AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 29 de setembro de 2012

Outras preocupações em relação à comunicação, fala e Crianças com Autismo:



É sempre útil para os pais e profissionais para também fazer a pergunta: "Poderia ser algo mais acontecendo que poderia explicar a ausência de fala ou habilidades de comunicação?"De acordo com o Dr. Barry Prizant, há evidências crescentes de que a falta de expressão ou gestos em um subconjunto de crianças com autismo pode estar relacionado a outras questões de habilidades sócio-cognitivas [Prizant, 1996]. Uma área que deve ser investigado inclui motor geral ou deficiências motoras específicas da fala que envolvem planejamento motor. Isso pode incluir apraxia membro ou apraxias orais / verbal. Porque a pesquisa em crianças com desenvolvimento típico encontrou uma correlação entre a fala eo desenvolvimento da linguagem e habilidades cognitivas muitas vezes é presumido que a razão de uma criança com autismo não fala está relacionada a capacidade de linguagem cognitiva ou receptivo. Prizant argumenta que a evidência clínica sugere que deficiências da fala do motor pode ser um fator significativo inibindo o desenvolvimento da fala em algumas crianças com autismo. Por exemplo:

  1. Algumas crianças são capazes de adquirir a capacidade de se comunicar via significativa sistemas alternativos nonspeech simbólicos, tais como dispositivos de comunicação e linguagem de sinais, apesar do fato de que sua produção de fala pode ser severamente limitado. Este fato pode demonstrar adequadas habilidades cognitivas e linguísticas.
  2. Algumas crianças demonstram os sintomas clássicos de problemas motores orais, tais como dificuldade em coordenar o movimento dos articuladores (lábios, língua, mandíbula, etc), dificuldades de alimentação, babando passado a idade em que a maioria das crianças são capazes de controlar a saliva, e músculo facial baixo tom.
  3. Sintomas que são consistentes com um diagnóstico de apraxia de desenvolvimento da fala. Estes sintomas podem incluir: uso de vogal principalmente como vocalizações e repertório consoante limitada (consoantes exigem maior habilidade motora-planejamento); inteligibilidade que diminui com o tempo de expressão (única palavra e produção única sílaba pode ser mais claro do que expressões ou palavras prolongados multisilábicas ); diferenças de fala automática contra volitivo (ecolalia pode ser mais claramente articulada em relação às tentativas de fala espontânea) [Prizant, 1996].
Assim como com outras crianças que exibem discurso limitado, ausente ou severamente obscuro, a avaliação da criança com autismo a comunicação deve incluir a observação e avaliação global, incluindo a avaliação do motor oral e sistemas de motores da fala. Dr. Michael Crary sugere uma série de áreas para observação clínica e avaliação, incluindo:

  1. Nonspeech funções motoras: postura e na marcha, coordenação de movimentos brutos e multa; coordenação do movimento oral, postura de boca, salivação, deglutição, mastigação, estruturas orais, simetria, movimento volitivo contra espontânea
  2. Fala funções motoras: luta e tensão durante as tentativas de fala, tateando visível da boca, desvios em prosódia (ritmo, entonação de volume, etc), fluência da fala, hiper / hipoanasalação, diodochokinesis fala (velocidade alternativo e seqüencial em provas consecutivas IE. "puh-puh-puh", "puh-tuh-kuh" repetidamente), tentativas volitivas vs espontânea.
  3. Articulação e fonológica desempenho: quantidade de produção verbal, repertório som, a relutância em falar, interativo capacidade inteligibilidade, eo tipo de erros, os efeitos da carga de desempenho e complexidade crescente; amostragem fala encadeada, os resultados dos testes padronizados.
  4. Desempenho de linguagem: compreensão e expressão, tipo de declarações, semânticos e capacidade sintática, efeito do aumento do tempo de entrada, habilidades de conversação.
  5. Outros: capacidade de sustentar e mudar a atenção, a reação ao discurso, distração [Crary, 1993].

Referências:Crary, Michael A. Desenvolvimento distúrbios motores (Distúrbios da Comunicação neurogênica) . San Diego, CA. Publishing Group Singular, 1993.
Prizant, Barry M. Breve relatório: Linguagem, Comunicação, Desenvolvimento Social e Emocional. Jornal de Transtornos do Desenvolvimento e Autismo, vol. 26, No. 2, 1996.
Para mais informações sobre o desenvolvimento da fala Apraxia:

Nossos agradecimentos a Sharon Gretz para contribuir a informação para esta seção!)
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO