AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Ensinar as crianças com autismo para responder e iniciar os pedidos de atenção conjunta


Bridget A. Taylor e Hannah Hoch 
Alpine Aprendendo Grupo 
Journal of Applied Behavior Analysis, 2008, 41, 377-391
Realizamos um projeto de linha de base múltipla através de três participantes com autismo para avaliar os efeitos do apoio social e de reforço ao ensinar os participantes a responder e iniciar os pedidos de atenção conjunta com um adulto. Os participantes foram ensinados a responder a pedidos de atenção conjunta de um adulto olhando na direção do objeto que o adulto observou, comentando sobre o assunto e olhando para trás para o adulto. Para ensinar os participantes a iniciar pedidos de atenção conjunta é necessário reforço de treinamento adicional. Os resultados foram analisados ​​em termos de relevância social no ensino de crianças com autismo para responder e iniciar os pedidos de atenção conjunta.
Atenção conjunta é reconhecida como uma das primeiras formas de comunicação em crianças e envolve o cuidado coordenada entre os atores sociais eo objeto ou evento envolvendo (Bruner, 1975, Mundy, Sigman & Kasari, 1994). Pesquisadores têm distinguido duas formas de atenção conjunta: (a) responder aos pedidos de atenção conjunta dos outros e (b) iniciar pedidos de atenção (Jones & Carr, 2004), Mundy & Willoughby, 1996).Bakeman e Adamson (1984) relatou que crianças com desenvolvimento típico mostrar atenção conjunta não-verbal entre 9 e 18 meses de idade. A primeira tópica de atenção conjunta envolve a coordenação de olhar entre um objeto ou evento e um ambiente familiar (Tomasello, 1995). Após o primeiro ano de vida, crianças com desenvolvimento típico começar a responder aos pedidos de atenção de adultos e iniciar os pedidos de atenção para um objeto ou evento que é de interesse (Butterworth, 1995). 
Vários estudos têm mostrado crianças com autismo apresenta déficits em habilidades de atenção conjunta (Charman, 1998), Jones & Carr, 2004, MacDonald et al. 2006, Mundy 1995, Mundy & Crowson, 1997). Por exemplo, MacDonald et al. observaram que crianças com autismo são mais propensos a responder a pedidos para iniciar a atenção em relação ao seu grupo de pares de desenvolvimento típico. Na verdade, a falta de atenção conjunta no primeiro ano de idade é um dos primeiros sintomas sugestivos de autismo (Baron-Cohen, Allen & Gillberg, 1992).
Desenvolvido na literatura é a hipótese de que as crianças iniciam as solicitações de atenção conjunta para atrair a atenção de adultos e cumprir o propósito social de compartilhamento de informações e experiências, em vez de obter o objeto desejado (Schertz & Odom, 2004). O surgimento de atenção conjunta foi descrita como um ponto focal para o desenvolvimento social e comunicativo de crianças, pois marca o desenvolvimento de processos que fornecem uma base para o desenvolvimento da linguagem e da competência social (Bakeman & Adamson, 1984; Bruner, 1975, Vaughan et al., 2003). 
Do ponto de vista da análise do comportamento, as respostas aos pedidos de atenção conjunta (por exemplo, olhando para um objeto ao qual o adulto é por referência) está sob o controle controle discriminativo do adulto para a atenção da criança e é mais provável de ser mantido por reforçadores generalizados (por exemplo, assistência social, Dube, MacDonald, Mansfield, Holcomb, & Ahearn, 2004). Pedidos de atenção conjunta iniciado pelas crianças são consideradas como controles para a atenção de adultos e direccioná-la para o objeto ou situação. A aparência de um objeto ou evento interessante na presença do adulto pode funcionar como um operante motivacional, um tempo para definir o valor como um reforçador da atenção do adulto.
Uma forma de atenção do adulto é a atenção ao estímulo, definido como "indicadores visuais que o adulto é uma atenção consciente a objetos ou eventos interessantes" (Dube et al., 2004, p. 199), como a abertura olhos e encaminhá-los para a estímulos. Os olhos das mudanças crianças entre o objeto ou situação eo adulto, pode ser mantida pela atenção do adulto ao objeto. Estes estímulos (por exemplo, a atenção do adulto ao objeto ou situação) pode servir como (a) reforçadores condicionados devido ao envolvimento antes da reação do adulto ao objeto ou evento eo aumento de reforço e (b) estímulos discriminativos para outros adultos mediada por contingências (por exemplo, a atenção continuada de adultos para o objeto e / ou participação na situação).
Há três possíveis conseqüências reforçadores relacionados mediada pelo adulto e formar três classes distintas de iniciações de atenção conjunta (Dube et al., 2004). O primeiro é o reforço positivo da participação no evento ou envolvimento com o objeto (por exemplo, a mãe da criança pudesse sorrir e interagir com a criança e seu brinquedo novo). A segunda possibilidade é que o reforço positivo é o aumento do apoio para o reforço (por exemplo, ajudar a criança a brincar com o brinquedo novo). A terceira possibilidade é que o reforço negativo é a redução do medo ou estresse que faz com que o objeto ou situação (por exemplo, assegurar a criança que um cão grande não irá causar danos).
Vários estudos emergentes oferecem suporte para a hipótese de que a atenção conjunta é estabelecida e mantida pelos acontecimentos do meio ambiente e contingências sociais, e que os analistas do comportamento podem manipular esses eventos e contingências para promover a atenção conjunta em crianças com autismo.Um estudo de referência por Whalen e Schreibman (2003) utilizaram verbal prompts, gestual e física para ensinar cinco crianças com autismo a olhar para onde ele olha e diz que um adulto. Os autores também ensinou as crianças a olhar para um brinquedo que estavam jogando com o adulto e apontou para um brinquedo novo. Os pesquisadores reforçaram as respostas corretas da criança permitindo o acesso ao brinquedo. Kasari, Freeman e Paparella (2006) utilizaram vários métodos de apoio e reforço para ensinar 20 jovens com autismo se engajar em respostas atenção conjunta (ou seja, olhar para os objectivos definidos no adulto) e iniciativa ( ou seja, alternando o contato visual entre o adulto e encorajamento, mostrando ou dando o objeto do adulto ou de sinal) Os resultados mostraram que crianças com autismo que participaram deste treinamento mostrou um aumento nas respostas e início de atenção conjunta em relação ao o grupo controle que não havia participado de treinamento.
Embora estes estudos mostram que as respostas atenção conjunta pode ser facilitado o uso de próteses e de reforço (Dube et al., 2004), as investigações ainda não explicou que isolado contingências sociais (por exemplo, a atenção do adulto para o estímulo e interação social) pode funcionar como potenciadores de respostas atenção conjunta em crianças com autismo. Em resumo, os efeitos do ensino das respostas de pedidos de atenção conjunta ea conseqüente emergência de iniciações atenção conjunta não foram estudados. Finalmente, as topografias de respostas atenção conjunta relatados na literatura têm sido limitados a contato com os olhos e os gestos, mas a alternância de olhar, iniciações verbais e não verbais não foram estudados. 
O objetivo deste estudo foi examinar o efeito dos procedimentos de ajuda e reforço social para ensinar as crianças com autismo três componentes da atenção conjunta: mudar o seu olhar entre um objeto e os olhos dos adultos, verbalmente responder a pedidos de atenção conjunta e iniciar os lances atenção conjunta verbalmente.
Página 1 , 2 , 3 , 4 , 5

Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO