AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 26 de março de 2011

DICA: ENSINANDO UMA CRIANÇA AUTISTA A UTILIZAR O BANHEIRO


O autismo é um transtorno invasivo que afeta muitas áreas do desenvolvimento de uma criança. Habilidades, conhecimentos e comportamentos que uma criança que possui um nível de desenvolvimento normal adquire naturalmente podem se configurar como verdadeiros desafios para a compreensão de um autista. Um dos grandes problemas que os pais enfrentam com essas crianças está relacionado ao uso correto do banheiro. De antemão, é importante frisar que o treino para aquisição dessa habilidade envolve muita determinação, paciência e perseverança dos pais. E, muitas vezes, só é adquirida após centenas de repetições.

Com o intuito de ajudar os pais a obter êxito com o treino do banheiro, sugerimos a leitura do texto abaixo, traduzido do original em inglês (http://www.teacch.com/toilet.html) e o acesso aos links indicados após o texto, que apresentam informações práticas e adequadas. Boa leitura, ânimo e sucesso na empreitada!

Guia para ensinar a usar o banheiro com estrutura TEACCH

Muitas crianças autistas têm dificuldades em aprender a usar o vaso sanitário. O que pode funcionar para uma criança pode não funcionar para outras. Aqui vai um resumo do TEACCH de como ensinar a usar o vaso sanitário. Um dos elementos do programa TEACCH é o ensino estruturado “Structure Teaching” que são as ferramentas usadas pelo programa para dar o suporte necessário para que o autista aprenda novas habilidades explorando seu lado forte de aprendizagem visual, motricidade e rotina, com isso ganhando mais independência.
Primeiro sempre se deve levar em consideração a perspectiva da criança, de que maneira as características do autismo contribuem para a dificuldade de aprender a usar o vaso sanitário.
a) A dificuldade de compreender e manter uma relação social interfere neste processo. A criança regular, de dois a três anos, quer agradar e fica orgulhosa de estarem crescendo e começando a usar cuequinhas, calcinhas. A criança autista não tem esta motivação.
b) A criança autista tem dificuldade em organizar informações e manter uma seqüência. Por isso seguir a rotina necessária para o processo de usar o vaso sanitário e manter o foco que é necessário neste processo torna-se um desafio.
c) A dificuldade em compreender a linguagem e imitar modelos. Eles podem não compreender o que se espera deles.
d) A dificuldade em aceitar a mudança na rotina. A criança já tem o costume de usar fraldas e está familiarizado com esta rotina, pode não compreender a necessidade desta mudança.
e) Dificuldade em organizar informações sensoriais. Estabelecer a relação entre a sensação que o corpo transmite pedindo para ir ao banheiro e as atividades do dia a dia. Com isso não reconhecem os sinais que o corpo oferece. Para muitos, o banheiro pode ser insuportável, o barulho da descarga, ecos, barulho da água correndo e o vaso sanitário que para eles e uma cadeira com um furo no meio com água dentro. No processo de remover a roupa, a temperatura pode afetá-los e a sensação do pano da roupa pelo corpo pode fazer com que a criança não se sinta bem.

Clique em no link mais informações  no final deste post para continuar lendo . 


Começando:

1) No processo de ensinar a usar o vaso sanitário deve-se definir um objetivo realista compreendendo que será um processo lento. Observe a criança para escolher a melhor maneira de começar. De início estabeleça uma rotina incluindo o horário de ir ao vaso sanitário e colete informações sobre a performance da criança. Leve-a ao banheiro a cada meia hora para tentar usar o vaso sanitário. Depois de duas semanas compare os dados das informações coletadas.
* A criança se mantém seca por um bom período?
* Pode-se notar alguma regularidade quando ela esta molhada ou com fezes?
* Ela faz uma pausa nas atividades quando está molhada ou com fezes?
Para as crianças que todas as respostas foram “Não”, isso significa que elas ainda não estão preparadas para realizar esta meta. Mas recomenda-se que inclua em sua rotina algumas idas ao vaso sanitário para se familiarizar.
Outras informações importantes que se deve coletar:
* A criança está compreendendo esta rotina?
* Como é sua habilidade para vestir-se?
* A criança demonstra medo ou interesse relacionado ao processo de ir ao banheiro (reação à descarga, água, papel higiênico e outros)?
* Qual o seu nível de atenção neste processo?
* Como entra ao banheiro (não entra/entra rápido)?
* Ao tirar a roupa (aceita ajuda, como tirar até o joelho, coxa)?
* Senta-se no vaso sanitário?
* Pega o papel higiênico?
* Usa o papel higiênico?
* Levanta a tampa do vaso sanitário?
* Veste sua roupa?
* Dá descarga?
No final deste processo terá informações suficientes para estabelecer um objetivo apropriado para introduzir o treinamento de usar o vaso sanitário.

2) Estrutura física:
Ao começar o processo de ensinar o uso do banheiro queremos que a criança compreenda que este comportamento (fazer xixi, cocô) deve ser feito no vaso sanitário.Com isso inclua o processo de tirar fralda, limpar, colocar a roupa (relacionada com o processo de usar o vaso sanitário) sempre no banheiro (não tire a roupa da criança e nem troque suas fraldas no quarto) para estabelecer a compreensão para que, para isso, usa-se o banheiro. Crie um ambiente seguro para ela sem muita estimulação. A criança ficará mais calma e responderá melhor.
Pense também nas necessidades físicas (para as crianças que têm dificuldades de locomoção): se necessitam de uma barra de ferro que as ajudem a apoiar seu peso para usar o vaso sanitário. O barulho da descarga, eco do banheiro pode incomodar alguns. Muitas crianças respondem bem a músicas suaves e outros sons que tirem ou diminuam os ruídos naturais do sanitário.

3) Estabelecer suporte visual:
Depois de estabelecer um objetivo apropriado para introduzir o vaso sanitário é importante implementar o suporte visual que demonstre as seqüências de cada ação deste processo. Deve usar um objeto ou foto (PECS) que represente a transição de ir ao banheiro e iniciar uma rotina. Depois de estabelecer esta rotina é importante que suporte estas ações visualmente com objetos, fotos (PECS), escrever as seqüências cada passo (se a criança lê). Descrever as seqüências das ações é importante para que a criança reconheça e faça a conexão dos passos que ele deve fazer. Inclua na seqüência o que ela vai fazer depois de ir ao banheiro (como brincar, assistir TV).

4) Problemas específicos:
Resolva os problemas durante o percurso sempre levando em consideração a perspectiva da criança e como se pode ajudar a solucioná-los usando estrutura visual.
Aqui vão algumas idéias de problemas que pais encontram ao começar este treinamento:
a) Resistência a sentar no vaso sanitário:
* Deixe sentar no vaso sanitário sem remover a roupa
* Deixe sentar no vaso sanitário com a tampa fechada
* Use pinico (se o vaso sanitário for muito alto)
* Demonstre como sentar no vaso sanitário: use um boneco para demonstrar, você senta em seguida e depois, a criança senta.
* Sente junto
* Ofereça ajuda física se necessário
* Ajude a compreender por quanto tempo deve permanecer sentado (deixe-a ouvir uma música e, quando ela acabar, poderá sair. Use um relógio despertador por um minuto).
* Quando ela começar a sentar-se ofereça entretenimento - como livro ou outra coisa.
b) Medo da descarga:
* Não use a descarga até ter algo para ser removido
* Use a descarga quando a criança estiver longe do vaso sanitário (como na porta).
* Marque o lugar que acriança deve estar para você usar a descarga e, gradualmente coloque este lugar cada vez mais perto do vaso sanitário.
* Avise que vai usar a descarga. Exemplo: “está pronto? 1, 2, 3 e já!” (aperte a descarga).
* Deixe a criança usar a descarga
c) Só quer usar a descarga:
* Cobrir a descarga para a criança não ver
* Dê algo para segurar
* Use seqüências visuais para mostrar quando se usa a descarga
d) Brincar com água:
* Ofereça um brinquedo que tenha água para distrair
* Use um papelão ou uma toalha para cobrir as pernas da criança enquanto usa o vaso sanitário.
* Cubra o vaso sanitário até usar.
* Coloque uma pista visual aonde a criança deve sentar-se.
e) Brincar com o papel higiênico:
* Tire do lugar se estiver causando muitos problemas (substitua por lenços de papel)
* Já deixe a mão a quantidade certa que deve usar
* Apresente pistas visuais para quando deve tirar o papel higiênico (use clipes para mostrar até a onde deve tirar ou marque com caneta)
f) Não quer se limpar:
* Tente materiais diferentes (lenço de papel, lenços umedecidos, toalhinha, esponja).
* Considere a temperatura do material.
* Demonstre este processo usando uma boneca
g) Não quer fazer xixi em pé (para os meninos):
* Ofereça um alvo para a criança atingir na água (cereal redondo, por exemplo).
* Aumente o tamanho do alvo se necessário (use alguns cereais formando um círculo).
* Use corante para mudar a cor da água e obter a atenção da criança.
h) Quer manter a fralda:
* Corte o fundo da fralda aos poucos, e ofereça outra fralda quando sentar no vaso sanitário.
* Use boneca para demonstrar o procedimento
* Aumente a quantidade de fluidos (água, suco) e fibra na dieta.

5) Comunicação:
É importante estabelecer uma maneira da criança se comunicar e conseguir independência. É necessário que ela consiga comunicar suas necessidades de ir ao banheiro. Por exemplo, se a criança quando quer ir ao banheiro anda de um lado para o outro indicando para as pessoas que a conhecem que necessita ir ao vaso sanitário, use esta oportunidade para ensiná-la a usar a comunicação sistemática como objetos, fotos (PECS), linguagens de sinais, palavras.

Links adicionais:

Toilet training: a different approach - http://www.autism.com/ari/newsletter/093/page2.pdf

Frequently Asked Questions about Autism - Temple Grandin, Ph.D, Colorado State University (autista) - http://www.autism.com/autism/grandinfaq.htm
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO