AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Integração Sensorial – Trocando em Miúdos

Este artigo é destinado a pessoas que queiram ter uma compreensão inicial de como a integração dos sistemas sensoriais interferem no nosso modo de funcionamento diário.


É comum encontrarmos famílias que procuram entender porque seus filhos apresentam comportamentos diferentes em relação a outras crianças, principalmente em ambientes sociais e atividades escolares. Tais como:

-dificuldade em manter atenção na sala de aula ou em brincadeiras com regras complexas
-dificuldade em sentar para fazer a lição e organizar-se no tempo
-dificuldade na coordenação motora fina
-necessita de um tempo maior para entender ordens verbais
-freqüentemente pede para repetir o que foi falado
-não gosta de ser tocado. Não gosta de se sujar
-evita ambiente com muitas pessoas e ambientes barulhentos.
-é mais lento em relação a outras crianças por exemplo, em jogos motores
-evita brinquedos de parquinhos que giram e/ou que envolvam altura
-procura balançar-se muito e/ou atividades "radicais" sem medo e cuidado em machucar-se
-tem comportamento hiperativo
-tem comportamento mais passivo que as demais crianças
-dificuldade para iniciar, dar sequência e/ou finalizar alguma atividade, por exemplo de auto-cuidados
-cansa rápido para andar, correr, subir e descer escadas.
-esbarra constantemente nos objetos ao redor, derruba coisas sem querer.
-cai freqüentemente
-oscila de humor de uma forma que chame atenção.
-comportamento de insegurança e/ou ansiedade.

Estes são alguns dos sintomas que, associados a outros, podem ser indicativos de Disfunção de Integração Sensorial. São comportamentos que devem ser olhados com maiores cuidados se estiverem incomodando ou prejudicando o desempenho da criança em alguma esfera.

Vale o bom senso em respeitar os modos diferentes de funcionamento de cada pessoa.

A seguir, discutiremos sobre a capacidade que o nosso corpo tem de fazer a integração dos processamentos sensoriais e construir formas de comportamentos no cotidiano.

Informações básicas de Integração Sensorial.

Inicialmente vamos entender como se dá o processo de integração sensorial

Em primeiro lugar estamos nesta vida sempre em contato com estímulos sensoriais que nos passam informações a todo o momento. E, segundo ponto importante: por dentro e por fora ao mesmo tempo. Estamos falando em tempo e espaço.
Estas informações entram por órgãos minúsculos que são os receptores sensoriais (eles recebem e enviam as "mensagens" sensoriais para as vias responsáveis) .
Onde estão os receptores sensoriais? Na nossa pele, por exemplo, bem como nos demais órgãos dos sentidos. E quais são os sentidos? Sobre isto falaremos mais pra frente, pois se enganam aqueles que pensam que só temos cinco sentidos. Pois bem, vamos imaginar que estas mensagens passam por várias encruzilhadas, paralelas, retas, curvas, contínuas viagens pelo nosso corpo até chegar em centros superiores do nosso sistema nervoso. As informações, portanto são processadas, "lidas", como se estivessem numa rede formada de diversas mensagens que vêem de outras partes do corpo interagindo ao mesmo tempo junto com os demais sistemas (motor, emocional, etc). Lembram o que vimos no início? Tudo ao mesmo tempo.

O que acontece então para o sistema não entrar em colapso já que tem tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo?

Estas estruturas do sistema nervoso desempenham o papel de receber, modular, regular, associar, interpretar, colocar algumas informações em prioridades, e elaborar respostas para continuarmos como seres vivos e seres que temos a capacidade de se adaptar às diferentes mudanças do ambiente em que vivemos, quer dizer, podemos viver bem, apesar de, a todo momento tudo estar mudando ao mesmo tempo. A cada segundo nossa vida muda, e o nosso corpo modula isto, comandado pelo sistema nervoso. A cada segundo são geradas respostas que chamamos adaptativas. Este caminho complexo se dá pela Integração Sensorial. Isto nos faz por exemplo, poder nos auto-regular, ou seja, podermos saber em que medida dar os nossos passos e como fazer isto. A questão da regulação é um passo muito importante, pois sem ela não dosamos nossas ações, sentimentos, pensamentos e nem nos realimentamos para prosseguir o que queremos. O impulso para a vida depende muito da regulação do nosso corpo. Isto acontece desde reações simples e automáticas como manter a temperatura corporal até mais complexas como a atenção que empenhamos para assistir a uma aula. Ou seja, tudo.
O estado de alerta, a habilidade para modular os estímulos e a atenção trabalham inter-relacionados e interferem diretamente na nossa interação com o meio e na forma de como iremos aprender. E para isso acontecer construímos espontaneamente a nossa dieta sensorial na qual usamos recursos para manter nosso nível necessário de alerta. Quer dizer, nos alimentamos sensorialmente devido a necessidades de nos adaptar aos diferentes momentos da vida.

Mas e quando algo muda o rumo desta história?Isto é, quando estas áreas não trabalham em sintonia, de forma integrada? O que acontece?

Imaginem uma orquestra onde alguns dos instrumentos tocam sem afinação ou sem partitura. Com o ruído fica difícil reconhecermos a música que está sendo tocada. O mesmo acontece conosco quando, por algum motivo, temos estas diferenças nos caminhos para a formação do que chamamos mapa sensorial. Isto mesmo, nós formamos durante a nossa vida, desde intra-útero, o nosso mapa sensorial e é sempre construído mediante nossas experiências, integrado com os demais mapas (motor, emocional, social, etc). O mapa sensorial irá fornecer elementos importantes para a percepção de nós mesmos, graduar os movimentos, modelar maneiras de nos relacionar, saber identificar cheiros, imagens que nos remetem a lembranças, enfim tudo o que nos envolve, por dentro e por fora, integrado, único.
É necessário que as informações sensoriais, e a integração destas, estejam funcionando de um modo adequado em todas as atividades humanas: movimentar, comer, brincar, ler, cantar, amar, sorrir, abraçar, pegar, dormir, prestar atenção, compreender, e muitas outras.

E qual a importância dos sistemas sensoriais neste ensaio de orquestra?

Vamos entender rapidamente sobre os sentidos.
Já pararam pra pensar que o maior órgão do sentido (em extensão territorial) está na nossa pele? Além do 1 metro e sessenta cm (para alguns) ainda há dentro de nós mais receptores. A nossa porta de entrada com o mundo é a nossa pele. O tato nos permite identificar/ discriminar o que tocamos ou o que nos toca, além de nos proteger. Cada sistema sensorial tem a sua função específica no corpo humano, e cada um não trabalha sozinho, eles se interdependem. Além do tato, audição, paladar, visão, olfato há dois sentidos, muito importantes para a integração sensorial. No "ensaio da orquestra", o sentido proprioceptivo e o vestibular não podem faltar para a afinação. Este último funciona como um maestro ao mesmo tempo em que toca. Ele é um supermodulador para o processamento sensorial, além de trabalhar para o equilíbrio e demais áreas. Os seus receptores estão no labirinto. Já o proprioceptivo nos dá a percepção corporal, é por causa dele que nós não precisamos olhar para tudo que fazemos com o nosso corpo. Ele regula o nosso movimento e a sensação deste. A maioria dos seus receptores estão nas articulações. No popular, poderíamos dizer que o sentido proprioceptivo funciona como "os olhos do corpo". Os sistemas tátil, vestibular e proprioceptivo são os mais primitivos na formação humana e trabalham juntos o tempo todo na organização da postura, equilíbrio, coordenação, bem como colaborando na organização dos demais sentidos.

Vamos a questão dos sintomas de disfunção de IS.

Pois é, podemos pensar naqueles caminhos que já mencionamos anteriormente que vão até o cérebro. Na hora de processar as informações, devido a inúmeras causas, como lesão no sistema nervoso, ou simplesmente uma imaturidade do mesmo, pode haver interpretações e respostas não adaptativas necessárias para as atividades cotidianas. É como se a leitura da mensagem não fosse reconhecida, então chega uma outra mensagem que muitas vezes não faz sentido para própria pessoa e muito menos para quem está com ela resultando em alterações de comportamento. Vejamos por exemplo, crianças que apresentam comportamento de defensividade tátil. Devido à falta de regulação deste sistema, o estímulo tátil torna-se aversivo: a pessoa não gosta de ser tocada, não gosta de se sujar, não gosta de comer certos alimentos com textura diferentes, entre outros. Neste caso dizemos que há uma hiperresponsividade tátil (resposta de alta intensidade) . Poderia ser também ao contrário, qualquer estimulo tátil não faz diferença, sendo uma hiporesponsividade deste sistema (resposta de baixa intensidade) . Vamos transpor isto para todos os outros sentidos. Imaginem a confusão que dá quando há uma hiporesponsividade proprioceptiva (pouca sensação do corpo) e uma hiperresponsividade vestibular ( alta sensibilidade a movimento).
Pois é, algumas crianças com atraso escolar muitas vezes têm alterado a maturidade destes sistemas, ocasionando dificuldade na relação com o outro, dificuldade de atenção e concentração, auto-estima prejudicada com privação na participação de sua vida social e escolar, alteração no tônus muscular com dificuldade de equilíbrio e na coordenação motora ampla e fina. Muitas vezes são confundidas e diagnosticadas por problemas emocionais ou retardo mental. Isto não quer dizer que estes problemas não possam caminhar juntos algumas vezes. Mas o fato é que uma Disfunção de Integração Sensorial isolada não quer dizer problemas de inteligência. Pelo contrário, existem muitas crianças que não apresentam dificuldade na área intelectual, mas que sofrem por ter esta disfunção, e principalmente, quando não é tratada a tempo. Além disso, há crianças que tiveram lesão cerebral que também apresentam disfunção de IS.
Vale lembrar que, há crianças que apresentam comportamento similar, porém o núcleo das dificuldades está basicamente na área emocional e deve ser tratada por um profissional qualificado. Por isso é importante uma avaliação criteriosa para diferenciar e saber quais as prioridades para aquela pessoa.

Existe tratamento para a disfunção de IS?

Sim, o princípio da terapia de integração sensorial acredita na possibilidade de uma reorganização do modo de funcionamento dos sistemas sensoriais e para isso utiliza atividades lúdicas e dirigidas com o uso combinado destes sistemas. A criança reconstrói formas de discriminar, selecionar, interpretar melhor as mensagens para transformá-las em ações adequadas para a função exercida (social, escolar, autocuidados, etc). São brincadeiras e jogos que são trabalhados os sistemas integrados que gradativamente são aumentados os desafios motores e perceptivos bem como a complexidade das ações. O sistema vestibular sempre entra na brincadeira para auxiliar na modulação e integração (balanços, circuitos com mudanças de altura e direção, entre outros). A sessão de terapia de integração sensorial é construída junto com a criança de acordo com o seu centro de interesse combinado às necessidades. Em síntese, o tratamento modifica a dieta sensorial sendo favorecido o uso de organizadores para regulação. Os organizadores podem ser desde o toque do terapeuta, a criação de ambiente favorável e até um material para desenvolver uma função específica.
A criança reorganiza o seu modo de funcionamento para as funções cotidianas. Para isto é necessário que a família e a escola estejam integrados aos objetivos do tratamento.

Qual o profissional que faz o tratamento?

O Terapeuta Ocupacional ou outro profissional da área de saúde que tenha especialização na área de Integração Sensorial.

Como saber se o seu filho (a) precisa de terapia de IS?

É necessário que seja feita uma anamnese (entrevista com a família para colher dados e percepções) e uma avaliação detalhada com a criança onde será observado o modo de funcionamento nas atividades gerais e como cada sistema sensorial está integrado.

Quanto tempo dura o tratamento?

Depende muito da causa da disfunção, da idade em que a criança procura o tratamento e de outras disfunções associadas.

Qual a periodicidade da sessão?

No início do tratamento no mínimo duas vezes por semana para ter resultados mais eficazes.

Resultados:

Os primeiros resultados do tratamento podem aparecer no humor e auto-estima da criança, elas tornam-se mais seguras e menos irritadas, e com um conhecimento melhor do seu corpo. Elas aprendem a monitorar as suas necessidades sensoriais e ações, bem como melhoram no desempenho das atividades que exigem coordenação motora integrada com atenção.

De maneira geral espera-se melhora no desempenho escolar e nas relações sociais.

Como a família pode ajudar?

Em primeiro lugar ter o cuidado em como interpretar o comportamento da criança e evitar rótulos tais como: preguiçosa, "bicho do mato", "desastrada" , "vive no mundo da lua", etc.
Em seguida procurar um especialista para esclarecer o motivo daquele comportamento diferente.

Encorajar atividades de:
-jogos corporais, ir a parques com diferentes estímulos e desafios (trepa-trepa, balanço, gira-gira, ponte movediça), tendo o cuidado de respeitar o limite de cada criança.
-evitar o excesso de limpeza, se possível deixar descalço, fornecer momentos de contato corporal de uma forma prazerosa, dar toques diferentes leve e profundo.
-balançar no colo, na rede ou no cobertor.
-dançar
-brincar de guerra de almofadas, de cabo de guerra, transportar objetos
-favorecer atividades de pintura, massa de modelar e argila,
-brincar de construir histórias onde represente as ações de forma concreta (passar por túneis, escadas, cordas) e por meio de desenhos e pinturas.
-brincar de teatro: interpretar personagens usando o corpo e imaginação.
-criar ambientes e momentos que sejam organizadores para a criança, que podem ser construídos mediante a orientação da terapeuta ocupacional, para a "dieta sensorial".

Vale lembrar que estas sugestões só serão válidas se tiver a participação e consentimento da criança. Incentivem fazendo junto com ela ou com outras crianças. Aproveitem para brincar também.

Se você quiser dar alguma sugestão, tirar dúvida ou comentar sobre o que leu, escreva-me. É importante saber se este artigo contribuiu para uma compreensão básica sobre IS.
bethprado@grhau. com.br

Ana Elizabeth de Oliveira Prado
Terapeuta Ocupacional
CREFITO 3-1670 TO

http://www.grhau. com.br/artigos. php?id=41
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO