AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O melhor do ano em pesquisas sobre o autismo

Durante 2011 nós tentamos fazer eco das descobertas mais importantes na medida em que a pesquisa está em causa. E este ano foi muito intenso, com um grande número de estudos de grande interesse. Com base em vários campos, todos estes estudos nos ajudam a entender melhor a " porquês "que cada dia as famílias são feitas. Por sua vez, os avanços da ciência nos ajudar a projetar melhores modelos de intervenção, ou descartar aqueles que mostraram-se ineficazes. Na mesma linha a cada dia um pouco melhor compreender doenças que aparecem no nível do próprio cérebro, que não só explicar certos comportamentos, oferecemos maneiras para melhor intervir numa fase inicial fornecimento de deficiências. E embora nós ainda não sabemos ao certo qual a origem do autismo, se temos mais pistas e mais que nos dão informações sobre as possíveis causas, de modo que cada vez mais estreita o cerco.
E uma vez que tem sido um ano movimentado, fizemos uma classificação dos vários artigos que publicamos para facilitar a tarefa. Desde o primeiro dia temos tentado esses itens foram tão abrangente quanto possível, talvez não tenhamos conseguido em todos os casos, mas às vezes se movendo estudos sobre temas específicos é bastante complexa e difícil. No entanto, esperamos ser capazes de transmitir claramente o significado ea relevância desses avanços têm suposto.
Drogas:
Eles realmente são os piores, quase todos os estudos nos dizem sobre os efeitos colaterais. O uso de medicamentos psiquiátricos em crianças é complexa e controversa, por isso, passou um monte de trabalho para tentar fazer com que esta questão veio em uma informação clara e direta, a fim de fornecer informações úteis que ajuda na tomada de decisões sobre esta questão. É comum na consulta o médico espalha a receita, diga-nos a dose para dar às crianças e pouco mais. Muitas vezes ignoram os muitos efeitos colaterais destas drogas produzem. Ter acesso a esta informação é útil para ser capaz, por um lado, fazer perguntas específicas do médico, ou que tenham dados suficientes para ter a decisão tomada por consenso e não por imposição médica.
Genética:
Um mundo de progresso. Toda vez que existem novas pistas para nos ajudar na compreensão do autismo.Actualmente em curso vários estudos para tentar descobrir qual é a parte que é afetado no autismo. A verdade é que hoje permanece um mistério e há muitos dados que apontam em várias direções. Não podemos como em outras síndromes como buscar um certo fracasso em um gene particular no autismo o que sabemos é que não existe uma causa única.
Cérebro:
Novos avanços na compreensão dos processos bioquímicos que regulam a fisiologia ea função cerebral. Estes resultados são também de grande importância, nós sabemos que as crianças têm um excesso de neurônios (que, aliás, vai contra as teorias de vacinas e destruição neuronal). Programação para a remoção seletiva destes neurônios remanescentes não funciona bem. Sabemos também que alguns dos processos bioquímicos têm certas "falhas" e que estes são relacionados a certos comportamentos.
Tóxico:
As evidências não param acumulando. E, embora talvez isso deva ser uma subcategoria do ambiente, nós preferimos dar a sua própria. Já existem muitas evidências que indicam que as toxinas desempenham um papel em desordens do desenvolvimento neurológico e também no desenvolvimento de muitas doenças. Em muitas regiões com altos níveis de contaminação do Câncer tem altas taxas de incidência. As toxinas afetam a nossa informação genética, que, quando transmitidas a nossos filhos tem "falhas", que são ou problemas de desenvolvimento cerebral, malformações ou doenças crônicas, causar o surgimento de novas doenças.
Epidemiologia:
Dados sobre a ascensão e queda de prevalência de acordo com as fontes. Bem, aqui estão alguns dos mais importantes do ano. Saber os números é de grande importância no estabelecimento de saúde e políticas adequadas de educação e refletir sobre as origens do aumento do número de pessoas com esses transtornos.
Epilepsia:
A epilepsia é uma comorbidade bastante comum no autismo. Compreender como ele funciona e como tratar um dos fatores básicos para ajudar as pessoas com autismo que têm esta doença.
Meio Ambiente:
Causas ambientais estão "na moda". E o fato é que o estudo do autismo a partir de vários pontos de vista envolve o estudo do modelo ecológico, para vê-lo de todos os pontos de vista. Este novo modelo significa que cada vez temos dados precisos sobre quais aspectos podem ser disparadores no autismo, e, portanto, trabalhar para evitá-los.
Terapia e intervenção:
Temos dedicado um espaço considerável a este aspecto. Por um lado, para descartar ou modelos de intervenção que foram mostrados para não trabalhar, ou cuja eficácia é questionável. Assim, o tratamento com câmaras hiperbáricas provou ser eficaz. Que a questão famosas dietas é mais relacionada a fatores digestivos que o autismo em si. Como este tipo de problemas gastrointestinais afeta toda a população na mesma medida.Por sua vez validações existentes para a TEACHH primeiro e intervenção LEAP. Também foram apresentados a primeira evidência sobre a importância da integração sensorial na intervenção do autismo. Visualmente, cada vez melhor entender as diferenças que as pessoas com autismo, e que nos ajuda a melhorar como intervir. E mais uma vez a inteligência, a cada dia se torna mais evidente que o tema da deficiência intelectual e autismo é um erro.
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO