AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Autism Now: Entrevista com Dra. Martha Herbert


RESUMO 
Abaixo está um trecho transcrito da série “Autism Now” do canal PBS, editado por relevância de comprimento e clareza, com a Dra. Martha Herbert, professora de neurologia na Harvard Medical School, que discutiu as causas do autismo e apareceu no terceiro relatório da série. 


Original:



Tradução: Claudia Marcelino.



Robert MacNeil: Dra. Herbert, o quão comum problemas do espectro biomédico são encontrados em crianças com autismo?

 DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que é bastante comum. Eu acho que pode ser mais comum do que pensam. Certamente, na minha experiência, tem sido mais comum do que não. As pessoas me procuram porque sabem que eu estou interessada, mas eu acho que provavelmente a maioria das pessoas tem alguma parte dele.

 
Robert MacNeil: Como é que esses problemas biomédicos, gastrointestinais por exemplo, afetam os sintomas do autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, a resposta mais simples é que eles tornam o autismo pior. Mas então a questão é, como isso acontece? Essa é a grande questão. Algumas pessoas pensam que é porque é desconfortável e doloroso, mas a verdadeira ação está no cérebro e não está afetando a ação real do cérebro, é apenas uma parte do desconforto.
Outras pessoas pensam que há uma conexão muito mais profunda entre o intestino e do cérebro. E há uma série de pesquisas, não especificamente no autismo, mas mais em geral da biologia e neurobiologia, sobre a conexão cérebro-intestino. Assim que anormalidades no intestino - inflamação e diferenças de neurotransmissores - podem afetar a forma como o cérebro funciona.

Robert MacNeil: Estes problemas biomédicos são tratáveis, muitos deles com drogas. Se você está tratando-os, como eles afetam os sintomas do autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, isso é uma boa pergunta. Depende da droga, e é também uma questão de saber se os medicamentos são o único caminho, ou o melhor, de tratar esses problemas. Mas se você tratar esses problemas com drogas, você pode obter uma diminuição dos sintomas. Vamos dizer que você tem refluxo. Refluxo - ácido vem acima do estômago para o esôfago. Isso dói.
Crianças com refluxo não podem dizer que têm refluxo se eles têm autismo. O que eles fazem? Eles batem com a cabeça contra a parede, eles têm crises de birra, eles mordem-se, eles atacam as outras pessoas. Quando você tratar a dor do refluxo, eles geralmente param os comportamentos agressivos ou auto-destrutivo. Eles podem dormir melhor. Se você dormir melhor, tudo fica melhor.


Robert MacNeil: Então neste caso você está tratando o autismo ou o refluxo?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, eu acho que se você usa uma droga, você provavelmente está tratando o refluxo. Eu acho que existem outras coisas que podemos fazer mais fundamentais como, tratar o desequilíbrio metabólico e imune que alguns de nós acham que está acontecendo em todo o sistema - o intestino, o sistema imunológico e o cérebro, e muito mais - tudo ao mesmo tempo.

Robert MacNeil: Como você explica a hostilidade em uma parte da comunidade médica para os tratamentos que os pais de crianças autistas estão usando para tratar estas condições biomédicas?

DR. MARTHA HERBERT: Isso é interessante - como você explica a hostilidade?

Robert MacNeil: A hostilidade - hostilidade médica – aos procedimentos.
.
DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que há um número de diferentes níveis de hostilidade. Um deles é que os médicos são ensinados para acreditar que as drogas são mais eficazes do que remédios como a dieta. Há um forte preconceito contra a dieta e intervenções nutricionais. Outra coisa é que os pais não estão fazendo isso sob a vigilância ou a orientação de seus profissionais médicos. E isso é um problema.
Parece que é uma situação fora de controle, eu acho, para os médicos. Eu acho que a maioria dos médicos realmente não têm um entendimento que encaixe no que eles aprenderam de autismo - quando eles não estão especializando-se, não ouvem sobre os avanços na ciência e não têm nenhuma razão para pensar que isso poderia ter alguma coisa a ver com o que eles concebem como um erro inato devastador, ao longo da vida.

Robert MacNeil: Porque o autismo ainda é diagnosticado e dado o seu número correto para fins de seguro no manual de diagnóstico elaborado por psiquiatras.

DR. MARTHA HERBERT: Isso mesmo. E se você pensar nisso como uma desordem cerebral que é um erro na fiação desde o nascimento, então o que os pais estão fazendo é absolutamente insano ou incongruente. Mas se você pensar no cérebro como sendo afetado por todo o corpo, então quando você afetar o corpo, você pode afetar o cérebro. E essa é a lógica do que os pais estão fazendo. Os pais estão a fazer, na minha opinião, biologia de sistemas.

Robert MacNeil: O que significa isso?

DR. MARTHA HERBERT: Isso significa que eles estão olhando para o organismo como um todo integrado com a expressão do gene subjacente, genética e os padrões de metabolismo que não conhecem fronteiras entre órgãos. O cérebro e o sistema imunológico e o intestino estão intimamente relacionados. As células nesses sistemas têm características comuns.
Eles trabalham em conjunto sem problemas, e quando você desregular um, você desregula todos os outros. E biologia de sistemas é uma maneira de olhar para a forma como trabalhamos como um todo integrado. Eu acho que é a biologia do século 21. Para ser honesto com você, eu acho que os pais venceram a medicina com a biologia de sistemas.

Robert MacNeil: Como você descreve o autismo agora? Como você define isso?

DR. MARTHA HERBERT: Eu tenho tido uma série de passos em como eu defino o autismo. O primeiro passo que aprendi por observação é que o autismo não era tanto uma desordem cerebral como um distúrbio que afeta o cérebro. Então a pergunta é o que está afetando o cérebro? O sistema imunitário está a afetar o cérebro, mudanças na química estão a afetar o cérebro, alterações nos microorganismos em nossos intestinos estão a afetar o cérebro. Todas essas coisas - cérebro, intestino, microorganismos - são muito centrais agora em biologia de sistemas.

Então comecei a pensar, bem, se o cérebro é afetado pelo corpo, então o que há de errado com o cérebro? O cérebro está desligado ou é desregulado? E eu vim a pensar que o cérebro está desregulado. E há várias razões para isso. A razão mais dramática é que existem relatos cada vez mais, alguns deles publicados na literatura, de curto prazo, mudanças dramáticas no nível funcional de pessoas com autismo.

Um deles é o que você vê melhorias com febre. Uma criança que tem febre vai começar a fazer contato com os olhos, vai ser interativo, vai se relacionar. Você vê isso, às vezes com crianças em uso de antibióticos. Uma criança desconectada que se conecta e depois desconecta novamente. Outra é com esteróides. Uma criança com autismo e asma tem um ataque de asma, recebe alguns esteróides, começa a falar e se relacionar imediatamente.
Não é preciso um processo de aprendizagem inteiro. É como se houvesse uma obstrução, você levantou a obstrução e as competências subjacentes estavam lá. Nós ainda não descobrimos como todos esses casos de alívio temporário da obstrução podem ser mais permanentes, embora existam casos em que o esforço persistente cria uma mudança permanente.

Mas, as capacidades subjacentes estão lá. E também, algumas crianças que se recuperam de autismo e começam a contar histórias para seus pais, coisas que eles se lembram de quando parecia que eles estavam totalmente fora do contexto, indicando que eles estavam gravando e observando. O livro de Portia Iversen, "Filho Estranho", um livro realmente notável sobre seu filho e sobre Tito Mukhopadhyay, que é uma pessoa com autismo de alto funcionamento, mas não-verbal, quando seu filho, Dov - usou pela primeira vez um dispositivo de comunicação, ele estava fazendo matemática da quarta série e poderia ler em hebraico e Inglês.
E eles nem sabiam que ele poderia fazer nada disso. Assim, seu computador mental estava operando, mas a interface não estava funcionando. Portanto, se o computador estiver funcionando, não é uma deficiência, não é um atraso mental. É algo sobre a coordenação e interface que está sendo bloqueado, ou as configurações estão desligadas.

Robert MacNeil: Você teve uma carreira variada, mas você pode se lembrar o momento sobre o autismo quando de repente disse: hey, temos tudo errado - isso não é apenas uma desordem cerebral, este é um distúrbio do sistema inteiro?

DR. MARTHA HERBERT: Claro. Bem, a construção para este momento começou na minha residência, onde fui treinada para trabalhar com pacientes psiquiátricos de doenças metabólicas raras. E eu gostaria de melhorar esse trabalho e eu quase nunca encontrava meios, o que é o usual. Mas então, por que todo mundo está doente? Por que eles tem alergias? Por que eu estava vendo essa história de pessoas que - você sabe, tem diarréia o tempo todo?
A minha formação me levou a trabalhar em cima destes distúrbios metabólicos, para entender que um problema genético que muda o seu metabolismo afeta o seu corpo todo, que os genes se expressam mais no cérebro do que em qualquer outro lugar, assim quando algo afeta o seu corpo vai afetar o seu cérebro. Então esse é o fundamento.

Eu estava em Roma, em 1999, numa conferência sobre autismo para apresentar minha pesquisa de imagens cerebrais. E outro orador se levantou e mostrou um slide de proteínas anormais na urina de alguém com autismo - uma série de picos extra de proteínas que não são encontrados em uma pessoa típica. Esse é o tipo de impressão que você vê quando você está trabalhando com uma desordem metabólica. Ninguém nunca tinha me mostrado esses tipos de dados para o autismo.

E eu vi e eu disse, isto é um distúrbio metabólico. Tem que ser. Caso contrário, você não teria este problema. Não sei que tipo de distúrbio metabólico, mas eu olhei pelo ponto de vista cerebral que fui treinada e quais regiões do cérebro estão criando os comportamentos de uma doença sistêmica, onde o metabolismo está desligado, e está afetando tudo.

E foi exatamente isso um slide que se encaixou perfeitamente em meu treinamento de neurologia pediátrica, mas de uma forma diferente do que eu tinha sido levada a esperar. E tudo depois disso tem se encaixado - bem, é um monte de trabalho de investigação. Não é completamente óbvio como organizar tudo isso. Se você focar nesses tipos de anormalidades metabólicas, elas colocam o autismo em uma categoria diferente.


Robert MacNeil: A forte ênfase na pesquisa genética no autismo tem atrasado ou inibido as investigações possíveis para o lado biomédico?

DR. MARTHA HERBERT: Assim, com a pesquisa genética, as pessoas estão à procura de genes que afetam funções específicas. Mas as pessoas que estão fazendo esse trabalho na maioria não são o tipo de médico que eu fui treinada para ser - uma neurologista infantil com um fundo, que você tem que ter, em distúrbios metabólicos.
A primeira vez que eu apresentei minha palestra no curso de meu departamento de educação médica continuada em diante, "o autismo é uma desordem do cérebro ou um distúrbio que afeta o cérebro", nossa diretora de residência, disse, bem, ele tem que ser assim. Ela disse: Eu não sei exatamente como vai ser, mas tem que ser. Isso faz sentido total. Mas ela é uma especialista em metabolismo. Ela entende como essas coisas funcionam.

Quando falo com geneticistas, eu já tive momentos bem difíceis em falar sobre como os genes afetam as vias. Até poucos anos atrás, as pessoas estavam olhando para genes como se eles não fizessem parte de vias metabólicas. Recentemente, as pessoas têm falado - em parte por causa desses programas de software que localizam genes nessas redes, é cada vez mais óbvio que eles estão nessas vias e que é o caminho que faz a desordem.

Robert MacNeil: E o caminho pode ser proteínas, podem ser outras substâncias que são substâncias de sinalização?

DR. MARTHA HERBERT: Sim. Mas você sabe, não havia o estudo de Vanderbilt, onde eles encontraram um gene - o gene MET - que era um gene interessante porque afetava o cérebro, o sistema imunológico, e o intestino e é ambientalmente vulnerável. Então eles começaram a olhar o sistema onde o MET está localizado para ver se haviam alguns outros genes que também estivessem presentes - anormalidades genéticas que estivessem presentes mais no autismo. E eles encontraram vários outros, mostrando que o problema é o sistema. O produto do sistema quando ele se desequilibra - é o que é o problema.
Eu acho que os genes se tornaram essa abstração divorciada do organismo e nós temos que colocar os genes de volta ao metabolismo, de volta à fisiologia. E então poderemos ver como os genes e os sistemas metabólicos trabalham e interagem juntos.

Robert MacNeil: Você poderia nos dar uma definição do metabolismo, uma vez que usa-o muito, que eu possa entender?

DR. MARTHA HERBERT: É engraçado porque os meus colegas escritores dizem: - ela vem fazendo reportagens científicas nos últimos 10 anos, e ninguém foi capaz de definir o metabolismo para ela, o que é engraçado, porque o metabolismo é basicamente como cozinhar: você liga uma coisa em outra coisa. Você tem uma substância. Ela passa por uma reação química e ela sai diferente. E nossos corpos são as nossas fábricas metabólicas.
Nós temos que estar mudando as coisas de um para outro. Nós construímos as coisas. Nós quebramos as coisas. Criamos energia. Nós queimamos energia. Fazemos todas essas coisas. E temos de fazê-las com muito cuidado. Quero dizer, você não pode começar um fogo em si mesmo para obter calor, você tem que fazer isso com critério para que nada seja danificado. Então, tudo é feito passo a passo de maneiras muito cuidadosas. Quando você está mudando uma coisa a outra, a enzima que faz isto ir de um lado para o outro é moldada por um gene.
Se o gene tem uma mutação, a mudança de A para B pode ser mais lenta. Pode também ser mais rápida ou pode até não acontecer. O que eu estava treinada para procurar era, a mudança de A para B está quebrada. Dificilmente acontece. O que eu acho que nós estamos vendo no autismo é, a mudança é ineficiente. Então você tem uma linha de base - é ineficiente.
Em seguida, vem o meio ambiente - algumas toxinas, alguma exposição, talvez uma infecção. Que a mudança vulnerável ​​de A para B agora tem outra fonte de vulnerabilidade que torna ainda mais ineficiente, e ele começa a quebrar na sua função.
E eu acho que é onde é difícil para os geneticistas entender porque eles acham que os genes estão fazendo quase tudo e o ambiente é apenas a decoração da cereja no topo do bolo, não interfere no processo. Eu acho que ele é realmente, realmente interativo em todo o caminho. E eu também acho que quanto mais aprendemos sobre a expressão gênica, mais ela vai se tornar óbvia que esse é o caso.


Robert MacNeil: A pesquisa para o lado biomédico do autismo teria sido inibida pelas guerras das vacinas - pela crença de alguns pais, muitos pais, que seu filho desenvolveu o autismo por causa de uma vacina?

DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que a guerra das vacinas tornou muito difícil perseguirmos idéias médicas sobre o autismo. Acho que muitas pessoas na comunidade de pesquisa sentem que é sua responsabilidade evitar dar munição para as pessoas que dizem que o os problemas gastrointestinais ou imunes vem de vacinas e nada mais do que vacinas. E eu vi as pessoas tentando restringir a discussão às coisas que acontecem antes do nascimento, ou tentando evitá-las completamente.

Eu tentei ser uma voz para expandir a idéia de separação: é só gene ou é só vacina. E vacinas eram a única coisa no ambiente que as pessoas falavam sobre. Agora, se expandiu e, finalmente, as pessoas estão olhando para todos os tipos de outras coisas no ambiente que podem desempenhar um papel contribuinte.
E eles também estão encontrando evidências de que as coisas corporais - os problemas imunológicos, os metabólicos, os gastrointestinais - estão realmente acontecendo. E se você der dois passos para fora do mundo do autismo, você vai ver que estas coisas têm milhares de documentos mostrando que eles estão relacionados uns aos outros. Então, eu gostaria realmente que as pessoas pudessem apenas respirar fundo e dizer, vamos apenas olhar para o que vemos.


Robert MacNeil: Você acha que as vacinas têm sido exoneradas por todos os estudos epidemiológicos, que dizem que não estão implicadas no autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, com vacinas, o que eu acho é que nos últimos, digamos, 10 anos, nós estamos tendo uma explosão, particularmente em imunologia e estamos aprendendo coisas sobre o sistema imunológico que poderíamos nem sequer ter concebido. Nós temos maneiras de medir e estudar que nós nunca sequer imaginamos. E que estas coisas nunca poderiam ter sido conhecidas quando o nosso sistema de vacina foi projetado e desenvolvido.

E eu acho que temos uma oportunidade muito grande para aplicar esta ciência avançada da nossa maneira para proteger a população contra as doenças infecciosas realmente devastadoras e, ideal, de uma forma que nunca foi antes imaginável. Então eu acho que nós sabemos, a nível populacional, o que as estatísticas são. O que precisamos saber agora é o que a biologia é para cada pessoa.

Robert MacNeil: Poderia haver um subgrupo de crianças com predisposição genética a ter uma reação tóxica às vacinas que, para o resto das crianças, não têm nenhum efeito adverso?

DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que é possível ter um subgrupo genético. Você também pode ter um subgrupo imunológico. Há uma variedade de subgrupos. Mas o problema com os estudos populacionais é, eles não são necessariamente projetados para ter o poder estatístico para encontrar subgrupos, pois subgrupos são pequenos.

Robert MacNeil: Yeah. Se você fosse perguntada agora sobre o que causa o autismo, qual seria a sua resposta?

DR. MARTHA HERBERT: Às vezes, eu penso em escrever um livro e chamá-lo de "autismo e tudo" ... Eu não acho que há uma causa de autismo. Eu posso apostar que não vai se encontrar uma coisa. Nós certamente não encontraremos um gene, nós estamos encontrando centenas de genes. Estamos encontrando grupos de genes.
Estamos descobrindo genes que as crianças têm que os pais não têm - seus próprios pais. Eu acho que há um monte de coisas, no meio ambiente, que estão sobrecarregando nossa capacidade de lidar, metabolicamente, que são esmagadoras para o nosso sistema imunológico. E a sinergia - o impacto coletivo – está esgotando nossos sistemas de proteção. E eu acho que isso é o que está causando autismo.

Robert MacNeil: Introduzimos, no último par de gerações, centenas, senão milhares, de novos produtos químicos em nossos lares, nossas fazendas - em todos os lugares. Você poderia ver como os tóxicos estão conectados com o aumento do autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que o que nós temos é definitivamente uma questão de tóxicos e substâncias tóxicas em nosso ambiente, que alguns deles atuam como nossas próprias moléculas, como hormônios, por exemplo. Isso é chamado de desregulação endócrina. Alguns deles se confundem com neurotransmissores. Alguns deles confundem até nossos receptores. Alguns deles danificam as membranas de nossas células. Muitos, muitos deles causam danos nas nossas mitocôndrias - as fábricas de energia nas nossas células.

Quando começamos a ter esta explosão de nossa revolução química, não tínhamos nenhuma maneira de saber os impactos sutis na função celular. Nós pensamos que, se não nos mata, provavelmente não tem problemas. Mas agora estamos aprendendo que podem alterar sua maneira de se regular antes de te matar. Então eu acho que é um dos grandes fatores. Eu também estou preocupada com a maneira que temos tratado nossa microbiota intestinal, nós temos aprendido muito nos últimos anos sobre o quanto os organismos em nosso intestino afetam a nossa saúde como um todo.

Robert MacNeil: As bactérias que estão naturalmente em nosso sistema digestivo.

DR. MARTHA HERBERT: As bactérias que vivem em nossos intestinos acabam por desempenhar tantos papéis importantes em nosso metabolismo. E elas fazem o trabalho para nós. Digerem as coisas para nós. Elas fazem vitaminas para nós. E se elas não estão equilibradas direito, elas podem não fazer coisas que precisamos ou fazer coisas que não precisamos. Então eu acho que isso é outro problema. E algumas são toxinas e outras vezes apenas um sentimento que nós temos que matar todas as bactérias, e nós não percebemos que nós realmente temos que viver com elas.

Robert MacNeil: Onde estamos - onde é que chegamos na compreensão do autismo? Algumas pessoas dizem que estamos à beira de grandes descobertas, outras pessoas dizem que estamos apenas no início. O que você acha?

DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que é em algum lugar no meio. Ao nível do cérebro, eu acho que nos últimos cinco anos, nós descobrimos que há um problema de coordenação das diferentes partes do cérebro não ligadas ou não sincronizadas.

A questão, para mim, é por que é que isso acontece? Eu quero olhar por baixo dos relatos que mostram que isso acontece para entender o que está acontecendo no tecido cerebral que está interferindo com a capacidade do cérebro em coordenar.
Houve um estudo maravilhoso feito por um amigo meu, David Beversdorf - ele deu às pessoas com autismo um medicamento chamado propanolol, que muitas pessoas usam para a pressão arterial. E ele achou que com essa droga, as suas conectividades foram melhoradas. Ele interpretou isso como quando você remove o stress, o cérebro pode acessar as redes mais remotas. Então eu acho que isso é um indício de que, a resposta está ali mesmo. Você dá o remédio, você vê melhora da função. Isso nos mostra que, não está necessariamente quebrado, está obstruído.

Nós também temos as pessoas olhando para a biologia - coisas que poderiam estar erradas, não só no corpo, mas no cérebro - a inflamação, o estresse oxidativo, os problemas ao nível do metabolismo celular, a inflamação e super excitação celular - que poderiam criar um ambiente químico no cérebro onde as células não são acionadas de maneira normal.
Mas, principalmente, você tem pessoas aqui na ciência que descrevem os padrões cerebrais e as pessoas em um canto diferente descrevendo as células, e eles não estão trabalhando juntos. Então, meu sentimento é que temos as peças para um avanço, mas as peças não estão se conectando ainda. Portanto, temos um problema de conectividade no cérebro no autismo e nós temos um problema de conectividade na ciência.

Robert MacNeil: Os esforços públicos nesta questão deveriam então ser dirigidos pelo Instituto Nacional de Saúde Mental, ou deveriam ser dirigidos por um instituto diferente ou algum grupo de trabalho reunindo-os - em outras palavras, não é preciso um tipo diferente de direção? Algumas pessoas dizem que é uma emergência de saúde nacional, uma crise. Ele então precisa de uma autoridade mor no autismo para coordenar. Qual é o seu sentimento sobre isso?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, eu acho que precisa de uma equipe sistemática. Nenhum ponto de vista pode dominar a questão. Nós temos um trabalho duro na ciência - a transdisciplinaridade. É uma palavra grande. Temos que fazer isso. Nós temos que ter pessoas sentadas juntas, trabalhando para coordenar. Eu acho que a maneira que estamos financiando a investigação do autismo em geral, é parte do problema aqui. As pessoas estão competindo por dinheiro para fazer seus projetos pequenos que têm de ser definidos de forma muito restritiva.

As pessoas com autismo, enquanto isso, tem lotes e lotes de todos os problemas de uma só vez. Por que não vamos colaborar entre muitas pessoas com diferentes formas de medir esses problemas e estudar minuciosamente as diferentes dimensões que são preocupantes nos indivíduos de uma só vez? Então como é que os problemas do cérebro se relacionam com os problemas de intestino? Como é que os problemas de intestino se relacionam com os problemas imunológicos? Como eles se relacionam com a expressão gênica nas crianças? E, em seguida, para as crianças que tem se recuperado, como é que isto tem acontecido?

Acho que precisamos de um modelo colaborativo, e não competitivo, fragmentado. Precisamos de pessoas que entendam biologia de sistemas, ciência do século 21, a fim de fazer isso.

Robert MacNeil: Quem disse que, em toda a minha prática, eu nunca conheci uma criança com autismo com problemas gastrointestinais?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, eu ouvi isso. Eu ouvi sobre isso. Alguns psiquiatras - alguns dos estudos com valores baixos para o quanto o envolvimento gastrointestinal existe no autismo. Assim, um psiquiatra ou psicólogo não anotam quando há um problema gastrointestinal. Bem, talvez eles não perguntem. Talvez eles nem saibam como perguntar. Então, quanto é que realmente contam?

Robert MacNeil: É a nossa maravilhosa ciência implicada na criação de tais mudanças no ambiente que poderia ser, em parte, responsável pela criação de autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Sim. Penso que a nossa ciência tem criado mudanças no ambiente que vão além da capacidade do nosso corpo e nosso planeta para lidar. E quando você é pressionado além do ponto de enfrentamento, você puxa de volta para os sistemas que você pode manipular. Tudo fica repetitivo e acontece da mesma forma quando está estressado. Se você olhar para uma criança autista, pessoa, estreitando seu campo, é uma resposta ao estresse.

Mas nossas células estão estressadas, também. Tudo está estressado. Temos muitos produtos químicos, temos muita informação chegando, em grande parte inútil. E assim eu acho que nós criamos um excesso de novos produtos químicos, informações e soluções rápidas que não são ideais. E as pessoas estão desabando. Eles não estão lidando com isso. E as crianças autistas mostram isso muito jovem e muito dramaticamente.
O esperançoso disso tudo é que algumas dessas pessoas estão se recuperando. E quando você vê alguém a quem foi dito que tinha uma condição desesperadora fazer, às vezes mudanças não tão complicadas- dieta e algumas outras coisas - e passam a viver melhor, dá-me esperança de que se nos conscientizamos a tempo, podemos ser capazes de retomar nosso curso. Porque se os organismos - se as crianças podem ficar melhores, talvez o resto de nós podemos ficar melhor e que possamos viver de forma mais inteligente e de uma forma que nos torna saudável, não doente.

Robert MacNeil: Pode explicar-nos como os sistemas do corpo afetam o cérebro, o que nós consideramos ser o autismo? Gostei da sua linha de que o cérebro é um órgão molhado.

DR. MARTHA HERBERT: Certo. O cérebro é um órgão molhado, vivo. Não é um computador. Não é um chip de silício. Está vivo. Ele recebe sangue. As coisas a partir do sangue têm que entrar no cérebro. Então você tem que alimentar o cérebro com os nutrientes de que necessita. Ele precisa de muito oxigênio. Ele usa até 20 por cento da energia de oxigênio no corpo.
Então, se você não está trazendo os nutrientes corretos, isso é um problema. Se você estiver inflamado, causa um problema porque há uma barreira entre o sangue e o cérebro e, a barreira abre e as coisas entram no cérebro irritando-o. Portanto, se o cérebro está vivo e também é suposto ser protegido de coisas no corpo que não devem entrar, as coisas podem ficar e, talvez, não deveriam estar lá. Então é bom lembrarmos disso.

Robert MacNeil: Como é que as funções do resto do corpo afetam o cérebro?

DR. MARTHA HERBERT: O cérebro recebe as substâncias do corpo - nutrientes, hormônios, substâncias químicas. Se você der uma droga, isso afeta o seu funcionamento, por isso sabemos que as coisas chegam até o cérebro. O cérebro é tanto bem nutrido ou irritado. Ele recebe os sinais e torna-se confuso. Deixe-me tentar novamente. Eu ainda não gosto disso. Qual é o princípio geral de que seria realmente resumir isso?

Robert MacNeil: Estamos voltando aos sistemas.

DR. MARTHA HERBERT: Então, no autismo, vamos falar sobre o intestino e o sistema imunológico e os sistemas energéticos. Assim, existem três sistemas do corpo que são exemplos do que pode afetar o cérebro. O sistema imunológico pode afetar o cérebro, se ele tem - ou coloca você em um estado de inflamação, que é comum no autismo.
Existem produtos químicos que chegam até o cérebro que o tornam muito excitado. Se o cérebro é muito excitado, a experiência sensorial é irritável, você pode ter problemas para dormir e você pode até ter convulsões. O intestino está cheio de bactérias, e sob circunstâncias ideais, seriam boas para nós. Mas se eles estão desequilibrados, algumas dessas bactérias produzem substâncias que agem como neurotransmissores, como dopamina, por exemplo. Que podem afetar seu comportamento.

Se o seu metabolismo energético é errado, se as suas mitocôndrias não estão funcionando direito, se elas foram feridas por alguns destes produtos químicos tóxicos ou por inflamação, você não será capaz de produzir energia suficiente para realizar o trabalho de conectar as células do seu cérebro de uma para outra, porque isso exige uma tonelada de energia.
Então todas essas coisas degradam e confundem a qualidade do sinal no cérebro. Os produtos químicos do corpo degradam e confundem os sinais no cérebro. E eu acho que, este é o problema. Assim, ter uma abordagem de corpo inteiro para o autismo, tentando otimizar o estado do corpo, para os produtos químicos que produzem bons sinais no cérebro, deve ser uma estratégia de tratamento.

DR. MARTHA HERBERT: Eu quero dizer, é muito ruim esta controvérsia sobre vacinas, imagine se houvesse uma controvérsia sobre antibióticos. Quero dizer - olhar para onde estamos colocando muito antibiótico para o fornecimento de alimentos para os animais da fazenda. E então ele entra na água e no nosso ...

Robert MacNeil: E hormônios.

DR. MARTHA HERBERT: Sim. Então todas essas coisas, elas são confusas para o corpo. Acho que estamos confundindo os sistemas de sinalização. Estamos confundindo as propriedades de informações de nossos corpos e nossos cérebros.
Quero dizer, no passado, não tínhamos um conceito que havia sistemas de informação que você poderia confundir.

Robert MacNeil: Eu estou particularmente interessado nisso, e seria fácil levá-la longe demais - essa idéia de que temos mudado tão dramaticamente o ambiente. Já li números como 12 mil novos produtos químicos que foram introduzidos - talvez seja muito mais do que isso - em todos os vários aspectos da vida, da fazenda à alimentação, alguns que são conhecidos por serem neurotóxicos, como inibidores de fogo em sofás e outros tipos de coisas que são necessárias. E sua toxicidade foi descoberta porque a Califórnia aprovou uma das mais progressistas leis de químicos no país.

DR. MARTHA HERBERT: Minha escolha tem sido que nós precisamos olhar para os fatores ambientais em relação à forma como o corpo é vulnerável a eles. Eu quero ter uma t-shirt de glutationa. É a glutationa. É este produto químico que é o maior protetor, o maior anti-oxidante. E toda hora você está exposto a alguma coisa.

Robert MacNeil: Nosso corpo a produz naturalmente?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, nós a usamos muito e não temos o suficiente. Assim, quanto mais exposições cumulativas, mesmo poucas, quanto mais a necessitamos. E a soma total de todas as pequenas coisas se somam ao grande problema de maior necessidade de glutationa. Assim, muitos produtos químicos diferentes esgotam a glutationa.

Robert MacNeil: Outros pesquisadores disseram que é muito difícil conseguir as propostas específicas de investigação do ambiente aceitas, enquanto isso você pode ser específico sobre uma proposta de um estudo genético - como você disse anteriormente, você pode ser muito preciso sobre isso. Como é que você pode ser precisa sobre o meio ambiente quando está tudo à nossa volta? E como você chega a um grupo?

DR. MARTHA HERBERT: Bem, existem ferramentas de computador agora, que ligam genes a produtos químicos e vias. Então essa é uma maneira de fazê-lo. Mas deixe-me inverter esta situação. Você pode ser mais específico sobre um gene, mas este gene tem nos dado  grandes respostas?

Robert MacNeil: Não.

DR. MARTHA HERBERT: Então, talvez os genes também sejam muito mais complicados e nós tivemos apenas maneiras de pinçá-los, e você poderia seguir adiante com isso porque todo mundo acreditaria que poderia dar em alguma coisa. Isso não significa que é a abordagem correta.

Robert MacNeil: É, e a bala de prata, que, cinco anos atrás, eu acho que eles acreditavam que estavam indo encontrar muito rapidamente após o genoma humano seria ... autismo?

DR. MARTHA HERBERT: Eu acho que nós provavelmente temos biomarcadores que indicam risco. Eles não seriam de diagnóstico, na minha opinião, porque não seria específico. Mas eu acho que o que eles fariam é dizer que esta criança está em risco de alguma coisa.

Robert MacNeil: X Frágil, por exemplo?

DR. MARTHA HERBERT: Hum, X frágil - bem, não. Quer dizer, eu estou pensando em problemas imunológicos e stress oxidativo. Eu tenho um estudo em andamento com bebês e estamos medindo as coisas a partir de duas semanas. 


-- 
Autismo: - Aceitação sim, CONFORMISMO não!!!!!!!!

http://dietasgsc.blogspot.com  



Claudia Marcelino, moderadora dos Grupos Autismo Esperança, Autismo Tratamento, Diário de um Autista, Autismo é Tratável e mãe de Maurício, 20 anos - RJ.
Autora do livro: Autismo Esperança pela Nutrição.
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO