AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 18 de março de 2012

Estratégias para facilitar a interação social em crianças com autismo


Nos últimos anos, tem desenvolvido uma série de primeiras estratégias de interação sociais para promover a resposta social precoce, incluindo a comunicação verbal e não verbal, a contingência, o olhar social, por sua vez tomada, a imitação ea atenção compartilhada em crianças com autismo.Estas estratégias são baseadas em cinco princípios gerais.
Primeiro, eles foram modelados em primeiros comportamentos de interação social que ocorrem naturalmente. Portanto, como no desenvolvimento normal, as habilidades sociais são fornecidos naturalmente através do jogo ao invés de ser ensinado explicitamente.
Em segundo lugar, essas estratégias são baseadas no conhecimento das sequências de desenvolvimento normal, evoluindo de formas muito simples de interação com as habilidades de interação social cada vez mais complicados.
Terceiro é usado "andaime". "Um andaime" naturalmente ocorre durante a interação cuidador-criança, e diz respeito ao processo pelo qual os pais produzem estímulos que estão perto ou um pouco acima do atual desenvolvimento da criança (Bruner, 1982). Para as crianças com autismo, é provável que sua deficiência as impede de beneficiar da tendência natural dos cuidadores para orientá-los através da seqüência de desenvolvimento. Portanto, essas estratégias de intervenção estão a tentar construir um andaime "aumentou", no qual as experiências sociais não são apenas dirigidos para o nível de desenvolvimento da criança, mas também são exagerados e simplificado para que os aspectos mais importantes da interação destilados são social (extraído) e são muito destaque e tornar-se mais facilmente assimilados.
Um quarto princípio é que qualquer intervenção deve ser sensível à possibilidade de que a criança com autismo tem uma margem muito pequena de estimulação óptima. Sessões de terapia são projetados para reduzir a quantidade de notícias e imprevisibilidade nas interações sociais e permitir que as crianças para regular a quantidade de estimulação social recebido. Assim, a estratégia minimiza a possibilidade de que a criança está overstimulated.
Finalmente, as intervenções que procuram para colocar a criança no papel de iniciador, mantendo um ambiente previsível. Embora as crianças com autismo parecem aprender melhor em situações altamente estruturadas, muitas vezes, aceitar um papel passivo, colocando o cuidador no papel de iniciador. Através de uma série de estratégias para a criança, onde o adulto é de uma forma previsível a liderança da criança, a criança é colocada no papel de iniciador, e depois experimenta uma sensação de controle e "eficácia" do ambiente social. Estas estratégias podem ser ensinadas pelo professor de seu filho, especialistas em Distúrbios da Comunicação, psicólogos e pais. Estas estratégias de interação social serão examinadas nas seções seguintes. Uma descrição detalhada das estratégias é dada no apêndice.
Estratégias de Nível Um:
O cuidado às pessoas. A contingência social e revezando.
O primeiro conjunto de estratégias interativas visa alcançar um aumento no contato com os olhos e desfrutar do jogo, entender o ensino ea promoção do princípio contingências sociais de tomada de turno comportamento. O caminho para facilitar o aprendizado dessas habilidades é dividido em quatro partes seqüenciadas. A fase um se concentra em aumentar a atenção para o outro e promover a criança uma sensação de conforto ao interagir e entender de simples interações com objetos contingentes. A estratégia envolve imitações exata simultânea das ações da criança, os movimentos de seu corpo e vocalizações. Para ajudar a criança a perceber que está sendo imitado, a imitação do adulto são exagerados. O objetivo desta fase é que a criança freqüenta as ações do adulto, em vez de para atender a seus próprios brinquedos, criando, portanto, uma base para que os alunos percebem a conexão entre seus próprios atos e ações o adulto.
A fase dois é incluído para promover o contato de olho nas crianças que não jejuarem no rosto do adulto na primeira fase. O adulto é destinado a destacar o seu próprio rosto, colocando o seu rosto na linha de visão das crianças e exagerando as expressões faciais enquanto imitando a criança.
Na fase três, as características e comportamentos adultos alternadamente gira à frente no jogo a imitar. Para facilitar essa interação, o adulto mímico esperado antes de a criança, ao invés de imitar a criança simultaneamente. Isto leva naturalmente a uma criança a antecipar a ação do adulto e cria um tipo de interação e para trás ou seguir mudanças. Quando a criança percebe que está sendo imitada (Phase One e Fase II), muitas vezes vai desenvolver um jogo em que a criança vai mudar rapidamente o tipo ou a velocidade das atividades para ver se o adulto é seguido . Isso é muitas vezes acompanhado por uma resposta afetiva, em que a criança ri e olha para o rosto do adulto.
Finalmente, no estágio quatro, a criança aprende que as interações não envolvem necessariamente imitações exata contingente. Nesta fase, o adulto imita as ações da criança com um objeto semelhante, mas não idênticos, focando mais na intensidade e ritmo na imitação direta, ou o adulto modifica a ação usando o mesmo brinquedo que a criança. O objetivo desta etapa é que a criança continua a mostrar antecipação e seguir a sua vez, apesar do carácter indirecto da imitação.
De acordo com a criança progride em cada uma destas fases, é importante que o adulto reter os componentes a montante. É especialmente importante para retornar para as fases anteriores, quando a criança perde a atenção. Embora estas fases foram concebidos seguindo as fases de desenvolvimento, algumas crianças não podem seguir este padrão de desenvolvimento, em particular. Portanto, sugerimos uma melhoria ao longo do tempo para estágios superiores de desenvolvimento para avaliar as respostas da criança a um maior nível de estratégias.
Nível duas estratégias:
Habilidades de imitação, comunicação, elementares e atenção conjunta.
Depois que a criança tiver cumprido as metas estabelecidas no Nível Um, dois conjuntos de habilidades, imitando os outros e de comunicação elementar com atenção conjunta, que pode ser fornecido a um tempo. Os dois conjuntos de habilidades podem ser incorporados simultaneamente durante as sessões de terapia. Estas estratégias são incorporados ao longo da sessão - durante a qual o adulto continua principalmente imitando e seguindo o filho de chumbo em tempos em que a criança está motivado e atento.
Imitação
A estratégia para aumentar a imitação de outros baseia-se na sequência de desenvolvimento da imitação de Piaget (1962). Segundo Piaget, o desenvolvimento de imitação começa com "pseudoimitaciones" em que a criança freqüenta simplesmente imitando os outros fazer por suas próprias ações e responde, repetindo estas ações. Isto é equivalente ao nível do uma fase, em que o adulto faz o volume de imitação. No nível seguinte, o primeiro filho torna-se capaz de imitar ações que estão em seu próprio repertório de ação. É só mais tarde quando a criança se torna capaz de imitar novas ações definidas por outros. Portanto, no Nível Phase One Two, o objetivo é para a criança imitar os arranjos familiares introduzidas pelo adulto. A estratégia envolve a introdução de tempos em tempos uma ação que é familiar para a criança a imitar, e não apenas a criança a imitar. O ideal é introduzir a ação da família quando a criança está motivado e prestando atenção ao adulto. Em seguida, na fase dois, o adulto começa a introduzir novos esquemas para os imita criança. Se a criança começa a imitar o adulto, após várias tentativas, o adulto simplesmente retorna a imitar as ações do filho, e tente estas estratégias mais tarde na sessão.
Comunicação precoce e atenção conjunta
Temos usado várias estratégias para facilitar a realização das habilidades de comunicação e atenção conjunta.Novamente, essas estratégias são intercalados em uma sessão que envolve o jogo imitativo. Na Fase Um, o objetivo é que a criança se comunicar espontaneamente com o adulto para alcançar um objetivo específico. Isto é conseguido pela estruturação do ambiente para que a criança se sente altamente motivada para se comunicar para alcançar seus desejos. Para fazer isso nós incorporamos estratégias Koegel e Johnson (1989) para motivar o uso da linguagem em crianças com autismo "jogando sal para o ambiente" (ou seja, colocar objetos interessantes em um recipiente que é difícil de abrir ou alcançar). Assim, a criança é incentivada a usar gestos, olhares ou de linguagem espontaneamente para obter o item que você deseja. Na fase dois, o objetivo é fazer com que a criança a comunicar espontaneamente com um adulto sobre uma meta que precisa de atenção e participação conjunta. Para isso, introduzimos atividades interessantes que requerem o auxílio de outra pessoa (por exemplo, bolhas, balões, objetos roqueiro que leva duas pessoas para executar um moinho que a criança não é capaz de girar). Ocasionalmente, a atenção conjunta pode ocorrer em torno de uma rotina social. Muitas vezes a criança vai começar interações ritualizadas com objetos ou movimentos corporais. O adulto pode facilitar o desenvolvimento destas rotinas interpretar as ações da criança como representando um pedido de uma atividade compartilhada. Por exemplo, o adulto pode pendurar um colar de contas na sala e vire a criança ao redor da sala cada vez que a criança toca as contas.
Quando a criança começou a se envolver e comunicar sobre atividades compartilhadas de uma forma sistemática, o adulto pode então alterar seu comportamento para facilitar o contato visual durante a comunicação em atividades compartilhadas (Fase III). Mais uma vez, o ambiente é estruturado de forma que a criança deve incorporar o adulto em atividades compartilhadas para atingir um objetivo. Para começar com isso, o adulto simplesmente esperar antes de prosseguir com essas atividades. Muitas vezes a criança vai olhar para o rosto do adulto espontaneamente para ouvir o início da atividade. Quando o olho ocorre, o adulto realizada imediatamente esta actividade. Então, o adulto começa a exigir que o filho de combinar suas solicitações verbais e não verbais para olhar para o rosto do adulto. Outra estratégia que é apropriado apenas para funcionamento de alta filhos, envolve confusão fingindo sobre os desejos da criança. Por exemplo, se a criança pede ao adulto para escrever uma carta no tabuleiro sem virar a cabeça para o adulto, o adulto não entende a letra que você pediu, se "b" ou "g". Somente quando a criança olha para o adulto e dizer "b" adulto imediatamente em conformidade com a demanda. Assim, a criança começa a entender que os seus signos não-verbais são vitais para a comunicação bem sucedida.
Quando a criança começa a olhar para o rosto do adulto rotineiramente quando perguntado, o adulto pode então alterar seu comportamento para que a criança deve participar e ter em conta adulto verbal e não verbal (incluindo expressão facial e do ponto de atendimento) para alcançar um objetivo (Fase IV). Para começar, o adulto pode fornecer sinais não-verbais que indicam se exagerada ou não dispostos a realizar a atividade. Por exemplo, o adulto pode pausar e exibir um sorriso exagerado ou mover a cabeça, pouco antes da atividade. Alguns objetos, naturalmente, atrair a atenção para o rosto do adulto. Por exemplo, quando você explodir um cata-vento para a criança, o adulto pode exagerar e fazer um vácuo exagerado de espera para que a criança expirar. Desta forma a criança aprende que as pistas não-verbais dos outros são componentes importantes de um evento de comunicação. Ocasionalmente, o adulto pode fingir que a criança não presta atenção para motivar a criança para tentar atrair a atenção do adulto para a atividade desejada.
É importante que o adulto varia de estratégia (isto é, não verbais objectos e utilizado) para a criança generalizar habilidades em vez de aprendizagem respostas isoladas. Também é importante a responder positivamente quando a criança usa as formas mais avançadas de comunicação que existem no seu repertório, em vez de esperar por uma habilidade que a criança ainda não desenvolveu.
Estratégias do programa
Level One: Facilitar o atendimento de pessoas, comportamento social e respeito para a virada.
Phase One: Percebendo as relações casuais entre próprias ações e as dos outros.
Método:
O objectivo desta fase é ajudar o menino ou menina para perceber a semelhança e do nexo causal entre suas ações e as ações dos adultos. As ações do filho adulto exata personificação do com bonecas, movimentos corporais e vocalizações, e que deve ser realizado simultaneamente ou logo que possível após as ações da criança. Imitações deve ser o mais semelhante possível ao comportamento da criança, mas exagerada. Devem procurar a atenção da criança colocar os brinquedos no campo visual da criança.
Objetivos:
A. - A criança começa a prestar atenção às ações dos adultos.
2 -. A criança começa a perceber que o adulto está seguindo suas ações.
Fase Dois: Proporcionar contato com os olhos.
Método:
Uma minoria de crianças concentra-se em ações do adulto com brinquedos ao invés de focalizar-la no rosto do adulto. O objetivo desta fase é para deslocar a atenção do brinquedo a criança do adulto e focado no rosto do adulto. A estratégia é essencialmente a mesma que no estádio anterior, excepto que o contacto do olho é facilitada pela estrategicamente colocando a face do adulto no campo de visão da criança. Enquanto o adulto imita as ações da criança, o rosto deve ser bem atrás do brinquedo. Então, se a criança olha para o brinquedo, também vemos o rosto do adulto. O adulto pode sorrir e expressar prazer e exagerar sua expressão facial quando a criança olha em sua direção.
Objetivos:
A. - A criança começa a olhar para o rosto do adulto.
2 -. A criança continua percebendo que o adulto está seguindo suas ações.
Terceira Fase: Facilitar voltas:
Método:
O objectivo desta fase é ajudar a criança a aprender a natureza recíproca das interações. Ocasionalmente, o adulto esperar alguns segundos antes de imitar a criança para ver se a criança espera que o adulto para imitar.Este tipo de imitação cria uma espécie de volta à espera de alternativa em que a criança toma voltas e voltas, em seguida, os adultos. Muitas vezes a criança vai desfrutar desta actividade e fazer um jogo de velocidade ou diminuir as suas acções para ver se o adulto é seguido.
Objetivos:
A. - A criança espera que o adulto para imitar.
2 -. A criança começa a mudar seu comportamento e relógios para ver como ele muda o comportamento do adulto.
3 -. A criança apresenta sinais de jogar o jogo.
Fase Quatro: ensinar um comportamento contra a imitação.
Método:
O objectivo desta fase é ajudar a criança a aprender que as interações recíprocas podem ocorrer mesmo quando o adulto não está imitando seu comportamento com precisão. Em vez de imitar exatamente as ações da criança, o adulto faz pequenas modificações. Por exemplo, o adulto pode imitar a ação da criança, mas usando um brinquedo diferente, ou você pode usar o mesmo brinquedo, mas com uma imitação um pouco diferente. Por exemplo, o adulto pode alterar a taxa de imitação (por exemplo, mais rápido ou mais lento). O adulto pode também ligeiramente mais complexa comentários vocalizações. Por exemplo, se a criança está usando consoante e sons de vogais (por exemplo, "ma-ma-ma-ma-ma"), o adulto adiciona um som para fazer uma palavra ("mãe" por exemplo, "mãe" "mom ") ("Mamãe" em Inglês).
Objetivos:
A. - A criança continua a antecipar imitações de imitações de adultos, embora não exata.
2 -. Em criança continua a desfrutar de interações, por sua vez.
Nível dois: habilidades de imitação e atenção conjunta cedo e comunicação
Habilidades de imitação
Phase One: Imitando padrões familiares
Método:
O objectivo desta fase é facilitar a imitação do adulto da criança. Algumas crianças podem imitar se dado ordens apropriadas ou abandoná-las. O ponto principal aqui é a espontaneidade. A estratégia é a introdução de um esquema, em vez de quando a família e / ou sons que já fazem parte do repertório comportamental da criança. Quando a criança está perfeitamente envolvido e considerando o adulto, o adulto apresenta uma ação simples e familiar com um brinquedo. Para começar, esta ação é que a criança fez recentemente. O adulto pode precisar digitá-la várias vezes, e na imitação da criança pode ser adiada. O adulto volta a imitar a criança depois de várias tentativas para facilitar a imitação espontânea da criança.
Objetivos:
A. - A criança imita espontaneamente esquemas simples e familiares com os brinquedos.
2 -. A criança imita espontaneamente família vocalizações.
3 -. A criança imita espontaneamente esquemas complexos com brinquedos e / ou vocalizações.
Fase Dois: Imitando novos esquemas.
Método:
O objectivo desta fase é o de facilitar a imitação espontânea pela criança de novas ações. Esta estratégia é a mesma que na fase anterior, excepto que os regimes de desconhecidas são introduzidos. O adulto começa com os esquemas que são pequenas mudanças nos padrões familiares de crianças e progride lentamente para novas ações e sons.
Objetivos:
A. - A criança imita espontaneamente pequenas mudanças nos padrões familiares com brinquedos e / ou vocalizações.
2 -. A criança imita os padrões mais recentes espontaneamente brinquedos e / vocalizações.
Top comunicação e atenção conjunta .
Fase um: Comunicar para alcançar o objetivo desejado .
Método:
O objectivo desta fase é motivar a criança a comunicar espontaneamente com o adulto para alcançar um objetivo desejado. Isto é feito colocando os objetos de interesse dentro de um recipiente que é difícil abrir ou alcançar. O adulto espera que a criança a usar um gesto, um olhar ou linguagem para indicar o que você quer e logo em seguida atende aos desejos da criança.
Objetivos:
A. - A criança entra em comunicação espontânea (gestos, olhar, ou a linguagem) para um objeto que você deseja.
Fase Dois: Compartilhando atividades
Método:
O objectivo desta fase é o de facilitar a participação das crianças e comunicação em atividades compartilhadas.Os objetos usados ​​na sessão são projetados para exigir a assistência de outra pessoa (por exemplo, balões, bolhas, brinquedos pesado, um trem sobre trilhos). A criança, então, está motivado para compartilhar o objeto desejado com outra pessoa. Objetos naturalmente focar a atenção no rosto do adulto (por exemplo, bolhas, balões) são úteis. Além disso, os cuidados partilhada pode ocorrer em torno de uma rotina social. Muitas vezes, as crianças vão começar interações ritualizadas com objetos ou movimentos corporais. Os adultos podem facilitar o desenvolvimento destas rotinas interpretar as ações da criança como os pedidos de uma atividade compartilhada. Por exemplo, o adulto pode pendurar um colar de contas no quarto e transformar a criança em volta da sala cada vez que ele toca as contas.
Objetivos:
A. - A criança continua a avançar em comunicação espontânea para obter ajuda.
2 -. A criança pede ao adulto para participar de uma atividade compartilhada.
3 -. A criança pede ao adulto para participar compartilhados rotinas sociais.
Fase Três: Usando o contato visual no contexto da comunicação.
Método:
O objetivo desta fase é ensinar às crianças que os seus próprios sinais não-verbais (por exemplo, contato visual) são importantes para comunicar com os outros. Isto é facilitado pelo adulto parando antes de aceder às solicitações da criança. Muitas vezes a criança vai olhar tão espontaneamente ao rosto do adulto para fazer com que o início da atividade. Para funcionamento de alta filhos, outra estratégia é fingir confusão ou mal-entendido a criança ao fazer um pedido. Por exemplo, o adulto pode agir como você não iria entender se você está sendo solicitado a desenhar um "B" ou "G" até ver o filho adulto como ele faz a solicitação.
Objetivos:
A. - A criança começa a procurar atividades enquanto olha para o rosto do adulto, combinando o contato visual com a formulação de suas demandas.
Fase Quatro: Na sequência de pedidos de outros não-verbal e dirigir a atenção dos outros.
Método:
O objectivo desta fase é fazer com que a criança começa a considerar sinais de comunicação não-verbal, cada vez mais complexo pelo adulto, enquanto eles estão se comunicando. Quando a criança começa a acompanhar, sistematicamente, os seus pedidos com olha para o rosto do adulto, o adulto produz um sinal exagerado não-verbal (por exemplo, um sorriso exagerado ou um aceno de cabeça) para indicar se você irá ou não realizar atividade. Assim, a criança aprende que os sinais não-verbais de outras pessoas são importantes para determinar a observância dos outros com um pedido.
Ocasionalmente, o adulto pode fingir que não prestar atenção à criança e, assim, incentivar a criança a dirigir a atenção do adulto ao objeto desejado ou atividade.
Objetivos:
A. - A criança começa a assistir aos sinais não-verbais fornecidas pelo adulto.
2 -. A criança dirige a atenção do adulto para um objeto ou atividade.
Escolhendo o terapeuta eo ambiente de terapia .
Na nossa prática clínica destas estratégias, nós experimentamos com terapeutas diferentes. Acreditamos que esta terapia pode ser implementada com sucesso pelo professor da criança, um especialista em distúrbios da comunicação e os pais. Se os professores e pais de crianças que trabalham em conjunto, a intervenção pode ocorrer em casa e na escola. Geralmente, a terapia é aplicada pelo menos três vezes por semana, durante cerca de 15-20 minutos por sessão. Esta proposta é baseada em nossa constatação anterior de que a imitação de 15-20 minutos cinco vezes por semana aumenta o contato visual e brincadeiras criativas com brinquedos. No entanto, não temos dados para a frequência ideal ou a duração da sessão. Ressaltamos que estas sessões deve ser divertido para adultos e criança.
O ambiente em que a terapia tem lugar deve ser relativamente pequeno e livre de distrações, contendo apenas objectos que são usados ​​para a terapia. Um espelho pode ser útil para algumas crianças preferem ser imitado no espelho antes de olhar diretamente para o adulto. Na escola, estas sessões podem ocorrer em qualquer lugar em uma pequena seção da classe ou em uma sala separada. Se outras crianças estão presentes durante as sessões de terapia, ele pode querer brincar com os brinquedos que exigem que o filho ou a atenção do adulto. Se a sala contém objetos que a criança não pode jogar, o adulto pode ser colocado no papel de repressor constantemente ter que restringir as atividades da criança.
Se a criança perde o interesse e quer terminar a sessão, normalmente você pode retornar ao interesse na sessão, introduzindo um novo brinquedo. Se a criança continua a protestar, é melhor para terminar a sessão, e, eventualmente, reduzir a sessão e mudar os métodos utilizados. Algumas crianças requerem mais ou menos respostas intensas ou pelo teatro adulto, outros responder melhor a actividade motora que o motor fino, e assim por diante. Agressão e outros problemas comportamentais devem ser tratados como normalmente faz fora das sessões de terapia. Estes e outros problemas comportamentais, tais como auto-mutilação, obviamente, não para ser imitado.
Brinquedos que facilitam a interação social.
É importante selecionar os objetos que facilitam a interação social. Brinquedos deve ser usado para o qual a criança é desenhada com facilidade. Muitas vezes a criança fica entediado com os brinquedos. Quando isto ocorre, um novo conjunto de brinquedos deve ser introduzido e um conjunto de brinquedos velhos devem ser removidos. Algumas crianças com autismo são atraídos para os jogos com brinquedos, mas são atraídas por superfícies tocantes, girando as folhas de livros, etc. Estes tipos de actividades podem ser utilizados a nível de uma das fases de tratamento. Usando "brinquedos especiais" apenas nas sessões de terapia, as crianças começam a usar os brinquedos como um símbolo não-verbal para indicar que a sessão está prestes a começar.
Abaixo está uma lista de brinquedos que encontramos útil para facilitar a interação social.
Os brinquedos que chamam a atenção para as ações do adulto .
  • Empurre os brinquedos que fazem barulho e representam objetos animados (por exemplo, cães, ovelhas).
  • Instrumentos musicais (por exemplo, tambor, tamborim, xilofone, maracas).
  • Tassels (pompom).
  • Chocalhos.
  • Brinquedos com Dick.
Brinquedos que chamam a atenção para o rosto do adulto
  • Bubbles
  • Grinders
  • Balões
  • Uma placa de plástico transparente que permite à criança e pintura adultos de ambos os lados da placa, facilitando assim o contato com os olhos como eles pintam.
Brinquedos que facilitam a assistência mútua
  • Bolas
  • Uma caixa de blocos
  • Um trem sobre trilhos entre adulto e criança
  • Bonecas
Brinquedos que tornam mais fácil pedir ajuda
  • Uma tigela de doces cujo encerramento é difícil abrir
  • Um objeto favorito é colocado fora do alcance
  • Brinquedos de corda são difíceis de manusear
  • Grinders que são difíceis para explodir e girar.
Laura Klinger e Geraldine Dawson Grofer
A partir do trabalho: "Facilitar o desenvolvimento social e as primeiras comunicativa em crianças com autismo".
(Obrigado aos doutores Dawson Klinger e sua bondade em permitir que esta tradução é acessível para as famílias e os profissionais que precisam dele).
Tradução: Placida Rodriguez e Alfonso Muñoz
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO