AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

domingo, 3 de junho de 2012

DSM IV - DIAGNÓSTICO



O diagnóstico do autismo, de hoje em dia, baseia-se em dois grande documentos: o DSM-IV e o ICD-10. São documento utilizados pela maioria dos profissionais de saúde na área de saúde mental.
O DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders - Fourth Edition), foi publicado pela Associação Psiquiátrica Americana e para cada perturbação define critérios de diagnóstico no qual o paciente se deve incluir. Os critérios de diagnóstico da Perturbação do Espectro Autista são os seguintes:


Um total de seis (ou mais) itens de (1) (2) e (3), com pelo menos dois de (1), e um de (2) e de (3).(1) défice qualitativo na interacção social, manifestado pelo menos por duas das seguintes características: 

(a) acentuado défice no uso de múltiplos comportamentos não verbais, tais como contacto ocular, expressão fácil, postura corporal e gestos reguladores da interacção social; 
(b) incapacidade para desenvolver relações com os companheiros, adequadas ao nível de desenvolvimento; 
(c) ausência da tendência espontânea para partilhar com os outros prazeres, interesses ou objectivos (por exemplo; não mostrar, trazer ou indicar objectos de interesse); 
(d) falta de reciprocidade social ou emocional; 


(2) défices qualitativos na comunicação, manifestados pelo menos por uma das seguintes características:

(a) atraso ou ausência total de desenvolvimento da linguagem oral (não acompanhada de tentativas para compensar através de modos alternativos de comunicação, tais como gestos ou mímica); 
(b) nos sujeitos com um discurso adequado, uma acentuada incapacidade na competência para iniciar ou manter uma conversação com os outros; 
(c) uso estereotipado ou repetitivo da linguagem ou linguagem idiossincrática; 
(d) ausência de jogo realista espontâneo, variado, ou de jogo social imitativo adequado ao nível de desenvolvimento;


(3) padrões de comportamento, interesses e actividades restritos, repetitivos e estereotipados, que se manifestam pelo menos por uma das seguintes características

(a) preocupação absorvente por um ou mais padrões estereotipados e restritivos de interesses que resultam anormais, quer na intensidade quer no objectivo; 
(b) adesão, aparentemente inflexível, a rotinas ou rituais específicos, não funcionais; 
(c) maneirismos motores estereotipados e repetitivos (por exemplo, sacudir ou rodar as mãos ou dedos ou movimentos complexos de todo o corpo); 
(d) preocupação persistente com partes de objectos.


B. Atraso ou funcionamento anormal em pelo menos uma das seguintes áreas, com início antes dos três anos de idade: (1) interacção social, (2) linguagem usada na comunicação social (3), jogo simbólico ou imaginativo.


C. A perturbação não é melhor explicada pela presença de uma Perturbação de Rett ou Perturbação Desintegrativa da Segunda Infância.

O ICD-10 ( em inglês: International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems - ICD) fornece códigos relativos à classificação de doenças e de uma grande variedade de sinais, sintomas, aspectos anormais, queixas, circunstâncias sociais e causas externas para ferimentos ou doenças e é publicado pela Organização Mundial da Saúde. Os critérios do ICD-10 para a Perturbação do Espctro Autista são:


F 84 – Perturbações Globais do desenvolvimento


F 84.0 – Autismo Infantil

Perturbação global do desenvolvimento caracterizada por:
a) um desenvolvimento anormal ou alterado que se manifesta até aos 3 anos de idade.
b) apresenta uma disfunção num dos 3 seguintes domínios: interacção social, comunicação e jogo simbólico.
c) Esta perturbação é, na maioria das vezes acompanhada por outras perturbações como fobias, perturbação do sono ou alimentação, crises de birra e agressividade (auto-agressividade).

F84.1 – Autismo atípico

Perturbação global do desenvolvimento:
a) Ocorre após os 3 anos.
b) Não responde a todos os critérios de diagnóstico do autismo infantil.
Esta categoria deve ser utilizada para classificar um desenvolvimento anormal ou alterado, que aparece após os 3 anos, e que não apresenta manifestações patológicas suficientes nos 3 domínios psicopatológicos (interacção social, comunicação e jogo simbólico) implicados no autismo infantil. O autismo atípico ocorre habitualmente em crianças que apresentam um atraso mental ou uma perturbação específica grave no desenvolvimento da linguagem receptiva.

F84.2 – Síndrome de Rett

Perturbação descrita, até este momento, unicamente em meninas, caracterizado por um desenvolvimento inicial aparentemente normal, seguido de uma perda parcial ou completa da linguagem, da marcha e competências das mãos, associados a um atraso no desenvolvimento craniano (ocorre normalmente entre os 5 e 30 meses). A perda dos movimentos voluntários das mãos e a sua torção (movimentos estereotipados), e a hiperventilação são sintomas característicos desta perturbação. O desenvolvimento social e o brincar estão geralmente afectados. A partir dos 4 anos começa-se a manifestar uma ataxia do tronco e uma apraxia, seguidas frequentemente por movimentos coreoatetósicos. A esta síndrome está geralmente associado um atraso mental.
F 84.3 – Outras Perturbações desintegrativas da infância

Perturbação global do desenvolvimentos caracterizada pela presença de um período de desenvolvimento completamente normal (por volta dos 2 anos) antes de se verificar esta perturbação, seguindo-se uma perda das competências anteriormente adquiridas em vários domínios do desenvolvimento normal da criança. Estas manifestações acompanham-se por uma perda global do interesse em relação ao que a rodeia, aparecem os movimentos estereotipados e repetitivos e há uma alteração do tipo autista na interacção e na comunicação. Em alguns casos, esta perturbação surge associada à encefalopatia. No entanto, o diagnóstico deve ter por base as anomalias verificadas no comportamento.
F 84.4 – Perturbação com hiperactividade associada ao atraso mental e aos movimentos estereotipados.

Perturbação ainda um pouco desconhecida e rara. Esta categoria enquadra crianças com um atraso mental grave associada à hiperactividade, défice de atenção e comportamentos estereotipados. Na adolescência, a hiperactividade dá lugar a hipoactividade (o que não é habitual em crianças com hiperactividade e inteligência normal).
F84.5 – Síndrome de Asperger 

Perturbação com origem desconhecida, caracterizada por uma alteração qualitativa das interacções sociais recíprocas, semelhante à observada no autismo, com um reportório de interesses e actividades restrito, estereotipado e repetitivo. Diferencia-se do autismo essencialmente pelo facto de não se acompanhar com um atraso ou uma deficiência na linguagem ou desenvolvimento cognitivo. Estas crianças são geralmente muito desajeitadas. As patologias costumam persistir na adolescência e idade adulta. Pode ocorrer, no inicio da idade adulta, psicoses associadas a este síndrome.
F84.8 – Outras perturbações pervasivas do desenvolvimento.
F84.9 – Perturbações pervasivas do desenvolvimento NCOP.


Referências bibliográficas:

  • World Health Organization. (1993) The ICD-10 Classification of Mental and Behavioural Disorder. WHO Library. Geneva.
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO