AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

TRATAMENTO DE ANSIEDADE EM CRIANÇAS AUTISTAS



ansiedadeUm estudo da ansiedade e TEA foi que 39,6% dos indivíduos com autismo tinham pelo menos um transtorno de ansiedade. Os três tipos mais comuns de tais condições foram:
1) fobia específica (29,8%)
2) O transtorno obsessivo-compulsivo (17,4%)
3) O transtorno de ansiedade social (16,6%)
 A meta-análise mostrou que fatores como idade, subtipo da CIA, o quociente de inteligência (QI) e até mesmo a forma de avaliar a ansiedade (através de um questionário ou entrevista) influenciou o tipo e gravidade do transtorno de ansiedade. Como exemplo, as pessoas com QI mais baixo tinham níveis mais elevados de ansiedade e níveis mais elevados de ansiedade social. A conclusão foi de que os transtornos de ansiedade em pessoas com autismo podem passar sem diagnóstico e tratamento.
Em princípio, as crianças com autismo expressam sua ansiedade, nervosismo ou da mesma forma que as crianças normotípicos. Muitas vezes, também, pelas mesmas razões, por exemplo, ser causado pela ansiedade se separar dos pais para ir à escola ou para um acampamento de férias ou problemas que surgem com a lição de casa, colegas, professores ... Outra questão que aflige muito crianças são problemas de saúde, pensando se a ir tudo bem, como vai afetá-los em suas vidas diárias, com os seus pares, mesmo considerando que será o seu futuro. Não é incomum para as crianças com autismo, a resposta é ainda mais intensa porque, por um lado são particularmente afetados pela ansiedade social, o medo de quebrar em suas vidas de novas pessoas e novas situações e, de outro, muitas vezes têm dificuldade para identificar e / ou expressar o que está afligindo-los.
Stress e ansiedade surgir de diversas formas. Pode haver manifestações físicas (tensão muscular sudorese, dores de cabeça, dores de estômago, taquicardia ...) e também psicológicos. Uma resposta comum ao estresse ou ansiedade em crianças com autismo são ações repetitivas, muitos dos quais não têm um papel claro, como quebrar ou rasgar uma folha de papel de seda.Também encontrado níveis de ansiedade acima da média em irmãos de crianças com autismo, especialmente em meninos.
Muitas crianças com ASD têm dificuldades de expressão verbal. Portanto, é importante considerar essas reações extemporânea, não caindo em uma dinâmica de ação e reação que aumenta a sensação e explorar o que pode estar causando a ansiedade ou o estresse. Porque esta tensão não é verbalizado, alguns pesquisadores acreditam que os sintomas físicos de ansiedade estão marcadas em pessoas com autismo.
Além de drogas, eles sempre têm efeitos colaterais, a ferramenta mais utilizada para combater a ansiedade é terapia cognitivo-comportamental. Essa aprendizagem não é um vínculo associativo entre estímulos e respostas, mas na formação de relações significado pessoal, esquemas cognitivos ou regras. Utilizado com bons resultados em crianças que têm pelo menos algumas habilidades verbais. O primeiro passo na terapia é ensinar a criança a identificar o substrato de seus medos. Por exemplo, uma criança que tem um ataque de ansiedade quando sua mãe o deixou na escola podem ter medo de que a separação é definitiva e nunca vai vê-la novamente.Tendo identificado a raiz do problema, o terapeuta pode orientar a criança para ir retirar a ansiedade confrontá-lo evidência disponível.
Uma vez que a fase de identificação geralmente entram em uma fase de confronto. A idéia é que cada criança enfrenta seus medos gradualmente, passo a passo. Por exemplo, se a criança está apavorado com a suposta separação de sua mãe, o terapeuta pode pedir-lhe para estar em uma sala separada de sua mãe por um minuto. Quando retorna a sua mãe, a criança reafirma que nada aconteceu, ele estava bem. O terapeuta, então, aumenta o tempo de separação da mãe que vai fortalecer a criança a se acalmar, para sair a sua ansiedade e se sentir seguro e seguro.
A base da TCC é bem conhecido, é utilizado para crianças com muito diferentes e parece ser mais eficaz para o tratamento da ansiedade do que outras abordagens. Uma vantagem final é que os membros da família podem seguir estas técnicas simples em casa, sempre sob a orientação de um profissional, e aumentar a sua eficiência e aumentar as "sessões" reduzir significativamente o tempo de intervenção. Como qualquer outra pessoa, a gravidade da situação pode exigir o uso de drogas, ansiolíticos, mas muitos casos leves podem ser tratados com terapias psicológicas e, ainda mais grave, podem se beneficiar de terapias complementares com base no trabalho do psicólogo.
Para ler mais:

http://autismodiario.org/2012/12/21/tratamiento-de-la-ansiedad-en-ninos-con-tea/
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO