AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 18 de março de 2012

Autismo e dieta


José Ramón Alonso - O autismo é considerado uma condição rara que raramente foi diagnosticada antes das crianças afetadas tinham três ou quatro anos. O prognóstico ea qualidade de vida das pessoas com autismo não era bom. Hoje, vemos um aumento notável em casos de autismo, discutiu se devido a uma maior consciência com o diagnóstico resultante melhorado ou se estamos vivendo uma epidemia de causa desconhecida. Hoje, mais e mais pesquisadores concordam que, mesmo um em cada 150 crianças podem ser afetados em maior ou menor grau, no que é chamado de transtornos do espectro autista (ASD) e há um esforço considerável para conseguir avançar da idade no momento do diagnóstico. O diagnóstico precoce pode permitir o tratamento começar mais cedo e, embora as opções são ainda bastante limitada, um bom trabalho em casa e na escola, adaptada às condições particulares de cada criança, pode fazer uma diferença importante com o passar do ano.
Tentando obter um diagnóstico mais precoce seguido estratégias diferentes. Em alguns casos, analisamos populações de "risco" tais como irmãos de uma criança com diagnóstico de autismo, dos quais se sabe que a probabilidade de que eles podem sofrer é muito mais elevada do que na população geral. Em outros casos, que varreu a população em geral, procurando sinais de alerta. Em uma terceira abordagem dados estatísticos são coletados de uma população muito grande e, então, comparada a informação armazenada entre os posteriormente diagnosticado com ASD e aqueles sem para ver se há algo que apresentaram diferenças.
Seguindo esta última abordagem, encontramos diferenças entre crianças com ASD afetadas padrões alimentares na atenção vocal e visual. Vou me concentrar neste post no primeiro parágrafo: o autismo ea dieta.
Emond e seu grupo têm publicado na revista Pediatrics um estudo de 79 crianças com ASD nascidos entre 1991 e 1992, a Avon, na Inglaterra em comparação com 12,901 crianças nascidas no mesmo período e região, que foram utilizados como controle (na verdade, uma relação de um em 164). Mães padrões de alimentação e amamentação não foi diferente. Pesquisas foram passadas as mães em 6, 15, 24, 38 e 54 meses de idade.
A partir das diferenças primeiro momento na alimentação entre crianças que foram posteriormente diagnosticados com ASD e controles. Para as crianças com ASD, as mães descreveram seus filhos como muito lentos, os comedores de pobres e mais tarde admitiu que o grupo controle, alimento sólido. Aos 15 meses de idade, as crianças com ASD foram mais difíceis para alimentar (estatisticamente significante) e mais seletivo na comida que o grupo controle. A maioria das crianças têm preferências claras para alimentos e não é fácil mudar os seus hábitos e incorporar novos alimentos em suas dietas. Mas as crianças com ASD são mais difíceis de agradar, mais complicado para mudar seus hábitos e muitas vezes têm problemas sensoriais, incluindo aversões marcados para determinadas cores, texturas e formas, o que torna mais difícil incorporar novos alimentos para uma dieta variada. De acordo com o estudo de Emond, dieta permaneceu muito menos variada. Dentro dos transtornos ASD, as crianças com autismo clássico foram aqueles com dieta menos variada em comparação com aqueles que tiveram outras manifestações mais brandas de ASD. Aos 24 meses, as exceções na dieta de crianças com ASD tinha progredido ao ponto que muitas vezes levou um alimento diferente do resto da família. Aos 54 meses, 8% das crianças com ASD tiveram uma dieta especial por algum tipo de alergia alimentar em comparação com 2% no grupo controle.
Algumas crianças com autismo exige que toda sua comida passa por um liquidificador até ficar um purê liso ou consistência de sopa. Outros são limitados a um campo muito restrito de alimentos, adorava comer a mesma coisa. Muitos pais estão se esforçando para incorporar novos alimentos ou alimentos mais saudáveis ​​na alimentação escondido forte sabor de outro deles (por exemplo, legumes, purê e misturado com ketchup ou maionese). No estudo publicado na revista Pediatrics, encontraram níveis mais elevados de pica (desejo irresistível de comer ou lamber artigos não alimentares e incomuns como sujeira, giz, gesso, lascas de tinta, bicarbonato de sódio, amido, cola, mofo, cinzas cigarro, insetos papel, ou qualquer outra coisa que não tem, aparentemente, nenhum valor nutritivo) em crianças com TEA entre 8 e 54 meses do que no grupo controle. No que diz respeito à alimentação, as crianças com ASD consumiram menos salada, legumes, frutas frescas, doces e refrigerantes que o grupo controle. Apesar das diferenças na dieta, não houve diferença de peso entre as crianças com TEA e do grupo de controlo.
Os autores deste estudo sugerem que quando os pais se queixam de problemas de alimentação crianças, a negação de preferências alimentares de alimentos e limitado, o pediatra deve considerar o diagnóstico de ASD e perguntar aos pais sobre outros sintomas-chave, tais como problemas na comunicação e no comportamento social ou uma gama restrita de interesses.
Leia mais:
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO