AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Crianças com epilepsia têm alta taxa de autismo não diagnosticada, atraso no desenvolvimento


A epilepsia é uma desordem cerebral na qual uma pessoa tem convulsões repetidas ao longo do tempo. Estas crises começam geralmente entre as idades de 5 e 20, mas eles podem acontecer em qualquer idade. A nova recomendação apresentada na reunião de 65 a Sociedade Americana de Epilepsia anual sugere que as crianças que se apresentam para tratamento em clínicas de epilepsia devem ser analisados ​​para o autismo e atrasos de desenvolvimento, pois uma taxa elevada dessas crianças foi encontrado para ser diagnosticada previamente.
Uma equipe de investigação do Hospital da Criança Memorial, em Chicago realizou um estudo de crianças menores de 5 anos de idade apresentando em uma unidade de monitoramento epilepsia (UEM), entre 01 de novembro de 2010 e 15 de maio de 2011. Os pais foram convidados a preencher um instrumento de rastreamento de desenvolvimento conhecida como a Idade eo Questionário de Estágios, ou ASQ.
A equipe, liderada por Anne Berg e Fisher Breanne, descobriu que mais de 75% das crianças tiveram triagem positiva para atraso do desenvolvimento e 41% positivos para o autismo. Embora a maioria das crianças já tinha sido diagnosticada, mais de um terço não tinha. Essas crianças foram encaminhadas a especialistas para confirmação do diagnóstico.
A epilepsia é realmente muito comum em crianças com transtornos do espectro do autismo (ASD), quase um terço dos pacientes ASD têm crises epilépticas. Um estudo publicado no início deste ano do Centro de Pesquisa CHUM no Canadá descobriram que ambas as condições compartilham uma mutação genética comum. O gene, conhecido como SYN1, desempenha um papel crucial no desenvolvimento da membrana que envolve neurotransmissores, também referido como vesículas sinápticas.
Berg e Fisher recomendam que os pacientes que apresentam com um início ou casos estabelecidos de epilepsia pediátrica ser selecionados para atrasos no desenvolvimento e autismo, se não tiver já.
As fontes incluem: 
American Epilepsy Society
A. Fassio, L. Patry, S. Congia, et al. SYN1 perda de função por mutações em causa a epilepsia parcial ASD e comprometimento da função sináptica. Human Molecular Genetics, 2011; DOI: 10.1093/hmg/ddr122
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO