AUTISMO EM GOIÂNIA

Seguidores

PALAVRAS DA FONOAUDIÓLOGA E MÃE MARILUCE

Eu não vou mudar meu filho porque é autista; eu prefiro mudar o mundo, e fazer um mundo melhor; pois é mais fácil meu filho entender o mundo, do que o mundo entender meu filho.

ESTOU SEMPRE NA BUSCA DE CONHECIMENTOS PARA AJUDAR MEU FILHO E PACIENTES. NÃO SOU ADEPTA DE NENHUM MÉTODO ESPECÍFICO, POIS PREFIRO ACREDITAR NOS SINAIS QUE CADA CRIANÇA DEMONSTRA. O MAIS IMPORTANTE É DEIXÁ-LOS SEREM CRIANÇAS, ACEITAR E AMAR O JEITO DIFERENTE DE SER DE CADA UM, POIS AFINAL; CADA CASO É UM CASO E PRECISAMOS RESPEITAR ESSAS DIFERENÇAS. COMPARAÇÃO? NÃO FAÇO NENHUMA. ISSO É SOFRIMENTO. MEU FILHO É ÚNICO, ASSIM COMO CADA PACIENTE.
SEMPRE REPASSO PARA OS PAIS - INFORMAÇÕES, ESTRATÉGIAS, ACOMODAÇÕES E PEÇO GENTILMENTE QUE "ESTUDEM" E NÃO FIQUEM SE LUDIBRIANDO COM "ESTÓRIAS" FANTASIOSAS DA INTERNET. PREFIRO VIVER O DIA APÓS DIA COM A CERTEZA DE QUE FAÇO O MELHOR PARA MEU FILHO E PACIENTES E QUE POSSO CONTAR COM OS MELHORES TERAPEUTAS - OS PAIS.

Por Mariluce Caetano Barbosa




COMO DEVO LIDAR COM MEU FILHO AUTISTA?

Comece por você, se reeduque, pois daqui pra frente seu mundo será totalmente diferente de tudo o que conheceu até agora. Se reeducar quer dizer: fale pouco, frases curtas e claras; aprenda a gostar de musicas que antes não ouviria; aprenda a ceder, sem se entregar; esqueça os preconceitos, seus ou dos outros, transcenda a coisas tão pequenas. Aprenda a ouvir sem que seja necessário palavras; aprenda a dar carinho sem esperar reciprocidade; aprenda a enxergar beleza onde ninguém vê coisa alguma; aprenda a valorizar os mínimos gestos. Aprenda a ser tradutora desse mundo tão caótico para ele, e você também terá de aprender a traduzir sentimentos, um exemplo disso: "nossa, meu filho tá tão agressivo", tradução: ele se sente frustrado e não sabe lidar com isso, ou está triste, ou apenas não sabe te dizer que ele não quer mais te ver chorando por ele.

sábado, 10 de novembro de 2012

Avaliação da Fala: Como fazer levantamento dos dados?


Após a avaliação formal ou informal ter sido realizada , o examinador deverá levantar todos os dados conseguidos, de maneira a se obter um quadro geral de como se apresenta a fala do paciente, para posterior análise.

Este levantamento deverá apresentar:
Ao nível da recepção 
  • Discriminação auditiva de pares de sílabas ou palavras, para que o paciente responda se são iguais ou diferentes.
Ex.:      ou    
Esta prova exige que se tenha o conceito de igual e diferente, que pode ser verificado, no exemplo acima. Mostra-se as figuras de uma faca e uma vaca e solicite a criança que aponte qual é a vaca.
  • Repetição de sílabas, vocábulos e frases
Podem ser dadas séries de sílabas, uma lista de palavras e várias frases para que o paciente as repita.
Pode-se utilizar como sugestão a lista de fonemas de Genaro, Yamashita e Trindade, 2004. Uma lista de fonemas da língua portuguesa com exibição de fonemas, palavras e frases em diferentes posições no vocábulo do fonema testado.
  • Repetição de vocábulos sem sentido
Este teste difere do anterior por não sofrer interferência do treino e memorização de padrões já estabelecidos. Podem serem apresentadas figuras sem sentido do contexto ou até mesmo desenhadas pelo examinador, mas que contenham os fonemas a serem testados, pedindo que o paciente as repita.
Ex.: Figuras com o fonema /k/
Conclusão
A validade das provas estarão na avaliação conjunta das mesmas.
  1.  Caso o paciente tenha apresentado erros na prova de pares para discriminação e os mesmos tipos de erros ocorrerem na repetição, se constará a presença de uma falha receptiva também;
  2. Caso não tenha havido erros na discriminação dos pares e ocorrerem na repetição, será constatada uma falha apenas ao nível da articulação;
  3. Além disso, poderemos observar nas provas de emissão espontânea erros que devido ao modelo do terapeuta, desapareceram na repetição, sugerindo a presença de possíveis distúrbios a nível de retenção ou evocação da imagem auditivo-motora dos vocábulos.
Bibliografia
Spinelli VP, Massari IC, Trenche MCB. Temas em Fonoaudiologia. 9ª ed.
São Paulo: Loyola; 1989. Cap. Distúrbios Articulatórios.
Genaro KF, Yamashita RP, Trindade IEK. Avaliação clínica e instrumental na fissura labiopalatina. In: FERREIRA LP, BEFI-LOPES DM, LIMONG SCO, organizadoras. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca; 2004. p.456-77.
Postar um comentário

NOSSO JORNAL

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!

ESSE É O NOSSO DIFERENCIAL!
PROGRAMA ESTRUTURADO, INDIVIDUALIZADO. ATENDIMENTO DOMICILIAR.

Postagens populares

Minha lista de blogs

Ocorreu um erro neste gadget

GOOGLE ANALÍTICO