AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

AUTISMO REGRESSIVO

Autismo regressivo

Autismo regressivo é um subtipo de distúrbios do espectro do autismo (ASD) em que as crianças afetadas apresentam uma perda de competências linguísticas e sociais que tinham anteriormente alcançados. É chamado de regressivo, porque é um processo "para trás" perdeu as habilidades que já haviam sido alcançados. O processo varia, mas começa em cerca de quatro meses de idade e se estende até dezenove meses.
De acordo com um estudo recentemente publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos EUA, os cérebros de crianças com autismo regressivo crescer e são maiores (cerca de 6% maior) do que as crianças os normotípicos da mesma idade ou de crianças apresentam sintomas de autismo antes e crescente, que é chamado de início precoce do autismo.Esta é a primeira evidência de que o autismo regressivo neuropatológico é substancialmente diferente de outros tipos de autismo.
Esta pesquisa foi desenvolvida pelo grupo de David Amaral MIND Institute, em Davis (Califórnia) e incluiu 180 crianças. É considerado o maior estudo do desenvolvimento do cérebro em crianças pré-escolares com autismo até à data. O grupo de pesquisa também não observaram diferenças foram observadas no volume cerebral no caso das meninas com ASD, regressivos ou não, em comparação aos controles, o que aumenta nossa perplexidade sobre as origens e manifestações de ASD em crianças e meninas.
Assim como existe uma ampla gama de diferenças no desenvolvimento das crianças afectadas, os sintomas e problemas de comportamento, este estudo adiciona à evidência crescente da existência de múltiplos subtipos de autismo com vários substratos biológicos distintos manifestações neurobiológicas ou neuropatológico .Essas diferenças na base neurobiológica deve estar diretamente ligada ao fato de que temos uma grande variedade de sintomas e as crianças afetadas, das quais apenas têm problemas em situações sociais que demonstram uma total incapacidade de comunicação, movimentos repetitivos ou hipersensibilidade a estímulos sensoriais ou graves problemas de relacionamento interpessoal.
Estudos anteriores sugeriram que os sintomas clínicos de autismo tendem a coincidir com um período de crescimento anormal do cérebro e do crescimento do perímetro cefálico que é evidente entre os meses 9 e 18 º de vida. Os dados deste estudo foram obtidos a partir de medições da circunferência da cabeça tomada no bem-filho desde o nascimento até 18 meses e teve uma ressonância magnética em 180 crianças que participaram do estudo após três anos de idade. O estudo foi limitado pela idade em que os pais haviam descoberto os primeiros sintomas de autismo e da evolução destas características anormais. Infelizmente, as informações fornecidas pelos pais não é confiável em muitas ocasiões. Um estudo mostrou, analisando os vídeos de família típicos de bebês que os especialistas poderiam ver sintomas de autismo em 45% dessas crianças. Os pais dessas crianças não detectou o estranho comportamento naquela idade.
O estudo interessante é que as crianças com autismo regressivo tem um perímetro cefálico normal ao nascer, este indicador começa a divergir entre quatro e seis meses de idade, quando você ainda não observou qualquer perda de habilidades. Embora uma investigação mais aprofundada é necessário, uma primeira conclusão é que o rápido crescimento da cabeça em crianças entre quatro e seis meses de idade deve ser considerado um fator de risco para pediátrica seguir mais intensa e estar vigilantes contra uma possível perda as habilidades sociais da linguagem.
Esta e outras informações de grande interesse ao longo pode lê-los no meu blog pessoal UniDiversidad.Observações e pensamentos.

  1. Meu filho era normal, regrediu e agora tem autismo. Por quê? Esta é a grande pergunta que milhares de famílias são feitas. Esta regressão, um desenvolvimento aparentemente normal para o surgimento de comportamentos que se encaixam ...
  2. Epilepsia e autismo, um conjunto mortal Um estudo americano recente realizada com base em tecido cerebral de pessoas com autismo, verificar que com base em tecidos doados, cerca de 39 ...
  3. As crianças com autismo eram bebês grandes é conhecido que os bebês, eventualmente, desenvolver autismo quando são dois, três ou mais anos têm uma cabeça maior do que a média ...
  4. Existe uma conexão entre a epilepsia e ao autismo? Embora não haja nenhuma figura de consenso sobre a incidência da epilepsia no autismo, os dados variam entre 7 a 46% em ...
  5. Alterações cerebrais precoces em crianças com autismo no cérebro distingue a massa cinzenta ea substância branca. O cinza corresponde às regiões com muitas células, onde os corpos estão localizados .

Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO