AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 11 de novembro de 2012

Autismo: descoberta traz esperança de reversão e cura do distúrbio


     
  •  
 
autismo-mundo
O distúrbio nos circuitos neuronais, que está na origem do autismo, poderá ser revertido.
A conclusão é de um estudo suíço, do Biozentrum da Universidade de Basileia, que identificou uma disfunção específica causada pela doença e que conseguiu revertê-la, o que poderá abrir caminho à cura e constitui um enorme passo no desenvolvimento de um futuro tratamento.
Segundo a equipe de especialistas, coordenada por Stephane Baudouin e cujo estudo foi publicado na prestigiada revista científica Science, a existência deste defeito prende-se com uma produção exagerada de um recetor neuronal, o glutamato, que modela esta transmissão, impedindo o desenvolvimento normal do cérebro a longo-prazo e dificultando a aprendizagem.
Eles identificaram um defeito na transmissão de sinais sinápticos em roedores que interfere com a função e a plasticidade dos circuitos neuronais. 
O principal interesse do estudo prende-se com o facto de estas falhas no desenvolvimento do circuito neuronal serem reversíveis, o que poderá traduzir-se numa cura para o autismo.
Até ao momento foram identificadas mais de 300 mutações relacionadas ao risco da doença e um destes genes foi de especial importância para os investigadores do Biozentrum da Universidade de Basileia, que assinam este trabalho recente: o neuroligin-3.
Ele desempenha um papel importante na formação das sinapses, estruturas que permitem a comunicação entre os neurónios.
Ao reativarem a produção de neuroligin-3 nos ratinhos, os investigadores fizeram com que as células nervosas voltassem a produzir glutamato em níveis normais e o defeito detetado na transmissão de sinais sinápticos típico do autismo desapareceu.
Atualmente não existe uma cura para o autismo, um distúrbio hereditário do desenvolvimento do cérebro que se caracteriza por comportamentos repetitivos e dificuldade de comunicação e de interação social. 
Futuramente, a descoberta poderá significar um combate efetivo à doença, que, por enquanto, pode apenas ser atenuada através de terapia comportamental e outro tipo de tratamentos que aliviam os sintomas.
Detalhes do estudo na Science.
Da maior importância é a constatação de que a impossibilidade de desenvolvimento do circuito neuronal no cérebro é reversível. 

Quando os cientistas reativaram a produção de neuroligina-3 em ratinhos, as células nervosas reduziram a produção de receptores de glutamato para um nível normal e os defeitos estruturais no cérebro típico para o autismo desapareceram. Assim, estes receptores do glutamato podem ser um alvo farmacológico adequado, a fim de parar a desordem de desenvolvimento do autismo, ou mesmo inverter isto.

Visão para o futuro: Medicação para o autismo:

O autismo atualmente não pode ser curado. Atualmente, apenas os sintomas da doença podem ser aliviados por meio de terapia comportamental e outros tratamentos. Uma nova abordagem para o tratamento, no entanto, foi descoberta por meio dos resultados obtidos neste estudo. Em um dos projetos apoiados pela União Europeia, EU-Aims, os grupos de pesquisa da Biozentrum estão trabalhando em colaboração com a Roche e outros parceiros na indústria sobre como aplicar os antagonistas dos receptores de glutamato para o tratamento do autismo e esperança, de que, no futuro, esta desordem possa ser tratada com sucesso em crianças e adultos.


Arbaclofen: Mais uma esperança para o Autismo
 
No ano passado, pesquisa de empresa norte-americana apontava possibilidades no tratamento do problema, mas novos testes foram feitos recentemente confirmando a eficácia do Arbaclofen.

Apesar de ser uma pesquisa preliminar, cientistas parecem estar chegando a uma explicação molecular para pelo menos alguns casos de autismo. Pesquisas conduzidas com animais e em um pequeno ensaio clínico com crianças parecem sustentar a idéia de que o autismo é causado por uma falta de regulação química nas sinapses ? as ligações entre as células cerebrais.

As últimas evidências disso vêm de um ensaio clínico realizado com 25 crianças e adolescentes autistas entre 6 e 17 anos de idade. O teste foi conduzido pela empresa Seaside Therapeutics of Cambridge, do estado americano de Massachusetts. Em dados publicados recentemente, as crianças aparentemente tiveram resposta satisfatória à droga Arbaclofen, sofrendo efeitos colaterais mínimos.

Sobre o ARBACLOFEN

O Arbaclofen está relacionado ao componente baclofen, comumente usado como relaxante muscular e agente antiespasmódico. As crianças receberam doses do medicamento durante oito semanas e muitas delas apresentaram melhoras significantes quanto à irritabilidade e a comunicação ? dois problemas comuns no autismo.

A descoberta é considerada preliminar porque o estudo não foi do tipo placebo-controlado, ou seja, os cientistas não puderam comparar as crianças que tomaram o medicamento com crianças tomando placebo.

Segundo Jeremy Veenstra-VanderWeele, professor assistente de psiquiatria, pediatria e farmacologia da Vanderbilt University, isso é especialmente importante em estudos de autismo, pois muitos dos testes usados para avaliar pacientes são subjetivos, incluindo avaliações comportamentais de pais e profissionais de saúde.

Alguns pacientes dele participaram do teste.Embora mais estudos sejam necessários, Veenstra-VanderWeele diz que a eficácia da droga foi uma surpresa agradável.

O especialista disse que um paciente adolescente que teve poucos benefícios de outros medicamentos estava bastante agitado no início do estudo, incapaz de permanecer na sala com os investigadores por mais de alguns minutos.

Oito semanas depois, o mesmo escrevia bilhetes e parecia muito menos ansioso e agressivo ? reação incomum e especialmente animadora da medicação, afirmou o professor, que não tem vínculos financeiros com a empresa que custeou os testes. Contato com os olhos

No geral, os participantes da pesquisa pareciam estabelecer contato com os olhos mais facilmente, alem de se mostrarem menos agitados e ansiosos, disse Paul Wang, vice-presidente de desenvolvimento clínico da Seaside e pediatra especializado em comportamento e desenvolvimento. Alguns deles conseguiram interagir com os colegas mais facilmente e se mostraram menos propensos ao comportamento autoestimulatório conhecido como ?stimming? ? o movimento corporal repetitivo característico do autismo.

A empresa responsável pela pesquisa também testou o Arbaclofen em crianças vítimas da Síndrome do X Frágil, distúrbio genético geralmente relacionado ao autismo. De acordo com ela, tal experimento, maior e com grupo-controle de placebo, também mostrou resultados positivos. O sucesso dos testes com o medicamento, com base em outras pesquisas, sugere que o X Frágil é o primeiro modelo molecular satisfatório de autismo, disse Randi Hagerman, professor de pediatria da Universidade da Califórnia em Davis e diretor médico do MIND Institute, da mesma instituição.

Hagerman trabalhou com a Seaside em testes relativos ao X Frágil, mas não neste novo experimento.Causas desconhecidasO desenvolvimento de novas drogas para tratar o autismo é bastante desafiador. Parte disso se dá ao fato das causas da doença ainda serem desconhecidas. Os sintomas do distúrbio variam muito de uma pessoa para outra, além da doença não poder ser diagnosticada por exames de sangue ou tomografia cerebral. O Arbaclofen é um dos únicos medicamentos que já mostraram algum benefício.

Como funciona o ARBACLOFEN

A droga funciona aumentando a produção do aminoácido GABAB, que inibe a liberação de neurotransmissores nas sinapses. É possível que a ativação insuficiente do GABAB nas sinapses das células de uma parte específica do cérebro leve à ansiedade excessiva, comum em vítimas do autismo e da Síndrome do X Frágil, disse Randall Carpenter, presidente e um dos fundadores da empresa que realizou a pesquisa.Ainda é muito cedo para prever se a droga terá sucesso também em estudos clínicos maiores e, se tiver, em que idade o tratamento deve ser iniciado. A empresa apenas testou o medicamento em crianças acima de 6 anos, pois essa é a faixa etária usada atualmente no tratamento da irritabilidade em crianças autistas.
 
Fonte: seasidetherapeutics.com
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO