AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Matriz do desenvolvimento da comunicação




Os estágios iniciais da Comunicação -

A Matriz do desenvolvimento da comunicação divide em quatro razões básicas para a comunicação e sete níveis de competência. Os níveis de competência são distinguidos por comportamentos utilizados para se comunicar, variando desde o comportamento pré-intencional à utilização da combinação de dois e três símbolos (frases curtas).A matriz é uma ferramenta de avaliação destinada a identificar exatamente como a criança está se comunicando e assim, fornecer um parâmetro para determinar objetivos-alvos de comunicação lógicos em termos de comportamentos, funções comunicativas específicas ou intenções comunicativas.


Nas primeiras etapas da comunicação, podemos facilmente ver quatro razão básicas para que a comunicação aconteça. 
À medida que envelhecemos e nos tornamos comunicadores mais sofisticados, também desenvolvemos razões mais complexas para nos comunicarmos e precisamos expressar completamente novas mensagens que não podem ser expressas utilizando os comportamentos comunicativos precoces.



Quatro razões básicas para a comunicação:
Para recusar as coisas que você não quer ....

Mesmo recém-nascidos conseguem, geralmente, deixar claro quando não gostam do que está acontecendo - podem estar com fome, com dor ou por algum outro motivo eles estão desconfortáveis. À medida que envelhecemos, vamos encontrar formas mais convencionais de recusar as coisas não desejadas, e evitar coisas que não queremos mesmo antes de serem oferecidas.Para obter coisas que você quer .... 
Quando nos deparamos com algo que gostamos, queremos ter a capacidade de ter mais do mesmo ou para que aconteça a repetição do evento. 
Inicialmente, as crianças só podem mostrar que gostam de algo que já está acontecendo. Mais tarde elas descobrem como fazer as pessoas dar-lhes o que eles querem, mesmo que não tenha sido oferecido ainda.Para se engajar em interações sociais .... 
Para a maioria das pessoas, a interação social é um aspecto extremamente importante da vida. 
Uma grande parte da comunicação é exclusivamente destinada a manter uma interação com outra pessoa. Crianças querem a atenção dos outros e rápidamente aprendem a atraí-la.Eventualmente, eles aprendem maneiras mais educadas e menos egoístas para manter a outra pessoa envolvida com eles.Para fornecer ou buscar informações ....
Conforme as crianças crescem, elas ficam cada vez mais interessadas em coisas ao seu redor, e elas aprendem a buscar informações, formular e responder perguntas, e fornecer informações. 
Os estágios iniciais da comunicação, essas mensagens são na forma de responder "sim" e "não", da formulação de perguntas simples, nomear as coisas e fazer comentários. Para a maior parte destas mensagens é necessário a representação interna da experiência e a utilização de símbolos para manipular a informação.

Comportamentos comunicativos

À medida que desenvolvemos, gradualmente nos tornamos capazes de expressar as mensagens de maneira mais sutil, convencionais e socialmente aceitáveis. Os primeiros comportamentos comunicativos serão vocalizações em que treinamos o tom de voz e prosódia, comportamentos motores, gestos, expressões faciais e olhar. Por último aprendemos a usar símbolos para nos comunicar, incluindo palavras faladas, sinais manuais, escrita ou braille, símbolos tangíveis (como símbolos de imagens ou símbolos tridimensionais) ou dispositivos de comunicação eletrônicos que incorporam um desses sistemas de símbolos.

Fonte: http://www.communicationmatrix.org/

Sete Níveis de Competência Comunicativa

Nível I:
 Comportamentos pré-intencionais... 
Esses comportamentos são reflexivos ou reativos ao invés de propositais, mas eles parecem estar associados com estados específicos de bem-estar. Os pais interpretam oscomportamentos como a expressão de certos estados internos, tais como sentir-se bem, fome ou dor.

Nível II: Comportamentos intencionais ... que funcionam como comunicação
Esses comportamentos são intencionais, mas elas não são intencionalmente comunicativos.Ou seja, as crianças não percebem que eles podem usar esses comportamentos para controlar o comportamento de outra pessoa. No entanto, alguns destes comportamentos têm uma função comunicativa, pois os pais interpretam como a criança querer comunicar algo.Neste nível, as crianças não estabelecem contato com os olhos antes de exibir um comportamento potencialmente comunicativo, nem esperam por uma resposta do adulto. Em vez disso, as crianças operam diretamente em objetos e pessoas, ao invés de usar um objeto para atrair a atenção de uma pessoa ou com uma pessoa para obter um objetodesejado.


Nível III: Comunicação não convencional .... usando comportamento pré-simbólico
Esta é a fase crítica. Agora, as crianças se comunicam intencionalmente, mas eles usamformas não convencionais de comunicação, tais como o movimento do corpo, ações sobre as pessoas e objetos, vocalizaçõesComportamentos são chamados não-convencionais porque eles não constituem um meio socialmente aceitável ​​de comunicação no mundo adulto.Embora estes comportamentos são extremamente eficazes, eles geralmente são substituídoseventualmente por gestos mais convencionais.

Nível IV: Comunicação convencional .... usando comportamento pré-simbólico 
Neste nívelas crianças comunicam usando intencionalmente 
gestos e vocalizaçõesconvencionais (ou socialmente aceitáveis) . Os gestos convencionais continuarão a ser usadodurante toda a infância e a idade adulta para efetivamente aumentar e sofisticar ocomportamento simbólicoA criança agora tem "dupla orientação": ela atua e/ou orienta em direção tanto de uma pessoa e do tema da comunicação, ao mesmo tempoDupla orientaçãoé freqüentemente atingido através da combinação de gestos (por exemplo, olhando paraalguém enquanto aponta para alguma coisa).

Nível V: Símbolos concretos ... que representam referentes específicos
Neste nível as crianças são capazes de representar uma entidade ambiental (um referencial)através do uso de símbolos concretos, como gestos "naturais(gestos de meu, sentar, vir), as mímicas ou objetos, ou o uso de símbolos tangíveis (imagens ou objetos usados ​​como símbolos). Estes símbolos concretos estão relacionados com entidades ambientais de duas maneiras. Primeiro, eles mantêm uma relação de 1:1 a um referente específico. Segundo, eles têm uma relação clara de percepção do referente, ou seja, eles se parecem fisicamente com o referente na aparência, som, toque ou movimento. Mesmo as crianças com deficiência ortopédicas graves podem acessar símbolos tangíveis através da utilização de umdispositivo mecânico ou por apontar, olhar tocar, etc

Nível VI: Símbolos abstratos ... que representam referências específicas
Neste nível as crianças são capazes de representar entidades ambientais através do uso desímbolos abstratos, como fala, sinais manuais, palavras escritassímbolos gráficos ousímbolos 
tridimensionais abstratos (uma certa forma ou textura que foi arbitrariamentedesignada como um símbolo para alguma coisa)Estes símbolos suportam uma relaçãopuramente arbitrária para seus referentes - isto é, eles não são perceptualmente semelhante a elesNesta fase, a criança usa símbolos abstratos um de cada vez, em vez de em combinações. 

Nível VII: Língua .... combinando símbolos
Neste nível as crianças usam símbolos em duas ou três combinações de símbolos, de acordo com as regras gramaticais ou de sintaxe. O significado de um enunciado pode ser alterado sea ordem dos símbolos é alterada.


Leia também: http://www.umavozparaoautismo.blogspot.com.br/2010/09/eu-so-quero-que-meu-filho-fale.html
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO