AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 14 de julho de 2012

Autismo e crescimento acelerado


Katarzyna Chawarska, professor da Yale University e diretor da Clínica de Deficiência do Desenvolvimento Infantil na universidade descobriu que as crianças que mais tarde são diagnosticadas com autismo tendem a apresentar um crescimento anormal do corpo, mais rápido, também. O estudo, publicado em outubro de 2011 na revista Archives of General Psychiatry , mostra pela primeira vez uma ligação entre autismo e rápido ganho de peso no bebê.
De acordo Chawarska "verificou-se que o crescimento excessivo da cabeça no autismo [algo que já era conhecido a partir de estudos anteriores] é acompanhada por uma curva semelhante para o crescimento excessivo na altura e peso.
Chawarska e colegas da Emory University estudaram os registros pediátricos de 64 crianças com autismo e outro de 55 anos que teve o desenvolvimento normal. Os dados mostram que embora as crianças com autismo eram normais ao nascimento, aos cinco meses foram superiores, em 9,5 meses tinham cabeças maiores para seu primeiro aniversário e pesava mais do que crianças que não foram diagnosticados mais tarde com autismo.
A ligação entre autismo e crescimento da cabeça em crianças já conhecidas, mas este é o primeiro estudo a mostrar que o autismo está associado a um crescimento anormal do corpo em outra área que não a cabeça. O estudo mostra também que, embora as cabeças de crianças com autismo crescer a uma taxa mais rápida do que os de crianças normais, o crescimento da cabeça está em proporção com o crescimento da criança.
O estudo é provocador porque abre novas perspectivas para a pesquisa genética e neurobiológica. Faz-nos perguntar como eles se conectam desenvolvimento infantil e autismo, se é um problema só afeta porque cérebro para o corpo, são genética, nutricional, ambiental?Como tantas vezes acontece com o autismo, as generalizações não são possíveis: nem todas as crianças que desenvolvem autismo estavam acima do peso em seu primeiro ano e nem todas as crianças com excesso de peso em seu primeiro ano, mais tarde desenvolver autismo. Portanto, um ganho de peso acelerado não pode ser usado como um biomarcador mas pode juntar-se outros factores de risco que sugerem a ser vigilante com algumas crianças e seu desenvolvimento psicológico.
Para o futuro, é importante estender o estudo porque a amostra é relativamente pequeno e aprofundar os processos genéticos e fisiológicos por que o autismo pode promover ganho de peso em algumas crianças. Ver, por exemplo, nenhuma diferença nos processos hormonais no comportamento do bebê (sono, exercício físico, o movimento, ..) ou a alimentação da criança (aleitamento natural ou artificial, introdução de novos alimentos, ...), para citar alguns possibilidades.
Para ler mais:
Esta e outras informações de grande interesse ao longo pode lê-los no meu blog pessoal UniDiversidad. Observações e pensamentos.

Artigos relacionados:
  1. As crianças com autismo eram bebês grandes
  2. Autismo regressivo
  3. Meu filho era normal, regrediu e agora tem autismo. Por quê?
  4. Crianças com autismo têm mais neurônios
  5. A prevalência do autismo em Salamanca e Zamora a céu aberto
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO