AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

ABA - AUTO CONTROLE


O Plano de ABA do Luís no início do tratamento era só voltado para este enorme problema, pois era impossível que ele aprendesse qualquer outra coisa pois sua inflexibilidade era expressa através da agressão, esta agressão vinha pela falta de controle do impulso. Enfim, este programa foi utilizado com o Luís para eliminar a agressão (e deu certo!), mas pode ser utilizado para eliminar qualquer outro comportamento indesejável como fugir, cuspir, etc.

O básico da técnica é quebrar o problema em etapas, no caso do Luís eu peguei a pior agressão paras ser trabalhada primeiro (mordidas) e trabalhei ela como parte isolada do problema total de agressão, assim ele foi capaz de entender a expectativa pois era clara. Depois é que fomos ampliando para as outras formas de agressão (chutes, tapas, etc). Todos que tinham contato com o Luís fizeram isso simultaneamente, em todos os ambientes.



Técnica de reforco positivo:


Você prepara uma caixa com coisas que seu filho goste, de brinquedos a guloseimas (estas cortadas em pedacinhos pequenos para que ele sempre fique com vontade de "quero mais" e assim você preserva a motivação) e esse será o prêmio. Deixe a caixa absolutamente fora do alcance da criança.

A técnica diz para utilizar um bracelete ou pulseira, o Luís não gostou de ter algo preso ao seu braço, então nós adaptamos para um adesivo na camiseta.

Eu colocava 1 adesivo na camiseta do Luís e dizia: "Você é um menino legal! você está com o adesivo de menino legal" e deixava ele ter acesso a 1 coisa da caixa de tesouros. A cada 15 min (no começo) eu fazia a "inspeção" de adesivo, se ele estava com o adesivo eu mostrava e dizia: "Olha, você é um menino legal, você está com seu adesivo de menino legal!" (se ele tinha perdido o adesivo porque descolou eu colocava outro) e dava acesso a outra coisa da caixa. É importante que você volte o brinquedo para a caixa em 5 min, se ele ainda estiver brincando, distraia com outra coisa menos predileta e retire o brinquedo.

Agora, se ele mordia, perdia o adesivo e o direito de acessar a caixa. Eu retirava o adesivo e dizia: "Você mordeu a mamãe, isso não é atitude de menino legal!"
Atenção: Você "reclama" da atitude e não dele. A atitude de morder é que você não permite.

Depois você pode ir aumentando para a cada 30 min, 1 hora, etc

No começo o comportamento pode piorar, por mais ou menos 3 dias porque a criança ficará ainda mais brava por ter perdido o adesivo e o direito a caixa, mas depois ela realizará o que tem que fazer (ou não fazer) para ter o direito a caixa. Por isso a necessidade de um objetivo claro a ser atingido.

No primeiro mês e meio mais ou menos, o Luís só perdia o direito a caixa se ele mordesse. Tapas, ponta pés, chiliques ainda não retiravam o adesivo, quando ele entendeu bem a mordida, eu passei a usar a técnica para mordidas e chutes, e o resto ele entendeu sozinho.

Ele gostou tanto da história do adesivo do menino legal que com o tempo eu não usava mais a caixa, só o adesivo. Isso porque, paralelamente, sempre trabalhamos a auto-estima, o orgulho de fazer parte de um grupo e o auto-orgulho quando fazemos coisas boas.

Quando ele comecou a entender, ele vinha para morder, abria a boca e colocava os dentinhos no meu braço, parava e pensava, nao chegava a fechar a mordida, afastava a boca e checava o adesivo. Mas isso demorou quase 1 mês.

Eu sempre leio livrinhos para eles sobre comportamento, o livrinho da mordida diz assim:


"Dentes não são para morder as pessoas, porque mordida dói; 
dentes são fortes e afiados,
 dentes são para mastigar comida; 

Mesmo que você sinta vontade de morder,
 
a melhor atitude é fazer outra coisa,
 porque mordida, ai, dói! 

Você pode morder um brinquedo, ou seu travesseiro,

você pode pedir para a mamãe um abraço, 
mmmm, abraço é gostoso.
 

Dentes não são para morder as pessoas,
porque mordida dói!
 
Dentes são para um lindo sorriso."


Você pode fazer o livro em casa e colar figuras de revistas, imprimir do Google images, colocar fotografias, ou desenhar. Não se importe com a perfeição, eles não ligam, e leia para seu filho quando ele estiver calmo, e só quando ele estiver calmo, quando ele estiver nervoso não irá aprender. Faça entonações exageradas ao ler.

Mesmo que pareca que a criança não está prestando atenção, leia, leia e leia, um dia você vai se surpreender com ela pedindo para você ler.

Vença pelo cansaço!
Você pode criar seus próprios livrinhos, use sempre primeira pessoa e verbo no presente e escreva sempre o que você espera que a criança faça.

http://umavozparaoautismo.blogspot.com.br
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO