AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

A LINGUAGEM RECEPTIVA


sorvete
Linguagem receptiva refere-se à forma como as pessoas a entender e processar linguagem. No nível mais simples, as pessoas têm um vocabulário básico de que eles possam entender. Neste não está incluída uma série de conceitos que a pessoa é capaz de compreender como, por exemplo, os conceitos de espaço ("acima", "lado", "no meio de ..", etc.) As outras categorias conceituais incluem os conceitos de tamanho, tempo, quantidade e qualidade. As crianças aprendem o significado das palavras novas continuamente e organizá-las em categorias no cérebro. Portanto, quando uma criança aprende o significado da palavra "enorme", vai colocar esta palavra em "arquivo mental" de palavras que têm a ver com o conceito de magnitude.
Da mesma forma, as crianças são constantemente comparações e comparações entre palavras e conceitos.Cada novo conceito e cada nova palavra são comparados com o conhecimento prévio de que a criança. Por exemplo, quando uma criança aprende sobre a existência das pipas, eles são colocados em relação ao seu conhecimento prévio dos brinquedos, vento e céu. A criança processa os atributos do kite e classifica-a nas "coisas que voam" e "usar brinquedos ao ar livre." Terapia de linguagem receptiva centra-se na expansão do vocabulário básico da criança ajudando-o a comparar e avaliar os atributos de um novo conceito, a fim de permitir-lhes-categorizar.
A capacidade de categorizar é essencial para um aluno com autismo. A maioria das crianças tendem a processar informações de uma forma holística, a partir do principal e, em seguida, considerando os detalhes. Há uma tendência natural, chamado de "coerência central" para se concentrar no principal. Pelo contrário, pensa-se que em crianças com autismo, há uma falta de coerência central. Em outras palavras, as crianças autistas têm uma predisposição para trabalhar os detalhes da informação que passa apenas após o processamento da idéia principal. Processamento a idéia principal é importante, no entanto, para categorizar e classificar as informações.
Considere uma criança que está aprendendo a história do Titanic. Uma criança que aprende primeiro de todos os processos de uma forma holística a idéia principal dos eventos: o Titanic era um navio de luxo famoso que afundou depois de colidir com um iceberg no início do século passado. Em contraste, um aluno com coerência central fraca pode permanecer preso na menos importante ou menos importantes, como o número de pessoas a bordo, o tempo que levou para afundar, ou os nomes de pessoas famosas a bordo. Mesmo que esses detalhes possam ser incluídos no estudo da história do titânico, eles não representam a informação crucial.
Agora vamos dar um outro exemplo de um contexto social: um aluno é capaz de processar de uma forma holística vem no parque para recreação e examina a cena que se apresenta, categorizando atividades diversas: os jogos fixos (balanços etc), jogos você faz asfalto e jogos no gramado, após o que incide sobre as atividades que quer jogar para o dia. Em contraste, uma criança com coerência central fraca, chegando ao campo de jogos, poderia se concentrar em detalhes menos importantes, tais como o número de zeladores presentes, uma cadeia de um balanço fora do lugar, o número de crianças na fila para o slide, e assim por diante. Em resumo, para crianças com autismo trabalho na linguagem receptiva deve concentrar duro na categorização e atividades para a discussão e comparação, uma vez que estas atividades não são o modo de processamento principal para muitos destes alunos.
As capacidades para a linguagem receptiva também lidar com a forma como a criança entende o idioma. Existem dois modos de compreensão. A primeira é a compreensão literal, que se refere ao modo pelo qual a informação é incorporada uma leitura ou ouvido. As perguntas são as da compreensão literal do "que, onde, quando", etc. A compreensão literal é o primeiro tipo de compreensão que se desenvolve, pois as informações muitas vezes é tangível ou bem representada no discurso. As crianças com um atraso na compreensão da linguagem receptiva, muitas vezes se apegam a pistas visuais ou imagens que são usados ​​para fazê-los compreender os detalhes de uma história. Aos poucos, os alunos a aprimorar sua capacidade de linguagem receptiva, pode fazer sem esses recursos visuais. A compreensão literal de uma criança pode ser verificado, pedindo-lhe perguntas sobre a história, perguntando "Qual é a história?", "Quem é o protagonista?", "Onde está a história?", "O que acontece no final?", Etc. Estas questões de compreensão são a meta para dar aulas no jardim de infância.
Depois, há a compreensão inferencial, que é, em vez de uma forma mais sofisticada de entendimento, porque a informação não está explícita. Em vez disso, a criança deve pensar sobre a história e extrapolar avaliações para responder a perguntas. A "resposta" a estas perguntas não é explícita, mas é explicitamente formulada. A criança deve combinar o seu conhecimento e experiência para os detalhes que foram instruídos a responder. As questões relacionadas com a compreensão inferencial começam com "por que, e se, assim, que você acha", etc.Por exemplo, depois de contar a história de Chapeuzinho Vermelho, uma questão inferencial pode ser "como é que Chapeuzinho Vermelho para perceber que o Lobo Mau tomou o lugar da vovó?". Ou, no que diz respeito à história de Cinderela, "O que teria acontecido se o sapatinho de Cinderela foi quebrado na escadaria do castelo?".
Compreensão inferencial pode ser ainda dividido em categorias. Entre as inferências que podem ser feitas, há, entre outros: solução do problema, de causa-efeito, os indicadores de tempo, os indicadores contextuais, emoções e intenções dos personagens, o objetivo do autor, etc. Os estudantes podem ser mais capazes de certos tipos de inferência do que outros. Este tipo de entendimento é o objetivo do ensino para crianças de 6 a 8 anos e continua até depois da primária.
Muitos alunos com problemas no pensamento social pode ter dificuldade em inferência compreensão, especialmente nos textos que falam da profundidade dos personagens e sua mudança. Alguns alunos podem ser capazes de fazer um monte de deduções e inferências não imaginários ou científico textos. Este modo de deduções gerando mais linear e ciência, enquanto a inferência do discurso de imaginação ou dinâmicas interpessoais é baseada na emoção e interpretação subjetiva. Ao abordar o déficit na linguagem receptiva, é importante realizar uma avaliação completa de compreensão inferencial em diferentes contextos , incluindo o raciocínio lógico dedutivo e análise de simples cenários sociais, mas também cenários mais complexos de inferência que incluem mudanças nos personagens, fatores emocionais de motivação, ou extrair o moral de uma história. Estudantes idosos com problemas no pensamento social pode ter dificuldades óbvias neste tipo de entendimento.
A maioria das informações acima se concentra em habilidades relacionadas à compreensão e vocabulário da linguagem receptiva. A linguagem receptiva mas também inclui a capacidade de uma pessoa para processar a informação auditiva. O "processo" refere-se ao recebimento de informações, ouvindo, armazenando-os na memória de curto prazo, o deslocamento desta informação na memória de trabalho em que as atividades de decodificação da gramática e vocabulário e, finalmente, a propagação desta informação para outras áreas do cérebro que precisam dar uma resposta a esta informação. Um problema com problemas de linguagem receptiva pode ter dificuldades em qualquer uma das etapas deste processo, como problemas na memória de curto prazo, problemas com a ordenação de sons, vocabulário pobre, problemas gramaticais na decodificação, dificuldade para encontrar palavras. . todos estes problemas podem impedir o processamento das informações sonoras.Estes alunos irão, então, trabalhar para o reforço da memória de curto prazo, para o seqüenciamento de histórias, e as instruções de decodificação em várias etapas, a fim de reforçar a sua linguagem receptiva.
O " Ensino de Idéias "página da" linguagem receptiva "contém muitas idéias para avaliar e documentos em PDF para download e uso.
© Jill D. Kuzma, Minneapolis, 2008. Todos os direitos reservados. Este documento ou o seu conceito pode ser duplicado, distribuído ou re-publicado em qualquer formato, sem autorização escrita do autor / proprietário.

Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO