AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Livros e artigos

Aldridge, D. (1994). An overview of music therapy research.Complementary Therapies in Medicine, 2, 204-216.

American Psyquiatric Association. (2000). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – Text Revision4ª Ed. Washington, DC: American Psyquiatric Association.

Amy, M. (2001). Enfrentando o autismo: a criança autista, seus pais e a relação terapêutica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Augusto, J., Marques, F., Marques, H., Silva, M., Gomes, P., Santos, P. & Reis, P., (Janeiro, 2008). Doenças Raras e Medicamentos Órfãos: as Síndromes de Rett e Charge. Psicologia Cognitiva, 8, 3-4.

Bailey, A., Le Couteur, A., & Gottesman, I. (1995). Autism as a strongly genetic disorder: evidence from a British twin study. Psychol Med4, 25-63.
Ballester, R. & Llario, M. (2002). Habilidades Sociales. Madrid: Editorial Sintesis.

Bosa, C. & Callias, M. (2000). Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicologia: reflexão e crítica13 (2).

Brok, S., Jimerson, S. & Hansen, R. (2006). Identifying, Assessing and Treating Autism at SchoolEUA, Springer.

Bumin, G., Uyanık, M., Yılmaz, I., Kayıhan, H. & Topcu, M. (2003). Hydrotherapy for Rett syndrome. J Rehabil Med, 35, 44–45.

Caballo, V. (1998). Manual de técnicas de terapia y modificaciòn de conducta. Madrid: SIGLO XXI.

Carlos, G., Roberto, T. & Newra, R. (2004). Autismo e Doenças Invasivas de Desenvolvimento. Jornal de Pediatria. 12,7-8.

Case-Smith J. (2005). Occupational Therapy for Children5ª Edição. Elsevier Mosby.

Castro, T., Leite, J., Vitorino, D. & Prado, G. (2004).Síndrome de Rett e Hidroterapia: Estudo de Caso. Revista Neurociências, 12 (2).

Cecília, P. (2007). Autismo, Diferentes Mundos. Revista Diversidades, 40, 7-8.

Charman, T. (2008). Autism spectrum disordersPsychiatry, 7 (8): 331-334.

Cook, A. & Hussey, S. (2002). Assistive Technologies: Principles and Practice. St Louis: Mosby.

Cunha, M., Labronini, R., Oliveira, A. e Gabbai, A. (1998). Hidroterapia. Rev. Neurociências, 6 (3), 126-130.

Dunn, W. (2001). The Sensations of Every Day Life: Empirical, Theoretical and Pragmatic Considerations. American Journal of Occupational Therapy, 55, 608-620.

Dunn, W. (2007). Supporting Children toParticipate Successfully in Everyday Life by Using Sensory Processing Knowledge. Infants & Young Children, 20, (2), 84–101.

Dunn et al. (2004). Sensory Issues in Children with Asperger Syndrome and Autism. Education and Training in Developmental Disabilities, 39,(4), 283–290.

Emery, M. (2004). Art Therapy as an Intervention for Autism.Art Therapy: Journal of the American Art Therapy Association, 21, (3), 143-147.
Ermer, J. & Dunn, W. (1998).The Sensory Profile: A Discriminant Analysis of Children With and Without Disabilities.The American Journal of Occupational Therapy, 52 (4), 283- 290.

Eysenck, M. (2000). Psychology: A Student's Handbook.Hove: Psychology Press.

Francis, K. (2005). Autism interventions: a critical update.Developmental Medicine & Child Neurology, 47: 493–499.

Gadia C., Tuchman R., Rotta N. (2004). Autismo e doenças invasivas do desenvolvimento. Jornal de Pediatria

Ganz, J.; Sigafoos , J.;  Simpson  R. e Cook K. (2008).Generalization Of A Pictorial Alternative Communication System Across Instructors And Distance. Augmentative and Alternative Communication, 24 (2), 89 – 99.

Gonçalves, A., Carvalho, A., Mota, C., Lobo, C., Correia, M., Monteiro, P., Soares, P. & Miguel, T. (2008). Unidades de ensino estruturado para alunos com perturbações do espectro do autismo - Normas orientadorasDirecção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, Direcção de Serviços da Educação Especial e do Apoio Sócio-Educativo.

Harrison, P., Geddes, J. & Sharpe, M. (2006). Guia Prático de Pediatria. (Págs. 334-336) Lisboa: Climepsi Editores.
Hogg, J., Cavet, J., Lambe, L. & Smeddle, M. (2001) The use of ‘Snoezelen’ as multisensory stimulation with people with intellectual disabilities: a review of the research. Research in Developmental Disabilities 22, 353–372

Inglese, M., & Elder, J. (2008). Caring for Children With Autism Spectrum: Disorder, Part I: Prevalence, Etiology, and Core Features. Journal of Pediatric Nursing.

Jordan, R. (Julho, 2000). Educação de Crianças e Jovens com Autismo. 1ª Edição, Lisboa. UNESCO.

Kaplan, H., Clopton, M., Kaplan, M., Messbauer L. & McPherson K. (2006). Snoezelen multi-sensory environments: Task engagement and generalization. Research in Developmental Disabilities 27, 443–455.
Kinney, D.; Munir. K.; Crowley, D. & Miller, A. (2008). Prenatal stress and risk for autism. Neuroscience and Biobehavioral Reviews 32, 1519–1532.

Klin, A., (2006). Autismo e Sindrome de Asperger, uma visão geralRevista Brasileira de Psiquiatria, 9, 4-5.

Klinta, C. (2001). Autoconfiança, comunicação e alegria do movimento através dos movimentos Sherborne “Relation Play”. São José dos Campos. Univap.

Leitão, L. (2004). Relações terapêuticas: Um estudo exploratório sobre Equitação Psico- -Educacional (EPE) e autismo. Análise Psicológica, 2 (XXII), 335-354.

London, E. & Etzel R. (2000). The Environment as an Etiologic Factor in Autism: A New Direction for Research.Environmental Health Perspectives, 108 (3), 401-404.

Marcelli, D. (2005). Infância e psicopatologia. Lisboa:Climepsi Editores.

Marques, C. (2000). Perturbações do Espectro do Autismo: ensaio de uma intervenção construtivista desenvolvimentista com mães. Coimbra: Quarteto.

McKee, S., Harris, G., Rice, M. & Silk, L. (2007). Effects of a Snoezelen room on the behavior of three autistic clients.Research in Developmental Disabilities 28, 304–316

Miller-Kuhaneck H & Glennon T. Autism – A Compreensive Occupacional Therapy Approach. 2º Edição. AOTA PRESS.

Mirenda, P. & Mathy-Laikko, P. (1989). Augmentative and Alternative Communication Applications for Persons with Severe Congenital Communication Disorders: An Introduction.Augmentative and Alternative Communication, 5 (1), 3 – 13.
Muhle, R., Trentacoste, SV., & Rapin, I. (2004).The genetics of autism. Pediatrics, 113-472.

Newschaffer et al. (2007).The Epidemiology of Autism Spectrum Disorders. Annu. Rev. Public Health, 28, 235–58

Organização Mundial da Saúde (2004). Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Lisboa: Autor.

Ozonoff, S., Rogers, S. & Hendren, L. (2003). Perturbações do espectro do autismo – Perspectivas da investigação actual. Lisboa: Climepsi Editores.

Padilha, M. (2008). A Musicoterapia no Tratamento de Crianças com Espectro do Autismo. Tese de Mestrado Integrado em Medicina. Faculdade de Ciências da Saúde - Universidade da Beira Interior, Covilhã. 100pp.

Palmer,R., Blanchard, S. & Wood, R. (2008). Proximity to point sources of environmental mercury release as a predictor of autism prevalence. Health & Place 15, 18–24.

Panerai, S.,  Ferrante, L. &  Caputo, V. (1997). Letters to the Editor. Journal of Autism and Developmental Disorders, 27(3), 345 – 347.

Papalia, D., Olds, S. & Feldman, R. (2001) O Mundo da Criança: da infância à adolescência. Mc Graw Hill.

Passerino, L., Santarosa, L., (2007). Interacção Social no Autismo em Ambientes Digitais de Aprendizagem. Psicologia: Revisão e Critica, 20.

Pat Mirenda, P. e Mathy-Laikko, P. (1989). Augmentative and Alternative Communication Applications for Persons with Severe Congenital Communication Disorders: An Introduction.Augmentative and Alternative Communication,5 (1), 3 – 13.

Pereira, E. (1999). Autismo: o significado como processo central. Lisboa: Secretariado nacional para reabilitação e integração das pessoas com deficiência.

Pereira, G. (1999). Autismo: O significado como processo central. Lisboa. Secretariado Nacional Para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Defeciência.

Pereira, M. (2005). Autismo, Uma Perturbação Pervasiva do Desenvolvimento. 1º Edição, Portugal. Editora Gailivro, S.A.

Pereira M. (2005). Autismo: uma perturbação pervasiva do desenvolvimento, a família e a escola face ao autismo. V.N. Gaia: Gailivro.

Peter K., Cowie, H. & Blades, M. (1998) Compreender o Desenvolvimento da criança. Instituto Piaget.

Pires, C. (2003). Manual de Psicopatologia: Uma Abordagem Biopsicossocial. (Págs. 227-235) Leiria: Editorial Diferença.

Richard M. (1998). As correntes da psicologia. Lisboa: Instituto Piaget

Rodier, P. & Hyman, S. (1998). Early Environmental Factors In Autism. Mental retardation and developmental disabilities: Research reviews 4, 121–128.
Rutter, M. (2005). Aetiology of autism: Findings and Questions. Journal of Intellectual Disability Research, 48 (4), 231-238.

Schwartzman, J., (Junho, 2003). Síndrome de Rett. Revista Brasileira de Psiquiatria, 25.

Sigman, M., Spence, S. & Tingwang, A. (2006). Autism from Developmental and Neuropsychological Perspectives. Annu. Rev. Clin. Psychol, 2, 327–55

Sprinthall, N. & Sprinthall, R. (1993). Psicologia EducacionalLisboa: McGraw Hill.

Torres, A. (2003). Is fever suppression involved in the etiology of autism and neurodevelopmental disorders? BMC Pediatrics, 3-9.

Wing, L., & Potter, D. (2002). The Epidemiology Of Autistic Spectrum Disorders: Is The Prevalence Rising? Mental Retardation and Developmental Disabilities: Research Reviews8, 151–161.


Sites:

Almeida, M. Aprender com as diferenças - Autismo e Desordens do Espectro Autista. Acedido a 16 de Novembro de 2008 em http://www.planetaeducacao.com.br/novo/artigo.asp?artigo=1312.

AMERICAN ASSOCIATION OF MULTI SENSORY ENVIRONMENTS.What is a Multi-Sensory Environment or Snoezelen® Room?Acedido a 27 de Dezembro de 2008 emhttp://www.aamse.us/faq.php.

Araújo, A. & Santos, J. (2006). Autismo II - Sinais de alerta. Acedido a 29 de Dezembro de 2008 emhttp://edif.blogs.sapo.pt/2006/10/.

Associação Americana de Arte terapia (n. d.). About Art Therapy. Acedido a 2 de Janeiro de 2008 emhttp://www.arttherapy.org/aboutart.htm.

Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo. (2007). Quais os sinais do autismo?Acedido a 28 de Dezembro de 2008 em http://appda-norte.org.pt/folder.2007-06-14.2739667266/document.2007-06-19.6771758481.

Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo. O que é o Autismo? Acedido a 28 de Dezembro de 2008 em http://appda-norte.org.pt/folder.2007-06-14.2739667266/document.2007-06-14.5878425381.

Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo. Quais as manifestações mais comuns? Acedido a 28 de Dezembro de 2008 em http://appda-norte.org.pt/folder.2007-06-14.2739667266/document.2007-06-26.5730678228.

Autism Inspiration. Sensory Integration and Your Child.Acedido a 27 de Dezembro de 2008 emhttp://www.autisminspiration.com/public/358.cfm.

Betts, D. (2005). The Art Of Therapy Drawing Individuals Out In Creative Ways. Acedido a 2 de Janeiro de 2009, emhttp://www.art-therapy.us/images/art-therapy.pdf.

Brito, A. (2006). Hipoterapia e Competências Gerais em Crianças Autistas. Monografia de Licenciatura em Psicologia Clínica. - INUAF. Loulé. Acedido a 18 de Dezembro de 2008 emhttp://www.anamarisabrito.com/html/hipoterapia.html.

Campos, A. Autismo. Porto Editora. Acedido a 15 de Novembro de 2008 emhttp://www.portoeditora.pt/bdigital/default.asp?tipo=8&artigo=ESP_20010924_146&idautor=8&param=08030000.

Casa do autista. Ministério da Saúde (Brasil). (2000).Autismo orientação para pais. Acedido a 18 de Dezembro de 2008 emhttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd03_14.pdf.


Centro de apoio ao desenvolvimento infantil. (2004).Dificuldades de aprendizagem. Acedido a 29 de Dezembro de 2008 em http://www.cadin.net/pls/dcadin/!main_page?levelid=23.

Centro de Desenvolvimento Infantil. Perturbações do Desenvolvimento-Perturbação Desintegrativa da Segunda Infância (Síndrome de Heller). Acedido a 15 de Novembro de 2008 emhttp://www.diferencas.net/pert_desenvolv.html#heller.

Dessauer, L. (10 de Agosto de 2008). Art Therapy - Autism and Asperger's SyndromeAcedido a 2 de Janeiro de 2009 emhttp://ezinearticles.com/?Art-Therapy---Autism-and-Aspergers-Syndrome&id=1398493.


European Science Foundation. (19 de Dezembro de 2008). How mirror neurons allow us to learn and socialise by going through the motions in the head. Acedido a 10 de Janeiro de 2009 emhttp://www.esf.org/research-areas/humanities/news/ext-news-singleview/article/how-mirror-neurons-allow-us-to-learn-and-socialise-by-going-through-the-motions-in-the-head-558.html.

Evans, R. (2007). Art Therapy for High Functioning Autism - How to Get StartedAcedido a 2 de Janeiro de 2008 emhttp://ezinearticles.com/?Art-Therapy-for-High-Functioning-Autism---How-to-Get-Started&id=508647.

Evans, R. (2008). Getting Started With Autism Music TherapyAcedido a 2 de Janeiro de 2008 emhttp://www.ezinearticles.com/?Getting-Started-With-Autism-Music-Therapy&id=1433056.

Evans, R. (26 de Janeiro de 2007). The Benefits of Music Therapy for AutismAcedido a 2 de Janeiro de 2008 emhttp://ezinearticles.com/?The-Benefits-of-Music-Therapy-for-Autism&id=432566.

Federação Mundial de Musicoterapia. (1996). Definition of Music Therapy. Acedido a 2 de Janeiro de 2008 emhttp://www.musictherapytoday.de/modules/wfmt/index.htm.
Flaghouse. Benefits and applications. Acedido a 26 de Dezembro de 2008 emhttp://www.snoezeleninfo.com/benefits.asp.

Flaghouse. The Philosophy & History of SNOEZELEN.Acedido a 28 de Dezembro de 2009 emhttp://www.flaghouse.com/philosophy_AL.asp.

Flaghouse. What is Snoezelen MSE? Acedido a 26 de Dezembro de 2008 emhttp://www.snoezeleninfo.com/whatIsSnoezelen.asp.

Goldman, A. Mirror Systems, Social Understanding and Social Cognition. Acedido a 10 de Janeiro de 2009 emhttp://www.interdisciplines.org/mirror/papers/3.
  
Gumtau, S., Newland, P., Creed, C. & Kunath, S. (2005).MEDIATE – a responsive environment designed for children with autism. Acedido a 29 de Dezembro de 2008 emhttp://www.bcs.org/upload/pdf/ewic_ad05_s6paper1.pdf.

Instituto Nacional de Reabilitação (n. d.). O que são ajudas técnicas / tecnologias de apoio?. Acedido em 5 de Janeiro de 2009 em http://www.inr.pt/content/1/59/ajudas-tecnicas/.

International Snoezelen Association. Snoezelen. Acedido a 28 de Dezembro de 2008 em http://www.isna.de/index2e.html.

Intervenção Precoce. CERCIFAF - Cooperativa de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Fafe, CRL. (2009). Acedido em 07 de Janeiro de 2009 emhttp://cercifaf.org.pt/web/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=126.
Lopes, M. (2007). Autismo: Muros de Vidro. Acedido a 29 de Dezembro de 2008 emhttp://www.universoautista.com.br/autismo/modules/news/article.php?storyid=55.

Marins, B. (2007). Hipoterapia para deficiência mental e autismo. Acedido a 18 de Dezembro de 2008 emhttp://www.indianopolis.com.br/si/site/1145.

Nottohm, E. Dez coisas que toda criança com autismo gostaria que você soubesse. Retirado a 30 de Dezembro de 2008 de http://www.autimismo.com.br/painel_outr.html.

Prince Edward Island Council of the Disabled. Snoezelen Room and Specific Disabilities. Acedido a 29 de Dezembro de 2008 em http://www.peicod.pe.ca/sno-specific.htm.

        Prizant, Wetherby, Rubin & Laurent. (2007). SCERTS Model.Acedido a 24 de Dezembro de 2008 em http://www.scerts.com/the-scerts-model.

Ramachandran, V. Mirror neurons and imitation learning as the driving force behind "the great leap forward" in human evolution.Acedido a 10 de Janeiro de 2009 emhttp://www.edge.org/3rd_culture/ramachandran/ramachandran_p1.html.

Realtionship Development Intervention. The RDI program is:.Acedido a 26 de Dezembro de 2008 emhttp://www.rdiconnect.com/RDI/RDIfamily.asp.

Reynolds, T., BA & Dombeck, M. (2006). Introduction to Autism. Acedido a 17 de Dezembro de 2008 emhttp://www.mentalhelp.net/poc/view_doc.php?type=doc&id=8763&cn=20.

Rozen, A. 2 de Dezembro de 2004. The Effects of a Snoezelen Environment on a Seven-Year-Old Male With Severe AutismAcedido a 28 de Dezembro de 2008 emhttp://www.worldwidesnoezelen.com/content/view/333/262/1/0/lang,pt/.

Sociedade Portuguesa de Arte Terapia. (2004). O que é Arte Terapia? Âmbito da Arte Terapia do ponto de vista da SPAT.Acedido a 2 de Janeiro de 2008 em http://www.arte-terapia.com/pt/a-spat/o-que-e-arte-terapia.

 The Grey Center. What are social stories? Acedido a 24 de Dezembro de 2008 emhttp://www.thegraycenter.org/store/index.cfm?fuseaction=page.display&page_id=30.
 
 The World Wide Snoezelen Team. 5 de Outubro de 2004.MEDIATE A Multisensory Environment Design for an Interface between Autistic and Typical Expressiveness. Acedido a 28 de Dezembro de 2008 emhttp://www.worldwidesnoezelen.com/content/view/298/273/lang,pt/.

University of Portsmouth. Mediate, Project Description.Acedido a 28 de Dezembro de 2008 emhttp://www.port.ac.uk/research/mediate/projectdescription/.

Urbanski, L. (2007). A hipoterapia. Acedido a 18 de Dezembro de 2008 emhttp://www.universoautista.com.br/autismo/modules/articles/article.php?id=94.

UrbanskiL. (2008). Intervenção Precoce no Autismo. Acedido a 07 de Janeiro de 2009 emhttp://www.universoautista.com.br/autismo/modules/articles/article.php?id=75.

      What is ABA?. Acedido a 23 de Dezembro de 2008 emhttp://www.users.qwest.net/~tbharris/aba_handbook.htm.

Western Psychological Services. (2007). Childhood Autism Rating Scale (CARS). Acedido a 18 de Dezembro de 2008 emhttp://www.autism-world.com/index.php/2007/03/27/childhood-autism-rating-scalecars/.
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO