parceria e aumentar progressivamente o número de objetos que podem ir sobre a construção de um link de comunicação mais eficaz.

Para estabelecer esses sistemas precisam de perseverança e da cumplicidade dos pais para garantir a sua prática também é em casa, e só os resultados vão ser o ideal. Nosso objetivo é dar as ferramentas de criança que você pode usar para se comunicar em qualquer situação.

Anexado é publicado pelo trabalho Associação APNABA para aprofundar o conhecimento sobre o sistema:

PECS - Sistema de Comunicação por troca de figuras [48 KB]

Recomendamos também visitar o web: comunicação aumentativa. Ele oferece uma ampla gama de imagens e pictogramas de tipos diferentes de trabalhar.

4 - Método ABA

ABA significa "Análise Comportamental Aplicada" (Applied Behavior Analysis). Este método foi introduzido por Ivar Lovaas psiquiatra da UCLA. É um tipo de análise aplicada do comportamento e, portanto, utiliza os métodos de modificação de comportamento adaptadas para uso em PDD e autismo, principalmente em crianças pré-escolares. A intervenção visa melhorar as habilidades de comunicação, mas também para aqueles comportamentos que devem ser corrigidos ou minimizados.O stepper modelagem, reforço de retirada, de atenção, etc. são elementos-chave. Em sua forma original, é a terapia intensiva com 30 a 40 horas.

O método divide as tarefas diferentes, mais complexas, como linguagem comunicativa, em uma série hierárquica de passos, cada um dos quais define o cenário para o próximo. Forma coordenada e conjunta, os terapeutas e os pais trabalham para criar um ambiente estruturado com atividades planejadas e uma maneira consistente de aprendizagem. A criança é reforçado (recompensado), superando cada pequeno passo. Aos poucos, as crianças vão interiorizar o que eles aprenderam a ser capaz de integrar todas as informações aprendidas.

Lovaas (2000) afirma que a ABA utiliza métodos que são baseados em princípios científicos de comportamento: Crianças autistas aprendem naturalmente em ambientes típicos, como as outras crianças. Torna-se então necessário para a construção de um ambiente, como a criança a ser capaz de ensinar socialmente comportamentos úteis enquanto reduz o problema.

Alguns estudos afirmam que tem havido melhorias notáveis ​​muito mais de 50% dos casos tratados com o método, embora, como é geralmente o caso, precisamos de mais estudos e mais controle sobre as diferentes variáveis ​​para estabelecer sua eficácia.

Muitos pais com crianças diagnosticadas com autismo ou PDD, sofrem uma verdadeira peregrinação em busca da solução mágica para o seu filho. De dietas milagrosas, megavitaminas e remédios incontáveis ​​de eficácia duvidosa, fazer-nos perder de vista a realidade da vida cotidiana e da necessidade de intervir diretamente, mesmo sobre os sintomas, melhorar a sua performance.

Modificação de comportamento não vai "curar" a criança, mas que pode aumentar a sua autonomia e, incidentalmente, aliviar o sofrimento da família que tem. Neste sentido, o método abre uma porta importante ABA.

Anexado livro Ivar Loaavas "O Livro Me" [2414 KB] em formato PDF para aqueles que querem conhecer mais detalhadamente as propostas do autor. 

O seguinte é uma das variáveis ​​mais importantes na abordagem psicológica para o problema, como são as habilidades do terapeuta que estas crianças recuperem importância.

5 - Competências do terapeuta: "Quebrando a barreira"

Nós já discutimos as dificuldades em estabelecer canais de comunicação (verbal ou não) com muitas crianças com autismo, especialmente TGD. O terapeuta deve, antes de qualquer intervenção, estabelecer uma ligação estreita com a criança. Não é fácil ser aceito no início, mas quando a ligação é estabelecida, ela pode ser muito útil. Às vezes, estes laços são fortalecidos e as crianças podem mostrar alguma "apego" aos seus cuidadores. Não é incomum que você dá você abraço ou um sorriso depois de uma atividade que se agradável.

Nos primeiros contatos, o estranho no ambiente da criança pode causar algum desconforto. O terapeuta deve ser limitado a observar o ambiente natural da criança, o que ele faz e como, o que eles gostam, quais as competências que você tem .... Na primeira abordagem pode ser usado todos os itens de interesse para a criança (uma atividade que você aprecie a música, um jogo particular). Você tem que ser paciente. Não force a questão. Vá devagar. A criança deve primeiro se familiarizar com a nossa presença, então tente dar um passo adiante e construir um canal de interação. Ao estabelecer este canal será passos para a frente e para trás, isso faz parte do processo. Não podemos, sentada ao lado dele e pedir-lhe para trabalhar quando queremos. Sempre que são eles que têm a chave para abrir a porta e dar-nos permissão para interagir com eles. São seletivos com as pessoas.

Obviamente, as primeiras atividades será restrito, estereotipado e peculiar, mas pode servir para quebrar, em primeiro lugar, a barreira. Há crianças que gostam de jogos de condução com uma bola ou um objeto. Em vez de estabelecer uma rotina previsível. Mais tarde e já estabeleceu uma abordagem vínculo mínimo deve proceder para a cirurgia.

6 - Resumo pontos-chave da intervenção

  • Insista para que cada caso é único. O que funciona bem para uma criança pode não funcionar em outro. Os programas serão personalizados.
  • Estas crianças têm dificuldade em generalizar a partir de uma situação para outra, por exemplo, algo que aprendeu na escola não vai praticar em casa ou vice-versa.
  • Temos de ser consistente com a aplicação do tratamento de problemas diferentes. Deve haver uma cumplicidade e uma coordenação total entre a família e outros profissionais envolvidos, tanto na escola, em casa e em outros ambientes.
  • Estas crianças trabalham melhor em um ambiente previsível e estruturado. As alterações devem ser antecipadas e, em todo o caso, introduzida, se possível, de forma gradual.
  • As técnicas de modificação de comportamento provaram ser altamente eficazes na eliminação ou criação de comportamentos. O comportamento agressivo, impulsivo ou desafiador pode ser corrigido. No entanto, as técnicas que se ajustar às peculiaridades de cada criança. O método ABA tem se mostrado altamente eficaz a este respeito com sessões de aconselhamento e intensivos.
  • A nível de comunicação e de relacionamento social pode beneficiar muito de programas estruturados como descrito no SCP ou PECS.
  • Incorporar sistemas de apoio visuais com diferentes graus de abstração. Encontrar o ponto de funcionamento da criança com eles. Se a criança não entende o simbolismo só tem que tentar a imagens abstratas de fotos reais.
  • Respeitar o seu tempo. Algumas crianças são particularmente "desconectado" do seu ambiente imediato em determinados momentos ou situações. Quando isso acontece, é especialmente difícil para interagir com eles. Temos de encontrar um equilíbrio entre respeitar-lo algumas vezes com outras pessoas que devem trabalhar.
  • Definir metas para o curto, médio e longo prazo. Ir passo a passo, devemos ser capazes de obter pequenas conquistas que são conscientes da grandeza destes pequenos passos. Concretizar os objectivos. Por exemplo, a nível comportamental, podemos intervir para tentar estabelecer o controle de esfíncteres, se não for definido, antes de se concentrar em grandes mudanças.
  • Insistindo na necessidade de uma (psicólogo, neurologista, pediatra, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, professores especializados, etc) multidisciplinar, coordenação adequada e cumplicidade da família com eles em um clima favorável. A escola especial, ou na melhor das hipóteses, a escola regular também serão elementos fundamentais para a intervenção psicoeducacional.

Um bom ponto de partida para traçar a intervenção é fornecido peloIDEA A.Riviere inventário.

Este é um teste concebido para obter um perfil individual dentro do TEA e, portanto, capaz de especificar os pontos de intervenção. Ele também permite que um novo teste avaliar possíveis melhorias após a implementação de um plano de trabalho.

7 - Orientação aos Pais

A rejeição das relações sociais, auto-isolamento, auto-estimulação e graves problemas comportamentais para mudanças constituem a base das preocupações dos pais que vêem seus filhos segue um padrão completamente anômalo diferente do esperado no ciclo evolutiva "normal".

Aconselhamento psicológico para famílias com crianças TGD é, portanto, essencial. Traçou as linhas de intervenção nos vários aspectos que são necessários, o aconselhamento é uma busca de cumplicidade e de coordenação entre todos os intervenientes no tratamento da criança. A família deve ser treinado para ser capaz de gerir convenientemente todas as técnicas precisas psicológicos para aplicação no ambiente doméstico.

Alguns pais mostram alguns receios ou dúvidas sobre como reagir quando há comportamentos agressivos ou perturbador.
Às vezes, eles não são capazes de distinguir entre o que é devido à sua própria desordem ou um mau hábito aprendido. Outras vezes, pode trazer sentimentos de tristeza e uma falsa crença de que certas coisas devem ser tolerado por causa dos problemas na criança. Também pode ocorrer certo cansaço ou sensação de que não há remédio, apesar de ter tentado muitas coisas. As consequências de longo-proteção ou tolerância excessiva a certos comportamentos pode ser muito negativo.

O trabalho do psicólogo deve ir em linha para acompanhar a família, mas também para definir os comportamentos ou situações que podem ser suscetíveis de aperfeiçoamento, sempre sob o rigor de dados clínicos e prudência exigem tais desordens em sua curso evolucionário.

Os pais também podem se beneficiar de participar de reuniões ou palestras de várias associações e escolas, onde a informação é trocada interesse.

Olhando para os pais na idade adulta deve saber que existem vários sistemas de integração na vida profissional, dependendo do tipo de doença e sua magnitude. Os programas sociais de garantia, programas especiais e chamado de transição para a vida adulta em que as crianças são integradas com mais déficits graves.

Estilos de enfrentamento
Cada casa, cada família com uma criança que tem o transtorno tem sua própria maneira de nos adaptar e viver o problema. O processo de luto que vem a partir do momento do diagnóstico, pegando estradas diferentes. Alguns pais, após a peregrinação a diferentes especialistas, tomar uma posição activa, envolvendo a recolha, esgotar todas as soluções possíveis e criar ou apoiar activamente associações com interesses comuns. Esses pais se tornam verdadeiros especialistas sobre o assunto e fazer-se de seu próprio processo e aceitação do problema.

No outro extremo, há pessoas que vêem as coisas mais escuro e tem reais dificuldades para explicar por que eles acontecem para eles. Os companheiros de viagem de culpa ou desesperança são ruins e devem ser tratados separadamente, se eles aparecem. Temos de aprender a conviver com o problema e isso não significa dar-se qualquer coisa que a vida oferece. O problema não é que devemos desistir de alguns de nossos espaços pessoais ou de lazer, mas como compatível dentro de nossas possibilidades e circunstâncias.

Para explorar ainda mais esses sentimentos e emoções sugerimos a leitura do documento "Guia da Família", que é apresentado a seguir.

8 - Guia da Família

Documento pdf em anexo escrito e editado por um grupo de pais e direcionado para famílias com crianças com transtornos do desenvolvimento.
Este é um excelente trabalho que descreve o problema de dentro e fornece orientações específicas para enfrentar os diferentes desafios tanto as crianças e na gestão de emoções e sentimentos dos pais.

(Para fazer o download do documento, clique na imagem)

9 - Mais Informações:

A Junta de Andalucía, publicou através do Ministério da Educação, 3 volumes que compreendem uma abordagem prática dos transtornos invasivos do desenvolvimento. Este é um trabalho abrangente elabora intervenção pedagógica com crianças do espectro do autismo. Abaixo estão os links para download a partir desta página em formato PDF:
(Também pode ser baixado a partir do site do Ministério da Educação )

Síndrome de Asperger Educação Guia

Excelente guia publicado pela comunidade das Astúrias. Ele inclui uma explicação rigorosa e prática da síndrome de Asperger. Ao mesmo tempo, fornece orientações práticas para otimizar seu desempenho educacional, a vida social e familiar.
É um texto essencial para as famílias e professores.

Livros recomendados:

"Autismo e Síndrome de Asperger" Autor: Simon Baron Cohen

Veja outros documentos de intervenção:

Clique na imagem para ver outros livros e links relacionados ao TGD.

20 conceitos fundamentais (Angel Rivière):

Siga este link descreve os 20 pontos principais que Angel Riviere descritos sob o título: o que se poderia pedir um autista?
Também são mostrados na formato audiovisual a partir deApnab.org Association

Precisa de mais informações ou ajuda?
Nós convidamos você a consultar com um profissional especializado em psicologia infantil e adolescente em sua área.
Visite nossas instituições parceiras.

Mais informações sobre TGD:

Características TGDAvaliação TGDAutismo clássicoA síndrome de Asperger

http://www.psicodiagnosis.es



Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO