AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 4 de agosto de 2012

Déficits sensoriais no autismo


A presença de alterações na sensibilidade não faz parte dos critérios diagnósticos de autismo, mas muitos pais relatam problemas nas consultas de hipersensibilidade ou hipossensibilidade em crianças com autismo.
Diante de um caso possível, o primeiro é sempre começar com uma análise da função sensorial, certifique-se que esta conexão está funcionando corretamente, não há desordem orgânica subjacente. Em alguns casos, a família pode sentir que a criança não ouve bem, ele não responde quando é chamado.Mas quando a música toca de suas séries favoritas ou ouvir alguma coisa na cozinha que pode significar uma boa notícia, foge do outro lado da casa. Em alguns casos, a criança pode demonstrar uma hipersensibilidade e reagir bruscamente para um som inesperado como uma tosse, um telefone de toque ou uma música de televisão. Pensou-se que a hipersensibilidade auditiva pode estar ligada a uma função anormal das células ciliadas da orelha interna, mas essa opção foi descartada e pensa-se melhor que pode estar relacionado com disfunção precoce da cóclea, com alterações na via auditiva ou com um funcionamento alteradas do córtex auditivo primário.
No que diz respeito ao toque, existe um grau muito elevado de comportamento anómalo. Há crianças que não gostam de ser abraçado ou tocado isso não significa que eles não querem se sentir amado. Outros mostram a rejeição de algumas superfícies, texturas, tipos de tecidos ou sapatos. Em alguns casos, as diferenças são de nível: algum desconforto podem se queixar de qualquer criança, como etiquetas das roupas parecem afetar muito mais poderosa para crianças com ASD. Por outro lado, crianças que procuram um contacto intenso, muitas vezes de objetos inanimados. Pode gostar ou entrar em uma banheira calmo cercado por almofadas ou pode ter um esconderijo favorito é um espaço estreito dentro de móveis, entre móveis e parede ou entre móveis e no chão, onde eles se sentem protegidos e calma. Temple Grandin, científica, autista, ele projetou uma máquina que "abraçar" os animais para um efeito calmante semelhante ao que ela sentiu e olhou.
Outras crianças com ASD gosta de experimentar de forma exagerada com a estimulação vestibular, que controla o equilíbrio, jogando jogos tais como balanços, girando descontroladamente ou saltar. Você pode ter a ver com as oscilações típicas de algumas crianças com autismo, um tipo de movimentos que lhes dá prazer e calma.
No caso da visão, têm sido alguns comportamentos peculiares, como assistir a um brinquedo de perto ou ter uma visão geral de uma sala a partir do canto do olho, sem virar a cabeça. Seria uma maneira de usar a visão de que nós produzimos desconforto ou dores de cabeça, mas que parece apelar a essas crianças.
No que respeita à hipossensibilidade, existem publicações que mostrar reduzida sensibilidade à dor, ou o que é o mesmo que um limiar elevado para a dor, o qual pode ser também lesões associadas e danos em si. Por não sofrer tanta dor, essas crianças são mais susceptíveis de serem lesões causadas e até mesmo fraturas.
As vias sensoriais são extensivamente ligado com vias motoras. Também tem problemas de motor em crianças com autismo. Os marcos a serem alcançados no motor de progresso durante a infância estão vencidas há mais de 33% dos casos. Distúrbios da marcha, como caminhar na ponta dos pés e problemas com o equilíbrio ea coordenação também foram encontrados, bem como defeitos significativos na postura em crianças com ASD.
Andar a relação entre o autismo e os déficits sensoriais ao contrário, vimos que as pessoas com um déficit sensorial em ambos os olhos eo ouvido pode mostrar com mais freqüência do que a população normal, um sintoma de autismo. Carvill (2001) encontrou em pessoas com cegueira congênita, a presença de comportamentos semelhantes aos de crianças com ASD. Estas crianças nascem cegas comportamentos motores característicos, tais como mão estereotipado ou dedos (em Inglês chamado de "blindisms" de "cego", cego). Além disso, há relatos de problemas em habilidades sociais e de comunicação em crianças cegas. No entanto, uma associação não é fácil.Há dificuldades em estudar estes temas baseados na causa de cegueira e problemas metodológicos no estabelecimento de critérios comuns de diagnóstico e uma observação objetiva e portátil e gravação destes comportamentos anormais.
A associação é menos clara entre pessoas pertencentes a outro grupo com um grande déficit sensoriais claras: as pessoas com perda auditiva. Há menos evidência de que existe uma associação entre ambas as condições, mas um estudo envolvendo um grande número de crianças com deficiência auditiva vi que 4% deles também tinham autismo. Em resumo, as interações entre o autismo e sistemas sensoriais são muito intensas e nós estamos apenas começando a entender a grande variedade de situações que ocorrem em pessoas com ASD.
Esta e outras informações de grande interesse ao longo pode lê-los no meu blog pessoal UniDiversidad. Observações e pensamentos.
Artigos relacionados:
  1. Compreensão dos distúrbios sensoriais
  2. Distúrbios sensoriais: Autismo não significa isolamento, mas sim o contrário
  3. Crianças com autismo têm mais neurônios
  4. Existe uma diferença entre Síndrome de Asperger e Autismo de Alto Funcionamento?
  5. Leo Kanner, o autismo e pai da "mãe geladeira"
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO