AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Medicamentos para o autismo

Medicamentos são muitas vezes utilizados para tratar problemas comportamentais, como agressividade, comportamento auto-agressivo, e birras graves, que impedem a pessoa com um transtorno do espectro do autismo ("autismo") de funcionar de forma mais eficaz em casa ou na escola.

Os medicamentos utilizados são aqueles que têm sido desenvolvidos para tratar os sintomas semelhantes em outras desordens. Muitos destes medicamentos são prescritos "off-label." Isso significa que eles não tenham sido oficialmente aprovado pela Food and Drug Administration EUA (FDA) para uso em crianças, mas o médico prescreve os medicamentos, se ele ou ela sente que eles são apropriados para seu filho. Pesquisa adicional precisa de ser feito para assegurar não só a eficácia, mas a segurança dos agentes psicotrópicos utilizados no tratamento de crianças e adolescentes.
Em 6 de outubro de 2006, a Food and Drug Administration EUA (FDA) aprovou a risperidona (nome genérico) ou Risperdal (marca) para o tratamento sintomático de irritabilidade em crianças autistas e adolescentes com idade de 5 a 16. A aprovação é o primeiro para a utilização de um medicamento para tratar comportamentos associados com autismo em crianças. Esses comportamentos são incluídos sob o título geral de irritabilidade e incluem agressão deliberada, auto-agressão e birras.
A olanzapina (Zyprexa) e outros antipsicóticos são usados ​​medicamentos "off-label" para o tratamento de agressões e outros graves distúrbios de comportamento em crianças, incluindo crianças com autismo. Off-label significa que um médico irá prescrever uma medicação para tratar uma desordem ou em uma faixa etária que não está incluído entre aqueles aprovados pela FDA. Outros medicamentos são usados ​​para tratar sintomas ou outras doenças em crianças com autismo. Fluoxetina (Prozac) e sertralina (Zoloft) são aprovados pelo FDA para crianças de 7 anos e idosos com transtorno obsessivo-compulsivo. A fluoxetina é também aprovado para crianças de 8 anos e mais velhos para o tratamento da depressão .
A fluoxetina ea sertralina são antidepressivos conhecidos como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs). Apesar da relativa segurança e popularidade de ISRS e outros antidepressivos, alguns estudos têm sugerido que eles podem ter efeitos não intencionais em algumas pessoas, especialmente adolescentes e adultos jovens.
Em 2004, após uma minuciosa análise dos dados, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou uma "caixa preta" etiqueta de advertência em todos os antidepressivos medicações para alertar o público sobre o potencial risco aumentado de pensamento suicida ou tentativas em crianças e adolescentes que tomam antidepressivos . Em 2007, a agência ampliou o aviso de incluir jovens de até 25 anos de idade. A "caixa preta" advertência é o tipo mais grave de aviso sobre a rotulagem de medicamentos de prescrição. O alerta ressalta que pacientes de todas as idades devem ser cuidadosamente monitorizados, especialmente durante as primeiras semanas de tratamento, para qualquer piora depressão, pensamentos suicidas ou comportamento, ou quaisquer alterações anormais no comportamento tais como insônia, agitação, ou retirada normais situações sociais.
Uma criança com autismo pode não responder da mesma forma a medicamentos como crianças com desenvolvimento típico. É importante que os pais trabalharem com um médico que tenha experiência com crianças com autismo. A criança deve ser acompanhada de perto enquanto estiver a tomar um medicamento. O médico prescreverá a menor dose possível para ser eficaz. Pergunte ao médico sobre quaisquer efeitos secundários da medicação pode ter e manter um registro de como a criança reage à medicação. Será útil para ler a "inserção do paciente" que vem com a medicação do seu filho. Algumas pessoas mantêm as inserções de pacientes em um pequeno caderno para serem usadas como uma referência. Este é mais útil quando vários medicamentos são prescritos.
Ansiedade e depressão. os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) são os medicamentos mais frequentemente prescritos para sintomas de ansiedade, depressão e / ou transtorno obsessivo-compulsivo ( TOC ). Apenas um dos de SSRI, fluoxetina, (Prozac ®) foi aprovado pela FDA para ambos TOC e depressão em crianças com idade de 7 ou mais. Três que foram aprovados para o TOC são fluvoxamina (Luvox ®), 8 anos de idade e mais velhos; sertralina (Zoloft ®), 6 anos de idade e mais velhos, e clomipramina (Anafranil ®), de 10 anos e mais velhos. O tratamento com estes medicamentos pode ser associado com diminuição da freqüência do comportamento repetitivo, ritualística e melhorias em contato com os olhos e os contatos sociais. O FDA está estudando e analisando dados para entender melhor como usar o do SSRI com segurança, eficácia e na menor dose possível.
Problemas de comportamento. medicações antipsicóticas têm sido usadas para tratar problemas comportamentais graves. Estes medicamentos actuam reduzindo a actividade no cérebro do neurotransmissor dopamina. Entre os mais idosos, antipsicóticos típicos, tais como o haloperidol (Haldol ®), tioridazina, flufenazina, e clorpromazina, haloperidol foi encontrada em mais de um estudo para ser mais eficaz do que um placebo no tratamento de graves problemas de comportamento. No entanto, o haloperidol, enquanto útil para reduzir os sintomas da agressão, também podem ter efeitos secundários adversos, tais como sedação, rigidez muscular, e movimentos anormais.
Estudos controlados com placebo dos mais novos "atypica" antipsicóticos estão sendo realizados com crianças com autismo. O primeiro estudo, realizado pelas Unidades NIMH-investido em pesquisas sobre Pediatric Psychopharmacology (RUPP) Autism Network, estava em risperidona (Risperdal ®). Os resultados do estudo de 8 semanas, foram reportados em 2002 e mostrou que a risperidona foi eficaz e bem tolerado para o tratamento de graves problemas comportamentais em crianças com autismo. Os efeitos secundários mais comuns foram aumento do apetite ganho de peso, e sedação. Outros estudos de longo prazo são necessários para determinar quaisquer efeitos secundários a longo prazo. Outros antipsicóticos atípicos que têm sido estudados recentemente, com resultados encorajadores são olanzapina (Zyprexa ®) e ziprasidona (Geodon ®). A ziprasidona não tem sido associado com o ganho de peso significativo.
Convulsões. Convulsões são encontrados em um em cada quatro pessoas com transtornos do espectro do autismo (ASD), mais freqüentemente, aqueles que têm baixo QI ou são mudos. Eles são tratados com um ou mais dos anticonvulsivantes. Estes incluem medicamentos como carbamazepina (Tegretol ®), lamotrigina (Lamictal ®), topiramato (Topamax ®) e ácido valpróico (Depakote ®). O nível do medicamento no sangue devem ser cuidadosamente monitorizados e ajustada de modo que a menor quantidade possível é usado para ser eficaz. Embora a medicação normalmente reduz o número de apreensões, que nem sempre pode eliminá-los.
Desatenção e hiperatividade. medicamentos estimulantes como o metilfenidato (Ritalina ®), usados ​​com segurança e eficácia em pessoas com déficit de atenção e hiperatividade , também têm sido prescrito para crianças com autismo. Estes medicamentos podem diminuir a impulsividade e hiperatividade em algumas crianças, especialmente as crianças maiores de funcionamento.
Vários outros medicamentos têm sido utilizados para tratar os sintomas de TEA; entre eles são outros antidepressivos, naltrexona, lítio, e algumas das benzodiazepinas, tais como o diazepam (Valium ®) e lorazepam (Ativan ®). A segurança e eficácia destes medicamentos em crianças com autismo não tenha sido comprovada. Como as pessoas podem responder de maneira diferente aos medicamentos diferentes, a história única de seu filho e comportamento vai ajudar o médico a decidir qual a medicação pode ser mais benéfica.


http://psychcentral.com/lib/2010/medications-for-autism/
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO